Para expressar a liberdade

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 2

A lição de Antônio José da Silva, o Piauí: a Justiça é classista

julho 19th, 2008 by mariafro

(A manifestação de hoje, no Masp, foi democrática até mesmo em sua geografia: o vão foi ocupado em círculo. Na foto você vê uma parte dele)

Hoje, na Avenida Paulista, encontrei o Brasil que admiro e me orgulho. Ele não vestia gravatas. Era formado por jovens, velhos, homens e mulheres, pretos e brancos que se juntaram espontaneamente para lutar por uma Justiça decente e transparente.

De todos os Brasis que vi e ouvi no democrático megafone do Movimento dos Sem Mídia, quero falar do Brasil representado pelo “Piauí”, um criativo artista de rua. Ele viu nossa ‘muvuca’, cuja organização começou pela rede, com informes trocados a partir do Edu Guimarães do Cidadania.com. Éramos cerca de 200 internautas que indignados acordamos cedo neste sábado para sair às ruas e protestar contra um certo Gilmar.

(Eduardo Guimarães, presidente da ONG Movimento dos Sem Mídia e blogueiro do Cidadania.com, no início da manifestação, aquecendo o gogó.)

Piauí tem uma história de vida rica que se a gente parar para ouvir se enternece, emociona-se e aplaude. Antes de convidá-lo para se juntar à manifestação ouvi suas considerações. Falávamos da Justiça Brasileira, quando uma senhora passante se juntou a nós e perguntou quem era Gilmar (o Dantas ela sabia que era uma bandido rico).

O Gilmar mais conhecido dos brasileiros é o dos Santos Neves, o goleiro que segurava todas, autor de defesas memoráveis na seleção brasileira e que nos garantiu o bi-campeonato nas Copas de 1958 e 1962. Já o Gilmar que nos indigna na atualidade não guarda semelhança alguma com o seu xará espetacular, que nos enchia de orgulho cada vez que defendia a camisa verde-amarela.

Este que nos envergonha é o Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal. Este Gilmar não agarra uma bola, é juiz, mas só entra em campo para jogar contra a camisa. Lá da Corte maior da Justiça Brasileira, na calada da noite, ele dá serão para soltar banqueiros que enriqueceram sugando recursos públicos, corrompendo políticos sem caráter e lavando dinheiro em paraísos fiscais.

Este Gilmar, motivo de nossa repulsa, passa por cima de craques como o juiz federal Fausto Martins De Sanctis e o procurador da República no Estado de São Paulo Rodrigo De Grandis e só defende aqueles com muito dinheiro, mesmo que amealhado de modo ilícito e criminoso.

Voltemos ao nosso encontro com o Brasil, representado pelo Piauí. Segurávamos, eu, Mamá, Clóvis e outro internauta indiganado cartazes com palavras de ordem que nós produzimos ali no vão do Masp, enquanto a moçada se organizava. Buscávamos chamar a atenção dos passantes para a nossa manifestação, ampliar o apoio à indignação.

(A Mamá, dando uma força na produção dos cartazes: cidadania se aprende praticando)

Piauí mora em um bairro pobre da zona Norte, Jardim Vista Alegre, e me contava dos seus inúmeros amigos, pais de família que, por motivos bobos, (como roubar um shampoo, um pote de margarina ou mesmo sem cometer crime algum como o Sandro) mofam nas cadeias de nosso país, enquanto seus filhos são criados soltos nas ruas.

Piauí é um homem negro, bem magro, seu corpo mostra o preparo daqueles que tentam ganhar a vida nas ruas, caminhando longas distâncias de onde vivem para os centros aonde buscam vender suas mercadorias. Os fiscais da prefeitura (aqueles mesmo envolvidos em uma máfia que recentemente tomou os noticiários) tomaram todos os seus apretechos de trabalho, porque ele não ganha o suficiente para lhes pagar as proprinas exigidas.

Ele já morou embaixo da ponte e hoje contrariando o senso comum e preconceituoso de que os pobres abandonam seus filhos à própria sorte e não se preocupam com a educação deles (reproduzido por uma classe média alienada que ocupa as instituições privadas e públicas e que não conhece a periferia) participa da associação de Pais e Mestres da Escola República da Colômbia, no Jardim Vista Alegre.

Ele quer fazer a diferença na escola em que sua filha estuda, ele deseja que ela e as crianças do Jardim Vista Alegre tenham garantido o direito de ter acesso à boa educação. Sua contribuição é ensinar às crianças como se expressarem a partir da arte, mas ele quer mais, ele quer que as crianças tenham direito de dançar, cantar, aprender bem o seu idioma e uma língua estrangeira e tudo que lhes dê chances de continuar a batalha da sobrevivência.

Piauí encantou a todos e deveria dar curso à classe média que abriu mão de seu papel cidadão. Uma dada hora ouvi ele dizer a uma advogada encantada com as suas considerações: sabe qual é o grande problema? Os seus filhos vão para uma boa escola, crescem, se formam, os meus não. Pode ser que se encontrem em um farol, um dentro do carro e o outro pedindo esmola e um mate o outro. A advogada Helenita concordou com ele, pensa como ele.

Pode parecer hardcorde a constatação nua e crua de Piauí, mas ela não está longe da verdade. Piauí não apenas vê e sente em sua pele negra os problemas que afetam a comunidade onde vive. Ele busca cotidianamente resistir, ser sujeito de sua história e agir contra a sist
emática exclusão destinada a ele e todos os demais Piauís e seus filhos.

Convidei Piauí pra se agregar a nós com o ‘troféu’ que ele confeccionou para entregar a todo aquele representante nos Três Poderes que se deixou corromper.

(O troféu criado por Piauí se chama ‘corrupção’, o câncer que produz desigualdades. Materiais: caixa e bitucas de cigarro.)

Foi sobre as desigualdades a tônica do discurso de Piauí que se apropriou do megafone dos Sem Mídia e abriu sua fala dizendo: Vocês sabem por que o Cacciola desceu rindo do avião? Por que ele sabe que vai ficar pouco tempo na cadeia e em cela especial. Eu sou contra as pessoas educadas terem celas especiais. As pessoas educadas, como o juíz Lalau, sabem o que estão fazendo, conhecem a lei, tem informação e formação, seus crimes são, assim, maiores que dos ladrões de galinha. Os mais bem educados tinham obrigação de agir bem. Por que então quando cometem um crime (e raramente são presos) têm acesso à cela especial?

(Marina Monteiro ajudando na divulgação: cidadania se aprende praticando)

Piauí e todos os brasileiros pobres de nosso país sabem que nossa Justiça é classista no corpo da lei: ela pune duplamente os pobres, os sem instrução superior, os sem equipes de advogados que já ocuparam os altos postos da Corte Suprema como o ex-ministro do STF, Luis Carlos Lopes Madeira, um dos inúmeros advogados de Daniel Dantas.

A Justiça classista brasileira confina os pobres como bichos em jaulas super lotadas, sem condições mínimas de higiene e saúde, sem chance alguma para reabilitação e os esqueçe para mofarem, ‘mortos em vida’.

Já para os Dantas, Nahas, Cacciolas ela é pródiga em benefícios e benesses e, muitas vezes, é incapaz de puni-los e devolver aos cofres públicos os recursos lesados por esses bandidos de colarinho branco.

Piauí sabe que a escola de sua filha não tem os recursos que poderia ter, porque existe corrupção e porque os poucos que estão no poder e desejam combatê-la são boicotados, em contra-discursos pautados nas redações para confundir e não informar a população.

Piauí sabe que os mesmos que, há décadas, roubam os cofres públicos em operações complicadas neste país, querem empurrá-lo para marginalidade, mas ele resiste e diz: ‘eu não quero ser como eles’. E amplia sua voz no megafone argumentando: se a corrupção existe da forma que existe é porque permitimos, é porque não exercemos nosso poder de cidadania; é porque nos próximos mega showmícios tem gente lá pra aplaudir e eleger aqueles que só conhecem a periferia em época de campanha. Por isso, essa manifestação não pode parar aqui, a gente tem de continuar, ampliar, até sermos ouvidos.

Piauí em nossa festa democrática ensinou a muita gente o que é cidadania, o que é ver e ser visto sem preconceitos, o quanto é importante exercer o direito de se manifestar livre e pacificamente. Ensinou até ao cinegrafista da Globo que, ouvindo a nossa conversa, depois comentou: “quem olha pra esse cara aí, não dá nada por ele“.

************

Repercussão:

Manifestantes em São Paulo pedem impeachment de Gilmar Mendes
19 de Julho de 2008 – 15h13

Elaine Patricia Cruz
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – Manifestantes fizeram na manhã de hoje (19), em São Paulo, um protesto pedindo o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. Além do protesto, eles assinaram um manifesto que pretendem encaminhar ao Senado Federal pedindo a saída do presidente do STF. O manifesto, que já tem cerca de 10 mil assinaturas segundo a coordenação do movimento, pode ser lido e assinado em um blog internet.

Segundo o comerciante Eduardo Guimarães, coordenador do movimento, em todo o Brasil e principalmente na capital paulista, a idéia da manifestação surgiu assim que o ministro Gilmar Mendes concedeu dois habeas corpus ao banqueiro Daniel Dantas, preso pela Polícia Federal durante a Operação Satiagraha.

“Quando começou a se materializar a inconsistência jurídica que havia no habeas corpus é que as pessoas começaram a se dar conta de que alguma coisa precisava ser feita. A mim, como cidadão, gerou uma sensação de muita insegurança porque eu não teria jamais esse benefício”, disse Guimarães, em entrevista à Agência Brasil.

Para ele, há, no Brasil, três tipos de justiça: “a dos banqueiros, que nunca ficam presos; a da classe média, que pode ir para a prisão dependendo do ‘clamor das ruas’; e a dos pobres, que sempre ficam na cadeia, sem qualquer tipo de julgamento”.

“Estamos propondo um país com uma justiça só. E isso só vai acontecer a partir do momento em que os cidadãos se manifestarem”, afirmou.

Manifestantes em São Paulo pedem impeachment de Gilmar Mendes

19/0716:51Agência Brasil

SÃO PAULO – Manifestantes fizeram na manhã deste sábado, em São Paulo, um protesto pedindo o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. Além do protesto, eles assinaram um manifesto que pretendem encaminhar ao Senado Federal pedindo a saída do presidente do STF. O manifesto, que já tem cerca de 10 mil assinaturas segundo a coordenação do movimento, pode ser lido e assinado em um blog internet.

RBS, reproduziu a matéria na Agência Brasil

Tags:   · 14 Comments

Leave a Comment

14 responses so far ↓

  • Foi maravilhoso fazer parte deste grupo sabado passado para protestar contra o ministro GILMAR MENDES. Acabo de ver no blog do EDU que o senador GARIBALDI ALVES arquivou o pedido de impeacheament do citado senhor.
    Acho que agora é a hora de nos unirmos ainda mais, nos mobilizar de novo e tentar voltar as ruas com mais força, pois esta gente tá nos afrontado.

  • Olá Frô, tem como saber o seu e-mail?
    Sou Cido, estava na manifestação, lembras?
    Aguardo
    Beijos
    Cido

  • Muito legal seu blog…gostei pacas!!!

    O que você escreveu do Piauí e da nossa “festa” foi lindo!

    Espero que em outros encontros (oxalá) tenhamos mais Piauís para elucidarem aquilo que já é claro, mas que por vezes se perdem meio a tanta injustiça.

    Abração!!

  • Amigos, complementando

    Durante a manifestação, tive de explicar para a maioria das pessoas que passavam e com as quais conversei quem era o Mendes e o que era o STF (exceto para o Piauí). Para mim a experiência valeu também como educadora, percebi que a gente precisa informar (já a imprensa não faz isso) o que é a Justiça classista, quem é Mendes, que cargo ocupa, o que significa este cargo. Creio eu estar na hora da produção de cartilhas sobre a função das principais instituições brasileiras.
    Temos de multiplicar os ‘Piauí’.
    PS. Lembrei-me que o Paulo Zottolo, presidente da Philips, dizia que o Piauí (estado) não fazia falta ao Brasil… Mas sabemos o quanto precisamos dos Piauís da Paulista para fortalecer a cidadania.
    abraços

  • Parabéns pela participação na manifestação como cidadã e pelo belo relato.

  • Queridos,
    professor Marcos, professora Claudine, professor Toni, queridos Dudu, Cloves (é com e, mesmo?), Marcos Simões, a sensação de desânimo acometeu a todos na última semana, mas temos de reagir e acho que o Piauí e mais os 200 do Masp e os demais que se reunirão em várias cidades brasileiras, mostram que o caminho é reagir com cidadania, né?
    Grande abraço a todos e obrigada pela visita e comentários
    Abraços
    Conceição Oliveira

  • Excelente texto! Pensei em deixar um elogia no seu perfil do orkut, mas não consigo, encontrei lá que temos amigos em comum. O blog está muito bom também, vou linkar no meu.

  • Oi Maria…. adorei seu Blog!!! fiquei emocionado com seu texto! Ele é muito sencivel e me deixou arrepiado…. parabens!

    ate a proxima….

    bjao

    clovesferreira@hotmail.com

  • De fato, o Piauí merece todo o nosso aplauso. Um cidadão brasileiro simples, como qualquer um de nós, foi lá e deu o recado. pegou o microfone e disse poucas e boas contra essa gente que pensa que o Brasil lhes pertence. Não! Fiquei feliz em ver várias pessoas indignadas. Esse número vem crescendo a cada manifestação. Logo, logo seremos milhões espalhados por esse Brasil a fora. Maria, que Deus nos ilumine nessa luta diária.
    Marcos Simões

  • Maria, boa noite, ainda bem…o pedido de impeachemnet do sr. ministro presidente já foi feito mas infelizmente por um único cidadão…olhe no link do site do paulo henrique amorim…parabéns pelas fotos do masp….fique com Deus…

    http://www.paulohenriqueamorim.com.br/forum/Post.aspx?id=414

  • Excelente texto. Destacaria a dissertação sobre nosso artista, o “Piauí”, que banha sua sabedoria com criatividade e ainda lhe sobra tempo para bom humor. Enchergou-o com os olhos de uma verdadeira escritora, sensível e amparada em nobres causas. Parabéns. Quanto à manifestação, em si, foi mais um dia em que todos os presentes puderam sentir o quanto vale a pena ser útil ao país… mesmo “não ganhando nada” ..rs (aparentemente). Sobre isso pois, que vim aqui também dizer um pouco:
    Jovem Marina viu a câmera e pensou na fama (brincadeira dela ou não, bem que merece…). Disse-lhe: – Muito bonito, voce na fama enquanto eu preso! – e veio o inevitável “por quê”. Deveria ter explicado, que
    quando eu tinha a idade dela, naquela época, as pessoas que tinham a minha idade de hoje em dia iam prezas por se manifestarem em praça pública. Foi daí que brotou o minha ironia sarcástica; mas vendo o sorriso dela achei por bem não explicar, com medo de tirá-lo de seu rosto… Pensando melhor, resolvi explicar agora; ela é Forte. Aliás, sarcasmo mesmo, veio dela, ao mostrar que hoje se manifesta e ainda sorri. Diga-lhe que, famosa ela já é! Foi também uma das estrelas da DEMOCRACIA no dia de hoje. VIVA! – Ricardo

  • Parabéns cidadãos brasileiros, dignos deste nome, que fizeram com que eu voltasse a acreditar que poderemos ter um Brasil igualmente digno de se viver e criar os nossos filhos!!!! Este país clama, agoniza, por atos como este que fizeram no vão do Masp, gritando na cara deste país pra ver se todos acordam, saiam do comodismo e comecem a agir… Uno o meu clamor ao de vcs e acredito na força que há quando muitos trabalham por um objetivo em comum!

  • Possivelmente os eventos das últimas semanas foram um desafio a esperança de todos aqueles que acreditam no aperfeiçoamento das nossas instituições em direção a uma verdadeira res publica. Alguém pode alegar, por exemplo, que “o caso é complexo” e que “de fora” não é possível saber de “todos” os elementos envolvidos na prisão Dantas- Nahas – Pitta. Porém a atitude, ou melhor, a seqüência de atitudes do Ministro Gilmar Mendes, particularmente sua celeridade e tenacidade em “resolver” o problema, foi espantosa o suficiente para que qualquer pessoa de bom senso percebesse brutal assimetria instalada no que parece ser não um, mas vários sistemas judiciários, cada qual sendo acionado em função do tamanho da conta bancária e da rede de influências dos arrolados. Para mim foi como um paulada na cabeça, coisa de ficar prostrado no chão, sem ação. Depois que isso acontece temos duas opções, se reder a plutocracia e aceitar este “melhor dos mundos possíveis” ou tentar recobrar os sentidos e mesmo ainda atordoados procurar reorganizar as idéias e seguir lutando. Parabéns àqueles que escolheram seguir lutando. Não vamos esquecer, não vamos perdoar, não vamos admitir, vamos enfrentar! Força a todos!