Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 2

Para além das operações militares no morro: crime organizado é transnacional

dezembro 5th, 2010 by mariafro

Nas semanas em que Vila Cruzeiro e Complexo do Alemão foram ocupados por uma operação policial e militar (Forças Armadas, mais BOPE mais polícia civil) qualquer discurso crítico lembrando que em operações desta natureza há riscos de violência indiscriminada e perda de garantia dos direitos civis básicos (já ausentes para a imensa maioria da população das periferias dos grandes centros) era sumariamente rechaçado inclusive pela classe média que se apresenta como de esquerda.

Eu sei que ao menos entre os que frequentam este blog, todos aqueles que apoiaram indiscriminadamente as operações policiais-militares nos morros cariocas desejam que a violência acabe. Sei que repudiam igualmente que vidas inocentes (e nem sempre a dos traficantes) sejam ceifadas quer pelos soldados do tráfico quer por soldados fardados.

Compreendo inclusive o porquê desse grupo ter tratado os críticos da operação militar como anti-nacionalistas, como favoráveis aos traficantes, utópicos, românticos…

Mas será que agora, passada a euforia e o torpor, podemos discutir sobre o fato de que nos morros não encontraremos o capo di tutti i capi? Poderemos falar da barbárie que as milícias intocadas pela operação militar provoca na vida dos moradores das favelas cariocas?  Poderemos falar como se organiza o tráfico de drogas e armamentos considerando aspectos que foram completamente esquecidos pela torcida dos homens de preto?

Ah! Eu também sei e considero como bastante positivo isso aqui, mas será que justifica isso, isso e isso?

O tráfico no Rio e o crime organizado transnacional

Por: Marco Aurélio Weissheimer no RSUrgente

03/12/2010

Os verdadeiros chefes do narcotráfico no Rio de Janeiro são ligados à rede do crime organizado transnacional que movimenta no sistema bancário internacional cerca de 400 bilhões de dólares por ano. A situação que vemos no hoje no Rio, diz o jurista Wálter Maierovitch, reflete um quadro internacional, onde as polícias só conseguem apreender entre 3 e 5% das drogas ofertadas no mercado. “É preciso ter em mente essa dimensão global do crime organizado na hora de buscar soluções para enfrentar o problema em nossas cidades”, defende.

Os verdadeiros chefes do narcotráfico no Rio de Janeiro são ligados à rede do crime organizado transnacional que movimenta no sistema bancário internacional cerca de 400 bilhões de dólares por ano. Esses são os grandes responsáveis pela violência e pelo tráfico de drogas e armas em todo o mundo. A situação que vemos no hoje no Rio reflete um quadro internacional, onde as polícias só conseguem apreender entre 3 e 5% das drogas ofertadas no mercado. É preciso ter em mente essa dimensão global do crime organizado na hora de buscar soluções para enfrentar o problema em nossas cidades. A avaliação é do jurista Wálter Maeirovitch, colunista da revista Carta Capital e ex-secretário nacional antidrogas da Presidência da República.

Compreender essa dimensão global é condição necessária para evitar discursos e propostas de soluções simplistas para o problema. Maierovitch dá um exemplo: “Os produtos principais do tráfico de drogas são a maconha e a cocaína. Tomemos o caso da cocaína. Sua matéria prima, a filha de coca, é cultivada nos Andes, especialmente no Peru, Bolívia, Colômbia e Equador. No entanto, a produção da cocaína exige uma série de insumos químicos e nenhum destes países tem uma indústria química desenvolvida. O Brasil, por sua vez, possui a maior indústria química da América Latina”. Ou seja, nenhum dos países citados pode ser apontado, isoladamente, pela produção da cocaína. Essa “indústria” tem um caráter essencialmente transnacional.

Novas tendências das máfias transnacionais

Presidente do Instituto Brasileiro Giovanni Falcone de Ciências Criminais, Wálter Maierovitch é um estudioso do assunto há muito tempo. O livro “Novas Tendências da Criminalidade Transnacional Mafiosa” (Editora Unesp), organizado por ele e por Alessandra Dino, professora da Universidade Estadual de Palermo, trata dessas ramificações internacionais do crime organizado. A primeira Convenção Mundial sobre Crime Organizado Transnacional, organizada pela ONU, em 2000, em Palermo, destacou o alto preço pago ao crime organizado internacional em termos de vidas humanas e também seus efeitos sobre as economias nacionais e sobre o sistema financeiro mundial, onde US$ 400 bilhões são movimentados anualmente.

Em 2009, diante da crise econômico-financeira mundial, o czar antidrogas da ONU, o italiano Antonio Costa, chamou a atenção para o fato de que foi o dinheiro sujo das drogas funcionou como uma salvaguarda do sistema interbancário internacional. “Os bancos não conseguem evitar que esse dinheiro circule, se é que querem isso”, observa Maierovitch. A questão da droga, acrescenta, é muito usada hoje para esconder interesses geopolíticos. Muitos países são fortemente dependentes da economia das drogas, como é o caso, por exemplo, de Myanmar (antiga Birmânia), apontado pela ONU como o segundo maior produtor de ópio do mundo (460 toneladas), e de Marrocos, maior produtor mundial de haxixe.

Tráfico de armas sem controle

Uma grave dificuldade adicional que os governos enfrentam para combater o narcotráfico é que ele anda de mãos dadas com o tráfico de armas. O Brasil é um dos maiores produtores de armas leves do mundo. Em 2009, a indústria bélica nacional atingiu o recorde do período, com a fabricação de 1,05 milhão de revólveres, pistolas e fuzis, segundo dados da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército. A falta de controle sobre a circulação de armas, observa Maierovitch, é um problema grave. Quando um carregamento com armas sai de um porto brasileiro, explica, exige-se um certificado de destinação. Mas, depois que o navio sai do porto, perde-se o controle. O certificado diz, por exemplo, que as armas vão para Angola. Mas quem garante que, de fato, foram para lá? Esse certificado serve para que, então? – indaga o jurista.

O quadro que vemos hoje no Rio, insiste Maierovitch, precisa ser amplificado para que possamos ver todas essas conexões com o crime organizado transnacional, que atua em rede com nós funcionando como pontos de abastecimento e distribuição. Essas redes são flexíveis e estão espalhadas pelo mundo, acessíveis a quem assim o desejar. Há várias portas de entrada para ela e identificar suas ramificações não é tarefa simples. O jurista cita o caso da cocaína. Cerca de 90% da cocaína consumida hoje nos Estados Unidos vem da Colômbia e entra no país pelo México. E 90% das armas utilizadas pelos cartéis mexicanos vêm dos Estados Unidos. Ou seja, há duas vias de tráfico na fronteira entre EUA e México: por uma circulam drogas e pela outra, armas.

Pacificação x Militarização

Neste cenário global de expansão e ramificação do crime organizado, Maierovitch considerou surpreendente e muito importante a recente ação policial no Rio de Janeiro, na Vila Cruzeiro e no Complexo do Alemão. Essa ação, destaca, traz elementos importantes que devem marcar a ofensiva contra o crime: reconquista de território, retomada do controle social nas comunidades, garantir cidadania e liberdades públicas à população que vive nestas áreas. A política que vem sendo implementada pelo governo do Rio, acrescenta, está baseada num conceito de pacificação e não de militarização como ocorreu, por exemplo, no México, onde o governo de Felipe Calderón colocou o Exército na linha de frente da guerra contra o narcotráfico e está perdendo essa batalha, com um grande número de vítimas civis.

No Rio, prossegue, o que houve foi uma reação a ataques espetaculares cometidos pelo tráfico, mas a política é pacificadora. “No início do governo de Sérgio Cabral fui um crítico à política que ele estava implementada e que seguia essa linha adotada no México. Mas agora a política é outra e merece apoio. Maierovitch critica o que chama de “ataques diversionistas” contra o governo estadual, que o acusam de favorecer as milícias ao focar sua ofensiva no Comando Vermelho e no Amigos dos Amigos. “Esse diversionismo só favorece o crime organizado. Há territórios que estão sendo retomados e rotas de tráfico interrompidas. É possível e fundamental reestabelecer a cidadania no Rio de Janeiro”, defende.

Trata-se, em resumo, de uma luta permanente, global e em várias frentes, onde cada metro de terreno conquistado deve ser valorizado e cada derrota imposta ao crime organizado servir como aprendizado para maiores vitórias no futuro. Maierovitch conclui: “A Itália é a terra da máfia, é verdade, mas também se tornou a terra da luta contra a máfia. Precisamos aprender com essas experiências.”

Tags:   · · · · · · · · · · 10 Comments

Leave a Comment

Current ye@r *

10 responses so far ↓

  • Então … Que os Estado não deve Virar criminoso é Claro. O problema que eu vejo é Sair atacando qq intervenção do Estado Como ilegítima, Como uma galera andou fazendo por ai.

    Tem vários fronts Pra serem atacados no combate ao tráfico. Claro que um edles é sufocar os mecanismos de financiamento. Isso dá Pra Fazer COM especialistas de escritório em Grande Parte. Mas Tempos que ter claro em Mente que não dá PrA deixar Os traficantes intimidarem o Estado COM ações espetaculosas Como As recentes. o tráfico apela PrA esse expediente justamente quando vê seus Interesses afrontados.

  • RT @maria_fro: Para além das operações militares no morro: crime organizado é transnacional: http://bit.ly/gPfgH6

  • RT @maria_fro: Para além das operações militares no morro: crime organizado é transnacional – http://tinyurl.com/2eq8aj4

  • Para além das operações militares no morro: crime organizado é transnacional – http://tinyurl.com/2eq8aj4

  • Pois é. O erro está em transformar, ou deixar a discussão ser canalizada pelo maniqueismo infantil onde os debates sérios costumam cair no Brasil do PIG.

    Continuo achando que a operação foi muito importante pro que é a retomadado controle das favelas, e apoio a vontade das auotridades do Rio em querer virar esse jogo. Mas é evidente que a soluç4ao definitiva ainda não apareceu, assim como a necessidade de um plano mais complexo e da união de forças do Estado com o Governo Federal prá se buscar uma solução estável.

  • como já disse mv bill, "o bagulho é doido"> o que há por tras dos aparentes "chefes do tráfico"nos morros cariocas > http://bit.ly/gPfgH6

  • RT @maria_fro: Para além das operações militares no morro: crime organizado é transnacional: http://bit.ly/gPfgH6

  • Para além das operações militares no morro: crime organizado é transnacional: http://bit.ly/gPfgH6

  • Oi Solange, na introdução ao texto reproduzido proponho exatamente sair desta dicotomia e passarmos a ver o problema com a complexidade que ele tem. Não foi à toa que coloquei, por exemplo, o link do PHA sobre o lado positivo da chegada do Estado no Complexo do Alemão.
    Abraços

  • Creio que a ação policial não exclui outras ações. Não vamos nos esquecer de que os homens de preto, são homens tb e que estes são chamados em situações extremas. Não vamos nos esquecer de que eles vão como escudo social na linha de frente. Claro, existem os corruptos! Porém, não podemos julgá-los todos e criminaliza-los por conta da corrupção que existe, não apenas nesse grupo da sociedade. No caso em questão nos dois lados (hab do morro e policiais) existem coniventes e não coniventes.
    Sobre a simbiose entre o capital transnacional e máfias do tráfico de drogas, armas e pessoas não há nada que tenha sido exposto que seja novo. Geógrafos da UFF e do Brasil já estudam isso faz tempo. Salvo engano, creio, desde a década de 1980.
    Mas, procurando amarrar as idéias discutidas sobre o problema: No campo da geografia debatemos o tema faz tempo e creio que outra áreas do conhecimento tb. Creio que na esfera do poder público, forças policiais e sociedade também! O que nos falta, verdadeiramente, é pararmos de acusações, de buscarmos um BODE e de percebermos a sociedade de forma fragmentada e corporativa (policiais, população das comunidades e academia), como se disputássemos quem é o mais certo ou mais errado e nos juntarmos de forma cooperativa e colaborativa para elaborar estudos e estratégias de enfrentamento. Chega de hipocrisia!
    Gde abç
    Sol