Morreu João para renascer Joicy

Maria Frô
Por Maria Frô abril 15, 2011 14:55 Atualizado

Hoje me emocionei muito ao ler a belíssima reportagem de Fabiana Moraes, publicada no Jornal do Comércio. Por isso compartilho com vocês, nesses tempos tão sombrios de preconceitos de todas as ordens e recrudescimento da homofobia.

Peço também para aqueles que se solidarizarem com a história de Joicy que contribuam para que ela possa comprar os remédios e ter sua plena recuperação em sua nova trajetória como mulher.

Para ajudá-la, deposite qualquer quantia na AG 0775, Conta Corrente:  5836-3, OP 023 (Caixa ou loteria) OP porque é uma conta Bolsa Família.

O nascimento de Joicy
Por Fabiana Moraes,  no especial do JCOnline

Apresentação

Joicy Melo da Silva nasceu no dia 22 de novembro de 2010, às 12h30. Pesava 74 quilos e media 1,63 de altura. Naquele dia, mais sete partos foram realizados no Hospital das Clínicas, na Cidade Universitária, Recife. O de Joicy foi sem dúvida o mais complicado de todos: durou quase sete anos e envolveu uma série de especialistas. Três deles estavam no exato momento no qual ela veio ao mundo. O primeiro a chegar ao bloco cirúrgico saiu de casa às 7h, sem tomar café da manhã. Sabia que, como médico, tinha que mudar tal hábito. Outro atravessou entre aborrecido e resignado o engarrafamento de todos os dias. Havia sempre uma multidão de carros entre sua casa na zona norte e o hospital onde, no saguão, sempre há alguém desesperado. O último, que mora perto do mar, visitou a paciente um dia antes. Tinha que conferir se ela realmente estava bem para vir ao Quando Joicy nasceu, morreu João Batista, 51 anos, filho de Irene (83, viva) e Eupídio Luiz (77, enterrado). Foram os dois que ensinaram o garoto a plantar milho, mandioca, feijão. Moravam na caatinga, no Campo do Magé, área rural de Alagoinha (13.761 habitantes, 225 quilômetros da capital). Não poderiam prever que, décadas depois, o filho iria usar esmalte cor rosa pitanga e sofrer por um um rapaz enquanto ouvia música de novela. Não sabiam que ali na roça quem os ajudava era uma menina. Aí chamavam por João. João que sempre foi muito zeloso, João que nunca deu trabalho, João que até plantou um jardim ao lado da casa. Só para eles esse menino deixou saudade: há tempos Joicy sabia que ele existia apenas aparentemente. Foi por isso que decidiu, apesar do olhar triste e reprovador da mãe, findar com ele. Um dia, deitou-se em uma maca e dormiu. Ali matou João. Ali nasceu Joicy. Sua história, acompanhada durante cinco meses, começa a ser contada hoje nesta reportagem especial publicada até a próxima terça-feira (13).

Para conhecer o restante desta história comovente clique aqui

Comentários

Comentários

Maria Frô
Por Maria Frô abril 15, 2011 14:55 Atualizado
Escrever um comentário

5 Comentários

  1. nilo dias cabral abril 15, 19:11

    Que reportagem linda, um exemplo de qualidade.

    Reply to this comment
  2. Laura_Diz abril 16, 10:08

    É bom q façam algo, quem tem voz- eu dia 12 publiquei pedi ajuda e ninguém retuitou. Acho q ando falando sozinha faz tempo, né?
    Tomara q ajudem a Joicy.

    Reply to this comment
    • mariafro Author abril 16, 14:20

      Laura, eu diz 12 estava no Fórum da igualdade em Porto Alegre, se tivesse visto certamente teria dado voz. abraços

      Reply to this comment
  3. joicy julho 19, 20:32

    oiiiiiiiiiiiiiiiiii
    adorei essa reportagem porque eu chamo joicy e verdade
    adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
    meu sinficado e mulher cheia de alegria
    100bj
    obricado tchauuuuuuuuuuuuuu

    Reply to this comment
Visualizar Comentários

Escrever um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados com*

ajude a manter o Maria Frô!

BANCO: CEF, nº 104
AGÊNCIA:  4138
OP: 013 (para depósitos feito entre a própria CEF)
CONTA : 24110-9

Fórum Semanal

Publicidade

Publicidade





Publicidade





Publicidade





Seja amigo do Barão

Seja amigo do Barão

Posts

abril 2011
D S T Q Q S S
« mar   mai »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930