Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 2

Lampreia, o chanceler de FHC: Amorim é um ‘homem de esquerda’

julho 2nd, 2011 by mariafro

Trago mais um post da Pública, que esta semana publicou matérias corrosivas baseadas na leitura dos cables das embaixadas estadunidenses revelados pelo Wikileaks. Não sobrou pedra sobre pedra.

Ao ler o que diz o chanceler de FHC penso que a subserviência a Washington é bobagem perto do ressentimento que este senhor tem diante de uma verdadeira política externa e da defesa da soberania praticada pelo grande Celso Amorim. Mas Lampreia acerta em algo: de fato Celso Amorim é um homem de esquerda. Ainda bem que tivemos ao menos durante um tempo um exemplo de política externa decente.

Ao embaixador, Lampreia disse que Celso Amorim “odeia americanos”

Ex-chanceler teria afirmado ainda que  Itamaraty queria programa nuclear para o Brasil

Por Glauco Faria, especial para  a Pública

Durante uma reunião realizada no início de 2008, em sua residência, o ex-ministro brasileiro das Relações Exteriores Luiz Felipe Palmeira Lampreia teve com o embaixador Clifford Sobel uma conversa informal sobre o governo Lula, as perspectivas para o próximo presidente brasileiro, além de questões bilaterais e regionais. É o que revela um documento diplomático enviado ao departamento de Estado americano em 16 de janeiro de 2008 pelo consulado do Rio de Janeiro.

A reunião veio na esteira de um artigo publicado por Lampreia na revista American Interest, na qual analisava a relação EUA-Brasil, o que forneceu o contexto para a reunião. Lampreia foi o chanceler brasileiro entre 1995 e 2001, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Àquela altura, o diplomata se mostrava otimista com as chances de José Serra na corrida presidencial que só aconteceria mais de dois anos depois (pesquisa CNT/Sensus de 18 de fevereiro daquele ano mostrava o governador de São Paulo com 38,2% das intenções de voto, contra 4,5% de Dilma Rousseff ).

Ele especulava que Sergio Amaral, ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do governo FHC, seria o próximo ministro do Exterior em um eventual governo tucano.

Em relação ao governo Lula, ele disse considerar o presidente um “pragmático conservador”, sugerindo que sua política externa se contrapunha à ortodoxia de suas políticas econômicas. Isso, segundo o diplomata, tornava possível que Lula tivesse amigos de espectros distintos, se relacionando tanto com o então presidente Bush como com o mandatário venezuelano Hugo Chávez.

Mas o alvo principal de Lampreia na conversa foi o então ministro das Relações Exteriores do governo Lula, Celso Amorim. Ele afirmou que o assessor presidencial Marco Aurélio Garcia era grande amigo pessoal de Lula, observando que deveria ser “humilhante” para o chanceler Celso Amorim não se envolver em situações como a negociação para a libertação de reféns das Farc – assunto que teria sido discutido pelo presidente diretamente com Garcia.

Em seguida, perguntado se um acordo comercial em Doha poderia ter sido alcançado caso Amorim não estivesse atuando em nível político e comercial simultaneamente, Lampreia respondeu que o ministro era “um homem de esquerda”, o que implicaria no fato de que o chanceler não poderia estar interessado em um acordo desse tipo, “por razões ideológicas”.

O ex-ministro do exterior disse ainda a Sobel que Amorim “odiava americanos”, ressalvando que “não necessariamente de modo pessoal, mas por razões ideológicas”.

Lampreia sugeria ainda que o Ministério das Relações Exteriores estaria interessado em  um programa nuclear para o Brasil, mas negou que isso tivesse a ver com o acordo nuclear firmado entre EUA e Índia, em 2008.

O ex-ministro avaliava que a execução de um programa nuclear seria um “crime contra o povo brasileiro, dados os custos de tal programa e outras necessidades prementes, como saúde, educação e habitação”. Segundo ele, como não havia necessidade de um elemento de dissuasão contra outros países da região, um programa desse tipo só poderia ser interpretado como uma defesa potencial contra os Estados Unidos.

Quando questionado sobre como melhorar as relações entre os dois países, Lampreia sugeriu que os Estados Unidos devessem ajudar a elevar a reputação do Brasil no mundo, mas, “discretamente”, para não levantar suposições de que os Estados Unidos estariam estabelecendo o Brasil como uma espécie de “substituto” no continente.

__________
Publicidade

Tags:   · · · · · 6 Comments

Leave a Comment

6 responses so far ↓

  • [...] o ‘destino’ de nossa democracia em mãos de um ministro da Defesa reconhecidamente de esquerda tornaram-se porta-vozes dos militares (não sei porque me lembrei de 1964… dos editoriais de todos [...]

  • [...] preocupadíssimos com o ‘destino’ de nossa democracia em mãos de um ministro da Defesa reconhecidamente de esquerda tornaram-se porta-vozes dos militares (não sei porque me lembrei de 1964… dos editoriais de [...]

  • Esse é o sofisma da moda no seio do imperialismo. Criticar Israel não é liberdade de opinião, é ser antissemita. Criticar os Estados Unidos é ser radical de esquerda, e antiestadunidense. Qualquer postura a favor da soberania e de um país que se faz respeitar no cenário internacional é desqualificado com o ridículo argumento de “antiamericanismo” – pelo contrário, é mais americanista que qualquer coisa, pois fomenta maior soberania dos países americanos contra a ingerência e a arrogância estadunidenses.

  • O presidente era FHC, relações exteriores Lampreia, mas quem mandava no Brasil era os EUA.
    Todas as decisões no governo FHC passava pelo crivo do governo norte-americano, cada dia isto fica mais claro, e oitenta anos de canalhice vira comemoração, de que? de entreguismo e submissão.

  • Infelizmente o Brasil, por culpa de governantes lesa-patria, assinou tratados que vão contra o interesse nacional……..precisamos de capacidade disuassoria nuclear pra ontem.

  • Eu tambem quero um programa nuclear de pais soberano…….fora com esses vedilhoes da patria.