Érico Cordeiro: “A esquerda não pode ter tabu”

Maria Frô
Por Maria Frô maio 20, 2012 12:17 Atualizado

O problema é conseguir fazer isso em 2 anos, lembrando que a Comissão da Verdade é obrigada ainda a pesquisar um período maior que 1964 a 1988.

Érico Cordeiro em comentário no Cafezinho

Posso estar cometendo um grande equívoco, mas acredito, sinceramente, que essa investigação sobre os propalados “excessos” da esquerda pode ser uma excelente oportunidade para desmascarar o argumento cínico da direita, de que o golpe de 1964 tenha sido uma reação ao “radicalismo” que pretendia tornar o Brasil uma república socialista.

Faço um preâmbulo. Não acredito em uma esquerda confinada em dogmas ou em assuntos tabus. A direita é que precisa desses recursos, para obscurecer e impedir qualquer discussão. Aborto? É tabu, não pode ser discutido, porque é pecado! Eutanásia? É tabu, não pode ser discutido, porque é pecado! Casamento entre pessoas do mesmo sexo? É tabu, não pode ser discutido, porque é pecado! Liberação das drogas? É tabu, não pode ser discutido, porque é pecado!

Logo, se a esquerda possui um projeto de país universalizante, que possa realmente se mostrar transformador, não pode ter medo de discutir qualquer assunto. Pois bem, percebo em relação a esse tema, da investigação dos supostos crimes cometidos pela luta armada, uma certa ausência de vontade de discutir que me incomoda. Porque o dogma? Porque não discutir essa possibilidade de forma clara e apoiada em argumentos convincentes?

Algumas justificativas me soam como meias-verdades. Que se fosse assim, os membros da resistência francesa teriam que ir a Nuremberg. Ora, mas há uma enorme diferença entre o que ocorreu na Europa e a nossa ditadura militar. Ali houve uma guerra, onde a Alemanha e o ideal nazista foi vencido e confinado a guetos da história. Ninguém em seu juízo perfeito defende as idéias de Hitler, a não ser uma parcela mínima – salvo nos casos de grande convulsão social, como na Grécia, o nazismo é uma piada de mau gosto ideológica. Não há ninguém intelectualmente relevante disposto a dar guarida às concepções nazistas, mesmo que haja uma extrema direita que tenha muitos pontos de convergência com algumas formulações caras ao ideário nazista: eugenia, superioridade de uma raça sobre as demais, etc. Na Europa, não paira dúvida sobre qual lado estava certo e qual estava errado. Nem sobre o que era o legítimo direito de resistência a um governo totalitário.

Aqui não. Aqui a sociedade nunca foi minimamente informada sobre o que seria Terrorismo de Estado e quais as suas conseqüências. Aqui tem-se Clubes Militares que festejam aniversário de um Golpe de Estado e parcelas consideráveis da população que sentem saudades daqueles tempos sombrios. Até pouco tempo, a mídia chamava o golpe de revolução! Aqui tem-se uma direita irresponsável e cafajeste, capaz de mandar um menino de recados de um bicheiro ao STF para defender a tese de que os culpados pela escrevidão foram os próprios escravos, sob aplauso unânimes de largas parcelas do nosso conservadorismo. Ou seja, aqui pairam no ar dúvidas sobre qual o lado certo e qual o lado errado durante a ditadura militar – mas não para quem um mínimo de formação política e criticidade, mas para um largo espectro da população.

A comissão da verdade, ao se debruçar sobre os “excessos” da esquerda, pode contribuir para desmistificar as teses de que o que havia aqui era uma guerra (e não um massacre) ou de que a luta armada se valeu dos mesmos expedientes que os mais truculentos agentes do estado.

Ao investigar a atuação da esquerda, será possível esclarecer a sociedade a diferença entre um Carlos Lamarca e um Henning Boilesen e mostrar a uma população anestesiada e alienada a diferença entre terrorismo de estado e resistência. Um era um militar respeitado que pegou em armas para lutar contra o arbítrio. O outro era um sádico que se comprazia em torturar presos políticos e financiava a máquina da repressão.

Ao se debruçar sobre os “crimes” da esquerda, será possível à Comissão da Verdade mostrar à sociedade o abismo existente entre aqueles que oprimiam o país e aqueles que resistiram à opressão, especialmente no que tange aos métodos.

Não conheço um relato de alguém que tenha sido seqüestrado pela luta armada e que tenha sido torturado – já os membros das organizações de esquerda, mesmo aquelas que não se envolveram na luta armada, eram presos, torturados, mortos, exilados.

Organizações envolvidas na luta armada jamais torturaram ou estupraram quem quer que fosse.

Não há registro de qualquer membro de organizações de esquerda que tenha enriquecido com o fruto dos assaltos a banco (aliás, esses assaltos foram em quantidade muito menor do que a mídia quer fazer crer).

A esquerda jamais praticou atos de verdadeiro sadismo como as bombas nas bancas de jornal, na OAB, no Riocentro! Portanto, um trabalho sério da comissão vai desmascarar um mito, um discurso que está aí há 48 anos, sendo vendido como verdade: o que houve excesso dos dois lados.

Bom, me estendi demais e essa tese que eu defendo é bastante polêmica. Mas, repito: a esquerda não pode ter medo de discutir qualquer assunto, não pode ser refém de dogmas e se você ou os seus leitores discordarem – e apresentarem argumentos capazes de me convencer – não terei o menor problema em rever minha posição e fazer uma autocrítica. Estou colocando o problema sob uma perspectiva que aina não vi ninguém defender, ok?

Não proponho uma capitulação ao argumento de que “houve excesso dos dois lados”, falso sob qualquer aspecto, mas sim a utilização deste momento histórico para, exatamente, desconstruir esse mito. (…)

__________
Publicidade

Comentários

Comentários

Maria Frô
Por Maria Frô maio 20, 2012 12:17 Atualizado
Escrever um comentário

1 Comentário

Nenhum Comentário Ainda!

Não há nenhum comentário ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar esse artigo

Escrever um comentário
Visualizar Comentários

Escrever um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados com*

ajude a manter o Maria Frô!

BANCO: CEF, nº 104
AGÊNCIA:  4138
OP: 013 (para depósitos feito entre a própria CEF)
CONTA : 24110-9

Fórum Semanal

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Seja amigo do Barão

Seja amigo do Barão

Posts

maio 2012
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031