Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 2

Preconceito no ‘Brasil urgente’ – A discriminação autorizada pelo Estado

maio 24th, 2012 by mariafro

Preconceito no ‘Brasil urgente’ – A discriminação autorizada pelo Estado

Jorge Lourenço: Jornal do Brasil

23/05/2012

Desde a última segunda-feira (21/05), usuários de redes sociais de TV atacaram ferozmente a repórter Mirella Cunha, responsável pela deplorável entrevista de um acusado de estupro. O motivo da revolta é justo. Em pouco mais de três minutos, a jornalista do Brasil Urgente traz o jovem negro às lágrimas ao acusá-lo inúmeras vezes de estupro e caçoar da sua ignorância a respeito do exame de corpo de delito.
Apesar de ter sido republicada por vários comentaristas na internet, a revolta nasceu no blog de Renato Rovai, editor da revista Fórum. Desde que o jornalista apontou os erros grosseiros da atuação de Mirella, tanto a repórter quanto a Rede Bandeirantes foram alvo de críticas. A emissora, inclusive, se comprometeu a tomar “medidas disciplinares necessárias” com os profissionais envolvidos.
O problema é que um detalhe fundamental tem escapado aos críticos: o desleixo do poder público. Todo aquele show de preconceito e ignorância protagonizado por Mirella Cunha aconteceu dentro de uma delegacia. Dentro de uma repartição pública erguida com o meu e com o seu dinheiro. Um local criado para proteger o meu e o seu direito, não para servir de palco para um bizarro espetáculo de uma corporação privada.
O caso de “Paulo”, o jovem acusado de estupro, foi o mais emblemático. No entanto, vale lembrar que o Brasil Urgente oferece abordagens deste gênero diariamente em todo o país. Uma rápida busca no YouTube revela uma série de réus que se tornaram atrações de circo graças às entrevistas da Rede Bandeirantes. Algumas mostram sérios indícios de problemas neurológicos, o que não impediu a emissora de divulgá-los amplamente. Muito pelo contrário. Fomentado pela popularidade dos freak shows, estes profissionais procuram justamente isso: humilhação pública, humor rasteiro, desrespeito aos cidadãos, atrações escatológicas oriundas de tragédias pessoais.
E tudo isso, relembrando, dentro de uma repartição pública. Esse detalhe, que ainda não foi alvo de críticas, é o que dá mais requintes de crueldade à entrevista de Mirella Cunha: tudo foi chancelado pelo poder público. Em última instância, esse preconceito cruel foi incorporado e referendado pelo próprio Estado. Tudo foi assistido de perto por agentes públicos, que nada fizeram para proteger a integridade de um réu que estava sob a tutela do Estado.
Dificilmente, alguma providência concreta será tomada quanto à atuação do programa na abordagem de acusados em delegacias. Sob o falso pretexto de que a atividade policial é de interesse público e a imprensa não pode deixar de acompanhá-la, é bem provável que Paulos e Mirellas se encontrem mais algumas vezes pelo país.
Mas fica a pergunta: onde estava o Brasil Urgente quando Thor de Oliveira Fuhrken Batista prestou depoimento? Nada contra o primogênito de Eike Batista, cujo caso merece atenção e ainda está longe de chegar ao fim. A diferença é que Thor ainda vai ser julgado. Já “Paulo”, pelo que tudo indica, foi condenado desde que veio ao mundo.
*Jorge Lourenço, jornalista, é quem assina a coluna Informe JB.

Leia também:

Defensoria baiana apura situação de Paulo Sérgio

Jaciara Santos: O vídeo me despertou sentimento de pena: da entrevistadora, do entrevistado, do telespectador

Paulo Sérgio, alvo de deboche de Mirella Cunha, há dois meses sem advogado

MPF representa contra repórter do Programa Brasil Urgente por indícios de violação de direitos constitucionais de um entrevistado

Mães de Maio querem saber: como está a integridade do preso Paulo Sérgio exposto por Mirella Cunha?

Carta aberta de Jornalistas se posicionando contra os abusos dos programas policialescos na Bahia

________
Publicidade

Tags:   · · · · · · · · 5 Comments

Leave a Comment

Current ye@r *

5 responses so far ↓

  • IMPRENSA NÃO PERCA ESSA VANTAGEM!
    PARA NÓS, QUE VIVEMOS NA PERIFERIA , PAULO SERGIO E APENAS MAIS UM NO DIA (REPITO) NO DIA A SER PRESO E HUMILHADO E TER COMO “ADVOGADO” E “DELEGADOS” OS REPÓRTERES, QUE FAZ AS PERGUNTAS, QUE INCITAM A POPULAÇÃO, CONTRA OU A
    FAVOR E ASSIM POR DIANTE. MAS VOCÊS DA IMPRENSA NESTE CASO DO PAULO SERGIO, TEM UMA GRANDE VANTAGEM QUE NÓS NÃO TEMOS, A REPÓRTER EM QUESTÃO, NÃO É APENAS MAIS UMA, ELA TEM NOME E SOBRENOME: MIRELA CUNHA, E VOCÊS DA IMPRENSA DEVERIAM EXECRA-LA DO MEIO, BANI-LA ,COM DIREITO A ARRANCAR DELA O MICROFONE, QUE É UM SÍMBOLO JORNALÍSTICO EM CERIMONIA PÚBLICA, “ESTRUPRAR” , COMO ELA FEZ O RAPAZ DIZER REPETIDAMENTE, O SEU DIPLOMA, ESCARRANDO EM CIMA DELE E DEPOIS POR MISERICÓRDIA, POR SERMOS TODOS FILHOS DE DEUS, TIRAR UM RAÍO X DE SUA CABEÇA, PARA LHE MOSTRAR, ONDE NO CASO ESPECÍFICO DELA SE LOCALIZA UMA PRÓSTATA CANCERIZADA,

  • [...] Preconceito no ‘Brasil urgente’ – A discriminação autorizada pelo Estado [...]

  • [...] Preconceito no ‘Brasil urgente’ – A discriminação autorizada pelo Estado [...]

  • Quando o Estado promove o crime, coma cump´licidade da imprensa, a quem recorremos?

  • [...] Leia também: Preconceito no ‘Brasil urgente’ – A discriminação autorizada pelo Estado [...]