Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Não desista nunca do Brasil, faça com que este país seja cada vez melhor

agosto 15th, 2014 by mariafro
Respond

O ex-presidente Lula, ao ser questionado se o país fica órfão de lideranças jovens com a morte de Eduardo Campos, diz algo mais ou menos assim: “A morte de Eduardo Campos é uma perda muito grande para o Brasil. Mas o Brasil tem dezenas de jovens participando da política, outros vão aparecer, outros vão crescer, ou seja, uma frase que o Eduardo disse antes de morrer: “acreditar sempre no Brasil” eu acho que isso que a classe política e sobretudo a juventude que quer entrar na política precisa acreditar, ou seja, não desistir nunca do Brasil e fazer com que este país seja um país cada vez mais poderoso, cada vez mais mais rico, cada vez mais mais justo com seu povo. Eu acho que é isso que deve permear o comportamento da juventude e o comportamento da classe política.” (…)

Por volta dos 8 minutos Lula lembra da eleição onde PSB e PT disputaram o governo de Pernambuco e que Lula subia no palanque com ambos candidatos, Eduardo Campos pelo PSB e Humberto Campos pelo PT. É uma fala que mostra que a política brasileira é de uma complexidade astronômica, mostra também muito da política do porte de um líder político como Lula.

Por volta dos 10 minutos Lula mostra de novo uma grandeza rara, humaniza a política. Ao invés da política baixa da mídia bandida que registrou uma pesquisa eleitoral poucas horas depois de confirmada a morte de Eduardo Campos, induzindo o eleitor a aceitar Marina como substituto de Eduardo Campos na disputa eleitoral, o ex-presidente, argumenta que as pessoas precisam de um tempo para lidar com a tragédia.

Sobre Marina reafirma o respeito em relação a ela e declara: Nunca misturei a minha relação de amizade com a política.
Sobre o impacto eleitoral da morte de Eduardo Campos, Lula reafirma: não é o momento de especulação. Mudou a conjuntura, óbvio, mas esperemos ao menos enterrar os companheiros. Lula como os demais candidatos petistas suspenderam suas agendas e se concentrar em apoiar a família e enterrar os mortos.

“Nós éramos mais do que políticos amigos, nós éramos companheiros”, diz Lula sobre Campos

Instituto Lula

14/08/2014 17:47

Emocionado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva falou na tarde desta quinta-feira (14) com a imprensa sobre o falecimento de Eduardo Campos.

“Nós éramos mais do que políticos amigos, nós éramos companheiros”, afirmou ao lembrar que a relação entre os dois “extrapolava a política”.

O ex-presidente lembrou de momentos vividos ao lado de Eduardo, com ele como seu ministro e também como governador de Pernambuco. “O que a gente pode fazer pelo Eduardo é ter seu comportamento e sua vida política como exemplo”, ressaltou.

Lula explicou que não teve condições de falar ontem sobre o assunto e que foi difícil acreditar no que aconteceu. “O Brasil não merecia isso. O Eduardo Campos era uma figura extremamente promissora (…) Para Pernambuco, para o Nordeste e para o Brasil, o Eduardo é uma perda muito grande”.

Tags: No Comments.

Após o anúncio da morte de Eduardo Campos a boçalidade da Revista Veja e a pesquisa de indução da Folha de São Paulo

agosto 13th, 2014 by mariafro
Respond

Havia me espantado com a barbárie nas redes sociais. Sempre me espanto diante de pessoas que conseguem ver graça em tragédia, como nas mortes provocadas pela queda da aeronave que matou Eduardo Campos e mais seis pessoas: Carlos Augusto Percol, assessor de imprensa; Marcelo Lira, diretor de fotografia; Alexandre Severo, fotógrafo; Pedro Valadares Neto, assessor; e os pilotos, Geraldo da Cunha e Marcos Martins.

Lembrava que gente que se diverte fazendo piadas se mau gosto com a morte são do mesmo tipo dos seres que vibraram com o câncer de Lula. Essas pessoas devem achar que são imortais, que seus entes queridos são imortais. Enfim devem achar que sua estupidez os deixam imunes à dor. Tristeza diante de tanta boçalidade.

Comentei ainda que as redes sociais são capazes de nos tirar qualquer fé na raça humana: a tag #foiaDilma culpando a atual presidenta e candidata à reeleição pelo Partido dos Trabalhadores pela morte do candidato Campos não é só de mau gosto, mostra muito do quanto a barbárie impera, de como há descerebrados usando a rede na tentativa de ser um futuro descerebrado do CQC, gente sem qualquer respeito à vida humana. Mas mostra igualmente o mal que é viver em um país onde tvs monopolizadas, grupos midiáticos monopolizados que na cobertura desta tragédia agem como moleques na rede. Não fico só chocada, com o fato de órgãos de imprensa agirem rasteiramente, tenho repulsa, nojo, desânimo.

Daí vejo esta postagem do Rodrigo Ferrari sobre duas ‘matérias’ da Revista Veja. Isso nos explica  porque há tantos descerebrados nas redes, eles são crias de uma mídia monopolizada sem qualquer escrúpulo, que não poupa mortes, tragédias para fazer sua política suja partidarizada buscando de qualquer forma decidir os rumos eleitorais do país.

Pode haver uma revista mais abjeta que esta?

Pode qualquer coisa que se pareça com jornalismo ser pior que esta revista marginal?


Daí quando você acha que a mídia partidarizada não pode piorar, vejam bem, hoje é 13/08/2004, estou escrevendo este post às 19 horas. A Folha não esperou nem o enterro de Eduardo Campos para lançar Marina à disputa eleitoral. Observem a questão 7:
Veja a imagem:


Fonte do print

Tags:   · · · · · · 4 Comments

Paulo Moreira Leite: E agora, vira-latas? Depois de Israel se desculpar, vocês se desculparão?

agosto 13th, 2014 by mariafro
Respond

Como lembramos várias vezes, quando porta-voz de Israel tentou ofender o Brasil por sua decisão acertada, seus ataques provavam exatamente o contrário: o Brasil não é mais aquele país rastejante de joelhos da era FHC. Quem tem juízo respeita o Brasil. Claro que vira-latas reacionários não sabem o que isso significa.  Mas vira-latas reacionários não representam o 200 milhões de brasileiros.

À época Santayana escreveu um belo texto e lembrou alguns episódios que qualquer um com um mínimo de conhecimento histórico, o que não é o caso do porta-voz de Israel e dos vira-latas da mídia monopolizada. Destaco um trecho:

Antes de criticar a diplomacia brasileira, o porta-voz da Chancelaria israelense, Yigal Palmir, deveria ler os livros de história para constatar que, se o Brasil fosse um país irrelevante, do ponto de vista diplomático, sua nação não existiria, já que o Brasil não apenas apoiou e coordenou como também presidiu, nas Nações Unidas, com Osvaldo Aranha, a criação do Estado de Israel.

Talvez, assim, ele também descobrisse por quais razões o país que disse ser irrelevante foi o único da América Latina a enviar milhares de soldados à Europa para combater os genocidas nazistas; comanda órgãos como a OMC e a FAO; abre, todos os anos, com o discurso de seu máximo representante, a Assembleia Geral da ONU; e porque — como lembrou o ministro Luiz Alberto Figueiredo, em sua réplica — somos uma das únicas 11 nações do mundo que possuem relações diplomáticas, sem exceção, com todos os membros da Organização das Nações Unidas.

Agora Paulo Moreira Leite informa que o novo presidente de Israel Reuven Riulin,  telefonou para Dilma Rousseff para se desculpar pela grosseria do porta-voz de Israel.  Como eu disse, quem tem juízo respeita o Brasil e sua história e importante diplomacia.

DESCULPAS DE ISRAEL RIDICULARIZAM VIRA-LATAS BRASILEIROS

Por Paulo Moreira Leite, em sua coluna

12/08/2014

Depois que o próprio Reuven Riulin, o novo presidente de Israel, telefonou para Dilma Rousseff para pedir desculpas, não custa recordar a reação dos adversários do governo brasileiro, que há duas semanas se alinharam com o porta-voz da chancelaria israelense que definiu o Brasil como “anão diplomático.”

Em poucas horas o Brasil foi inundado por vídeos, artigos e comentários de ar grave, palavras duras e retórica pedante, de grande utilidade para encobrir uma postura típica de vira-latas.
Falou-se que era uma definição com “incrível precisão” de nossa diplomacia. Mesmo quem admitiu que a postura do governo brasileiro diante dos ataques do Exército Israelense a Gaza podia estar certa, justificou o “anão diplomático” porque o Itamaraty carece “de credibilidade mesmo quando faz declarações corretas.”

O telefonema de Riulin mostra com precisão realmente incrível o ridículo dessa reação. Para azar de quem levou o “anão diplomático” a sério, a atitude do presidente de Israel deixa claro que era uma definição menor, de um funcionário sem qualificação para emitir conceitos em nome do governo, alguma coisa que se poderia chamar de “gafe” — o que torna ainda mais curioso que tenha sido aceita e divulgada com tanta facilidade.
Riulin deixou claro pelo gesto que o Brasil está longe de desempenhar um papel desprezível na diplomacia do século XXI, para infelicidade daqueles que enxergam o mundo pelo olhar da inferioridade e da submissão.

Mais realistas do que o Rei a quem pretendem servir — estou falando da direita republicana dos EUA, que sustenta Israel de qualquer maneira –, procurando qualquer pretexto para bater no governo Dilma, eles se alinharam com Yigal Palmor, que fala em nome do chanceler Avigdor Lieberman, a mais acabada expressão do fascismo na política israelense.

Principal adversário de toda iniciativa de paz, Lieberman defende a manutenção e ampliação de assentamentos em territórios palestinos. Sustenta uma política de discriminação em relação a população árabe que reside em Israel. Chegou a apresentar um projeto pelo qual ela só teria direito a voto, por exemplo, se fizesse um “juramento de lealdade” ao estado judeu.

Foi desse mundo obscuro, vergonhoso e inaceitável, sem o menor compromisso com a democracia nem com a soberania dos povos, que veio o termo “anão”.

Não é surpreendente que ele tenha sido abraçado por aliados da oposição, capazes de afagar até adversários externos que — mesmo se estivessem corretos em seu ponto de vista — não tinham o direito de faltar com consideração por autoridades legitimamente autorizadas a falar em nome do povo brasileiro. O desrespeito e a agressividade são chocantes, mas não chegam a ser novidade neste repertório.
Fazem parte da tentativa de desmoralizar adversários que não se consegue derrotar democraticamente. Tenta-se corroer sua legitimidade ao partilhar um tratamento grosseiro, chulo, que, a seus olhos, tem mais valor porque vem do estrangeiro.

Convém não esquecer que, há quatro anos, esse mesmo pessoal alinhou-se aos mesmos senhores externos condenar Luiz Inácio Lula da Silva em sua tentativa de construir um acordo de paz com o Irã de Mahmoud Ahmadinejad.
A viagem de Lula havia sido autorizada e até certo ponto estimulada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que enfrenta tensões com a atual política de Israel, tão radical e extrema que pode tornar-se prejudicial aos interesses norte-americanos.
Mesmo assim, os vira-latas não perdoaram.

Tags:   · · · · No Comments.

Aécio que não pagou sequer o Piso Nacional aos Professores diz no JN que educação de Minas é melhor do país

agosto 12th, 2014 by mariafro
Respond

Não há um único dado de verdade na entrevista de Aécio Neves ao Jornal Nacional. Nenhum.

Impressiona como ele mente descaradamente e várias de suas mentiras  poderiam ser desmascaradas com uma simples consulta a dados disponíveis

Na ‘sabatina’ ensaiada pelo JN, Aécio Neves insiste em falar em inflação quando o IPC é o menor em 4 anos e em nenhum momento foi confrontado por Bonner ou Patrícia Poeta. Ah! se a Globo fizesse jornalismo…
Aécio diz  que uma “professora da USP” (sem nome e sobrenome), afirmou que Aécio não tem nada a ensinar sobre saúde pública! Estamos falando dos mesmos tucanos que sequer repassaram dinheiro recebido pelo Ministério da Saúde à Santa Casa? Estamos falando do mesmos tucanos que sucatearam a maior universidade pública do país e que está em greve há meses?
A cara de pau de Aécio Neves e o não Jornalismo Global espantam. Qualquer blogueiro mediano fatiava a conversa mole de Aécio retrucando-o ponto por ponto.
Sobre educação então, faço questão de destacar a mentira absurda dita pelo candidato em horário nobre sobre educação. Primeiro ele diz que o Prouni foi criado no estado de Goiás, o mesmo estado de Perillo e seu fiel escudeiro Demóstenes Torres, senador do DEM que antes de ser cassado devido ao escândalo de sua estreita parceria com o bicheiro Cachoeira entrou no STF contra o PROUNI! Como se a cara de pau fosse pouca afirma Aécio: 

“Minas tem hoje a melhor educação fundamental do Brasil, mesmo sendo um estado heterogêneo, e não sendo o mais rico dos estados brasileiros.”

Com a palavra os professores de Minas Gerais:

Querem calar os educadores mineiros

Por: Beatriz Cerqueira*

Desde 2008, os trabalhadores em educação da rede estadual lutam pelo pagamento do Piso Salarial Profissional Nacional. Mas, a luta vai além da questão salarial. Em todas as pautas de reivindicações demandas de acesso, permanência e qualidade da educação foram apresentadas ao governo mineiro.

Desde que o modelo do choque de gestão foi feito no Estado, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) acompanhou as políticas públicas da educação (ou a sua ausência), os programas de governo e os indicadores de qualidade. Estudos feitos pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), relatórios do Tribunal de Contas do Estado, e mesmo as publicações oficiais do governo denunciam uma realidade diferente das peças publicitárias veiculadas no Estado.

Há anos, o Sindicato denuncia as precárias condições de trabalho do professor e dos educadores em Minas Gerais, a falta de estrutura física das escolas, a falta de vagas na educação básica, a destruição da profissão docente no Estado. Em 2014, o comportamento da entidade não foi diferente. Apresentou a pauta de reivindicações com demandas relacionadas à educação de qualidade, acesso e permanência na escola.

O governo estadual, a exemplo de anos anteriores, ignorou os problemas das escolas estaduais e seus educadores. Também, a exemplo de anos anteriores, o Sind-UTE/MG denunciou os problemas. Mas a denúncia da realidade, que não cita nenhum nome de candidato, incomodou a coligação encabeçada pelo PSDB que, em dois dias, já tentou impedir, por três vezes, a veiculação da campanha de informação da realidade das escolas estaduais. A tentativa de censurar os trabalhadores em educação demonstra a forma como fomos tratados nos últimos anos: a mordaça como pedagogia do medo enquanto se destrói a escola pública mineira.
Na campanha de informação, conforme divulgamos a seguir, não falamos nenhuma novidade.

Acompanhe o que o governo de Minas fez contra a educação mineira

• Não dá autonomia para os professores avaliarem o processo de aprendizagem dos alunos, impondo a aprovação automática.

• Manipula as informações sobre qualidade da educação, divulgando apenas o Índice de Desenvolvimento de Educação Básica (IDEB). Outros indicadores que apontam os problemas não são repassados à população.

• O programa Fica Vivo não diminuiu a violência. A taxa de homicídio em Minas aumentou 80% de 2001 a 2011. Nossos jovens estão morrendo!

• Os programas do Governo são apenas para propaganda, não atingem a maioria dos municípios mineiros. O Poupança Jovem, por exemplo, atende apenas nove municípios.

• Faltam 1.010.491 de vagas no Ensino Médio.

• Somente 35% das crianças mineiras conseguem vaga na Educação Infantil.

• Não tem nenhuma política preventiva sobre violência nas escolas. Professores são agredidos, alunos assassinados e nada é feito.

• Não paga o Piso Salarial Profissional Nacional aos profissionais do Magistério, conforme determinado pela Lei Federal 11.738/08 e decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

• Efetivou, sem concurso, mais de 98 mil servidores, colocando estas pessoas numa situação de fragilidade jurídica.

• Congelou a carreira de todos os trabalhadores em educação até dezembro de 2015.

• Não cumpre acordos que assina.

• Acabou com o Fundo de Previdência dos Servidores Estaduais (Funpemg), que já tinha capitalizado mais de R$3 bilhões para aposentadoria dos servidores.

Mas parece que o que incomodou foi a possibilidade da população ser lembrada sobre os problemas da escola, durante o período eleitoral. Qual o medo? Vamos fazer o debate público sobre a realidade da educação mineira? Porque a censura é o instrumento de uma ditadura, não de um Estado democrático.
Quem quer ser gestor tem que aprender a conviver com quem pensa diferente.

*Professora Beatriz Cerqueira
Coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG)

Tags:   · · · · · · · · 1 Comment