Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Vitor Teixeira: Interesse privado a serviço da população

novembro 22nd, 2013 by mariafro
Respond

Ainda acho que não dá para comparar Haddad a Alckmin, PT a PSDB, mas inegavelmente temos de nos livrar de grandes corporações.

Reforma política Já. Financiamento Público de Campanha Já!

Tags:   · · · · · No Comments.

Médico cubano não receitou dose excessiva e volta a trabalhar segunda, diz prefeitura de Feira de Santana

novembro 22nd, 2013 by mariafro
Respond

Como eu imaginava algo estranho havia na acusação das #coxinhadejaleco de Feira de Santana que de repente viraram fiscais do Ministério da Saúde em relação aos médicos cubanos, mas que antes do programa Mais Médicos nunca  fiscalizaram uns aos outros.

As 40 gotas prescritas na receita referiam-se a dose diária, como a mãe afirmou aos jornais locais. Ainda bem que o Ministério da Saúde conhece bem as estratégias dos coxinha de jaleco que tem carga horária de 100 horas mas não cumpre nem 10, faz dedo de silicone para não ter nem o trabalho de ir em posto de saúde bater o ponto ou tantas outras atrocidades que já noticiamos no Maria Frô.

Mas  em minha opinião o MS precisa alertar os médicos cubanos que os seus ‘colegas de trabalho’ são piores que os da época de Fulgêncio Batista.  

Precisa alertá-los que irão trabalhar em ambiente hostil, que eles estão rompendo com uma reserva de mercado grotesca, que serão alvo do racismo destas bestas feras. Que serão alvo do ódio de desqualificados por serem profissionais efetivamente comprometidos com melhorar a saúde do povo, por terem o compromisso que os coxinhas e as coxinhas de jaleco  não tem com o povo humilde, por tratar o povo pobre com respeito, como seres humanos.

Enfim, os médicos cubanos precisam entender que esta classe representa a elite brasileira, perversa, desumana, herdeira de uma sociedade escravagista, que anos a fio fraudam ponto, faltam, ganham sem trabalhar, protegem uns aos outros de erros médicos,  enfim tornam a saúde pública o suplício que é em alguns lugares em parte pela ação cafajeste destes desumanos que mancham toda a corporação médica brasileira.  Comportamentos ordinários como estes devem ser repelidos pela corporação médica, porque há médicos sérios, decentes que igualmente lutam por uma saúde pública de qualidade.

Eu sou usuária do SUS, eu conheço vários médicos decentes. Eles precisam repudiar essa gente sem ética, sem compromisso, sem princípio que usa jaleco branco para envergonhar a classe.

Fica uma pergunta à Secretaria de Saúde da Prefeitura de Feira de Feira de Santana e ao Ministério da Saúde: Não ocorrerá nada contra estas médicas detratoras que agiram sem nenhuma ética, difamando um colega de trabalho? Os médicos estrangeiros contribuindo para melhorar a saúde pública do país vão continuar a ser desrespeitados por esses seres canalhas que não receberão qualquer tipo de sanção?

Médico cubano não receitou dose excessiva e volta a trabalhar segunda, diz prefeitura

Segundo nota divulgada esta noite, médico prescreveu de maneira que estava acostumado, com quantidade de gotas a serem tomadas no dia

 Atualizado em 21.11.2013 – 23:13

Da Redação do Correio 24 horas

O médico cubano afastado ao ser acusado de receitar dose excessiva de um medicamento para uma criança voltará ao trabalho na segunda-feira (25), informou na noite desta quinta-feira (21) a Secretaria de Comunicação de Feira de Santana. Em nota, a Secom informa que o médico foi ouvido por uma comissão e que as falas da mãe da criança, que defendeu o profissional para a imprensa, também foram consideradas.

A comissão que ouviu Isoel Gomez Molina concluiu que não houve erro nas ações do cubano, que estava há cerca de uma saúde atuando no posto de saúde do bairro de Viveiros. O médico Washington Abreu, coordenador do Programa Mais Médicos na Bahia, disse que a dosagem indicada pelo cubano está correta. “O ouvimos e ele confirmou que a dose deveria ser fracionada em quatro vezes. Não estou vendo problema na prescrição fracionada porque o raciocino clínico foi correto”, diz Abreu, citado na nota.

De acordo com a nota, esta maneira de receitar, considerando a dosagem total do dia e não a fracionada, que deve ser tomada de cada vez, é comum onde ele trabalhou anteriormente. O médico explicou detalhadamente à mãe da criança como administrar o medicamento, diz o texto – a diarista Gilmara Santos confirmou isso. “Ele falou que era para dar 10 gotas. Mas só que o povo na zoada, na agonia, ele prescreveu na receita 40 gotas, mas só que ele me explicou direitinho”, garantiu.

Além dos depoimentos colhidos, também pesou um abaixo-assinados de 12 folhas e dezenas de assinaturas enviado pelos moradores do Viveiros, pedindo que o médico continuasse trabalhando no posto.

O profissional será reintegrado ao programa “Mais Médicos” e já atua a partir de segunda. A prefeitura já havia marcado um reforço no treinamento para médicos do programa neste final de semana.


Médico cubano atuava em posto de saúde há cerca de uma semana

Leia também

“Meu filho melhorou logo graças ao médico. Queremos o médico de volta, passamos mais de 2 meses sem médico e agora inventam coisa para tirar o médico daqui”

Mãe de criança atendida por médico cubano afastado defende profissional
Feira: médico cubano é afastado suspeito de receitar dose excessiva de remédio

Tags:   · 24 Comments

“Meu filho melhorou logo graças ao médico. Queremos o médico de volta, passamos mais de 2 meses sem médico e agora inventam coisa para tirar o médico daqui”

novembro 22nd, 2013 by mariafro
Respond

Tem se propagado nas redes um caso sobre uma receita em que o médico cubano, Isoel Gómez Molina, teria prescrito uma dosagem incorreta de dipirona a um bebê em Feira de Santana (BA), conforme matéria abaixo:

Profissional do Mais Médicos é afastado por suspeita de receitar dose de remédio excessiva para bebê

por Sandro Freitas

A prefeitura de Feira de Santana decidiu nesta quarta-feira (20) afastar um dos profissionais que atuam na cidade pelo programa federal Mais Médicos, por suspeita de prescrição excessiva de um medicamento para um bebê de um ano, que não tomou o remédio após desconfiança de familiares.

O médico cubano atua na unidade do Programa Saúde da Família do bairro de Viveiros e foi denunciado pelo vereador José Carneiro (PSL). O profissional, que não teve o nome revelado, teria indicado 40 gotas de dipirona sódica para o bebê de dez quilos, quando o normal seria entre 4 e 8 gotas.

A dosagem receitada pelo médico, segundo a posologia do medicamento, é destinada a adultos. A secretaria de Saúde de Feira, Denise Mascarenhas, adiantou que o caso foi informado a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) e o Ministério da Saúde. “Iremos adotar as medidas legais”, garantiu Mascarenhas.

Segunda maior cidade da Bahia, Feira de Santana recebeu 12 profissionais do Mais Médicos, sendo que 11 são estrangeiros. Após o caso, a secretaria decidiu promover um curso extra para os médicos, com a Assistência Farmacêutica Municipal, neste final de semana.

Após ler esta notícia conversei com a assessoria do Ministério da Saúde que me informou que o caso está sendo apurado.

Mas qual não não foi a minha surpresa quando descubro que a mãe do bebê e demais moradores da região estão pedindo a volta do médico e acusando de falta de ética os profissionais que jogaram a receita na rede.

Destaco alguns trechos da fala da mãe:

“Trouxe meu filho aqui com febre alta e ele passou dipirona injetável e a em gotas para eu dar em casa.

Ele me disse que eram 10 gotas, já que meu filho pesa 10.200 kg, ou seja, uma gota por cada 1 quilo.

Se tivesse alguma coisa errada eu mesma teria denunciado”, disse.

“Ela me pediu a receita para mostrar a uma outra médica, como não desconfiei entreguei depois de um tempo trancada em uma sala ela retornou e me entregou o documento. Foi aí que vi que estava prescrito 40 gotas”

Demonstrando revolta, a diarista acusou a médica de ter feito a denúncia e ter prejudicado os moradores do bairro. “Ela não teve ética. Fez algo que não autorizei, o médico me explicou certo, apenas errou. Quem nunca errou? Eles estão com raiva porque os cubanos estão fazendo o trabalho que eles não querem fazer, pois os médicos brasileiros tratam a gente como se fôssemos animais, diferente dos cubanos”, frisou.

“Meu filho melhorou logo graças ao médico. Queremos o médico de volta, passamos mais de 2 meses sem médico e agora inventam coisa para tirar o médico daqui”

Os moradores afirmaram que, caso o médico não retorne para a unidade, eles farão uma manifestação fechando a entrada da unidade. “Se não retornar na próxima semana, iremos impedir o funcionamento do posto de saúde. A secretaria deveria ouvir a comunidade e não acreditar em uma mentira”, ameaçou Maria da Glória Martins.

Um dado curioso, o médico orientou corretamente a mãe, e a receita está errada, mas veja o que diz a mãe, destaco o trecho: 

“Ela me pediu a receita para mostrar a uma outra médica, como não desconfiei entreguei depois de um tempo trancada em uma sala ela retornou e me entregou o documento. Foi aí que vi que estava prescrito 40 gotas”.

Estranho não? Quem não nos garante que um 1 virou um 4 numa sala fechada?

De todo modo, resta-nos uma grande questão, quando foi mesmo que nos ambulatórios Brasil afora os  médicos se fiscalizaram entre si, para cuidar tão bem de nossa saúde e evitar erros de seus colegas de trabalho?

Antes do programa Mais Médicos quando foi que  a atenção dos médicos brasileiros se voltou tanto para a atenção básica?

Seria cômico se não fosse trágico a preocupação dos #coxinhadejaleco de Feira de Santana.  Experimente fazer uma pesquisa no Google com a expressão ‘erro medico no Brasil’, você terá 4 milhões, 140 mil menções. Você também descobrirá que a denúncia de familiares, vítimas de erro médico, cresceu 52% em 2011, dois anos antes do início do mais médicos.

O Google também nos surpreende quando pesquisamos sobre a quantidade de ONGs de familiares vítimas de erros médicos no Brasil.

Até agora só vemos boatos sobre os Médicos Cubanos, é de nos envergonhar o esforço de uma classe em detratar seus colegas de trabalho estrangeiros. Repugnante atitude tanto quanto as páginas do Facebook onde essas falsas denúncias pululam (vejam um exemplo desta postagem retirada do ar, inclusive). são todas páginas anti-petistas e cheias de propaganda do PSDB. Não é possível que o debate eleitoral tão antecipado nas redes caia nesta baixaria, desinformando e aterrorizando a população. Não é possível, porque é a própria população usuária do SUS (como eu) que virá em defesa do programa.

Desistam #coxinhasdejaleco, o povo brasileiro vai continuar lutando pelo seu direito de ter acesso à saúde pública de qualidade.

Abaixo mais uma mentira deslavada postada numa destas páginas anti-petistas e reverberadas em blogs de extrema-direita. Percebam como nos primeiros parágrafos é possível descobrir que é boato.

“Acaba de chegar a nós o relato de um médico no interior de Santa Catarina. Esperamos que a família entre com todas ações legais, pois tudo indica ser o primeiro caso de ÓBITO do Mais Médicos:

No plantão dessa noite 20/11/2013, em uma cidade do interior de SC [Qual? A lista e a quantidade de médicos por município é pública], o colega (somos em 2 plantonistas), recebe uma ligação da cidade vizinha [Qual](hospital de pequeno porte), desejando transferência de um politrauma, atropelamento bicicleta/caminhão.[mais médicos não atende em hospitais, mais médicos atendem em ambulatórios, atenção básica]

Em nosso hospital, não temos sobreaviso de Neurocirurgia e, portanto, todo e qualquer politrauma sempre solicitamos MIL vezezes: ” Não tem TCE? Não tem nenhum TCE? TCE??? ” Sendo que o MAIS MÉDICO respondeu: No… apenas necessito RX.. Paciente estável, sem fraturas…

Dados da entrada do paciente em nossa emergÊncia:

18 anos, Hipocorado, Pele pegajosa, PA: 80/60mmHg, torporoso, Glasgow 10. FC 138bpm, Abocath 24!!!

Paciente com hematêmese franca (grande quantidade, sangue vivo), edema de região cervical anterior direita + Afundamento de crânio em região frontal. Pupilas isofotorreagentes, Sinal de guaxinim bilateral

AP: MV+ bilateral, sem RA

AC: sp

Abdome: desconforto à palpação, sem defesa

Iniciado manobras de reanimação volêmica, paciente evolui com rebaixamento de consciência – sendo realizado IOT.

10 minutos após entrada do paciente evolui com PCR – assistolia, RCP sem sucesso após 40 minutos, pupilas midriáticas fixas;

Cirurgião geral chega para avaliação durante PCR sugerindo lesão de grandes vasos.

 Resumindo, perdemos MAIS UMA VIDA, 18 anos.

Obrigado Dilma, Obrigado MAIS médicos.

 OBS: Sei que o caso era grave, SEI que mesmo que tudo fosse feito como manda ATLS, ACLS, e todos os protocolos de emergência, talvez a vida não fosse salva. Mas o que revolta é a ligação de um ” colega ” para o meu COLEGA de plantão dizendo que o paciente viria transferido apenas para realizar RX, que não havia TCE e que o paciente estava Estável! ATÉ QUANDO DILMA? ATÉ QUANDO PT?!!!!!!!!!!!!!!”

ATUALIZAÇÃO: Médico cubano não receitou dose excessiva e volta a trabalhar segunda, diz prefeitura de Feira de Santana

Tags:   · · · 18 Comments

Janio de Freitas: CNJ, presidido por Joaquim Barbosa, que investe contra juízes que erram, fará o mesmo contra JB? Afinal, dizem que o Brasil mudou e acabou a impunidade. Ou, no caso, não seria impunidade?

novembro 21st, 2013 by mariafro
Respond

O show dos erros

Por Janio de Freitas

O estado de Genoino já era conhecido quando Joaquim Barbosa determinou que o sujeitassem à viagem

No primeiro plano, o espetáculo criado para a TV (alertada e preparada com a conveniente antecedência) mostrou montagem meticulosa, os presos passando pelos pátios dos aeroportos, entrando e saindo de vans e do avião-cárcere, até a entrada em seu destino. Por trás do primeiro plano, um pastelão. Feito de mais do que erros graves: também com o comprometimento funcional e moral de instituições cujos erros ferem o Estado de Direito. Ou seja, o próprio regime de democracia constitucional.

Os presos na sexta-feira, 15 de novembro, foram levados a exame de condições físicas pela Polícia Federal, antes de postos em reclusão. Exceto José Genoino, que foi dispensado, a pedido, de um exame obrigatório. Experiente, e diante de tantas menções à saúde inconfiável de José Genoino, o juiz Ademar Silva de Vasconcelos, a quem cabem as Execuções Penais no Distrito Federal, determinou exame médico do preso. Era já a tarde de terça-feira, com a conclusão de que Genoino é portador de “doença grave, crônica e agudizada, que necessita de cuidados específicos, medicamentosos e gerais”.

José Genoino não adoeceu nos primeiros quatro dias de sua prisão. Logo, deixá-lo esses dias sem os “cuidados específicos”, enquanto aqui fora se discutia se é o caso de cumprir pena em regime semiaberto ou em casa, representou irresponsável ameaça a uma vida –e quem responderá por isso?

A rigor, a primeira etapa de tal erro saiu do Supremo Tribunal Federal. A precariedade do estado de José Genoino já estava muito conhecida quando o ministro Joaquim Barbosa determinou que o sujeitassem a uma viagem demorada e de forte desgaste emocional. E, nas palavras de um ministro do mesmo Supremo, Marco Aurélio Mello, contrária à “lei que determina o cumprimento da pena próximo ao domicílio”, nada a ver com Brasília. O que é contrário à lei, ilegal é. O Conselho Nacional de Justiça, que, presidido por Joaquim Barbosa, investe contra juízes que erram, fará o mesmo nesse caso? Afinal, dizem que o Brasil mudou e acabou a impunidade. Ou, no caso, não seria impunidade?

Do mesmo ministro Marco Aurélio, além de outros juristas e também do juiz das Execuções Penais, veio a observação que localiza, no bojo de mais um erro gritante, parte do erro de imprevidência temerária quanto a José Genoino. Foi a já muito citada omissão da “carta de sentença”, que, se expedida pelo ministro Joaquim Barbosa, deveria anteceder o ato de reclusão. E só chegou ao juiz competente, para instruí-lo, 48 horas depois de guarda dos presos.

Com a “carta de sentença”, outra comunicação obrigatória deixou de ser feita. Só ocorreu às 22h de anteontem, porque o destinatário dissera às TVs não ter o que providenciar sobre o deputado José Genoino, se nem fora comunicado pelo Supremo da decisão de prendê-lo. Presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves vai submeter a cassação do deputado ao voto do plenário, e não à Mesa Diretora como uma vez decidido pelo Supremo. Faz muito bem.

Mas o Ministério da Justiça tem mais a dizer. E sobretudo a fazer. O uso de algemas durante o voo dos nove presos transgrediu a norma baixada pelo próprio ministério, que só admite tal imobilização em caso de risco de resistência ou fuga. Que resistência Kátia Rabello, Simone Vasconcelos, José Genoino poderiam fazer no avião? E os demais, por que se entregariam, como fizeram também, para depois tentar atos de resistência dentro do avião? Além de cada um ter um agente no assento ao lado. O uso indevido de algemas, que esteve em moda para humilhar empresários, é uma arbitrariedade própria de regime policialesco, se não for aplicado só quando de fato necessário. Quem responderá pela transgressão à norma do próprio Ministério da Justiça?

Com a prisão se vem a saber de uma violência medieval: famílias de presos na Papuda, em Brasília, precisam dormir diante da penitenciária para assegurar-se, no dia seguinte, a senha que permita a visita ao filho, ao pai, marido, mulher. Que crime cometeram esses familiares para receberem o castigo desse sofrimento adicional, como se não lhes bastasse o de um filho ou pai na prisão?
Medieval, é isso mesmo a extensão do castigo à família. Na Brasília que diziam ser a capital do futuro. Assim até fazem sentido a viagem ilegal dos nove para Brasília, as algemas e outros castigos adicionais aplicados a José Genoino e outros. E que vão continuar.

Tags: 2 Comments