Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

III CONAPIR: Democracia e desenvolvimento sem racismo por um Brasil afirmativo

novembro 4th, 2013 by mariafro
Respond


Ministra-Chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, convoca a sociedade para a III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial – III CONAPIR, a ser realizada em Brasília, entre 5 e 7 de novembro de 2013. Saiba mais sobre a III CONAPIR

Tags:   · · · · · 1 Comment

Quantas cenas de “humor inteligente” relacionadas ao holocausto; ou às vítimas de Hiroshima e Nagasaki; ou às do Word Trade Center ou às do incêndio na Boate Kiss, assistiremos em nossas noites de domingo?

novembro 4th, 2013 by mariafro
Respond

A análise de Douglas é precisa. Bruno Mazzeo e a Globo dirão que é viagem, mania de perseguição dos negros ou como fez a ciclista em fevereiro na frente dos policiais na Faria Lima  para o motorista negro que a acusou de tê-lo chamado de ‘favelado e macaco’: ‘você é preconceituoso’

O racismo, crime inafiançável é tratado como piada nas tevês brasileiras, concessões públicas que desrespeitam a Constituição Brasileira e não sofrem  nenhuma punição e também nas ruas pelos racistas que com raríssimas vezes são obrigados a pagar uma merreca às vítimas do racismo.

“Rede Globo, fantástico é o seu racismo!”

Por Douglas BelchiorCarta Capital

04/11/2013
Mazzeo

“A escravidão permanecerá por muito tempo como a característica nacional do Brasil, deveras sentenciou Joaquim Nabuco. Mas na versão global, ironicamente “inteligente”, ele diz: “O Brasil já é um país mestiço! E não vamos tolerar preconceito!”.

Nas últimas semanas escrevi dois textos sobre a relação entre meios de comunicação, publicidade e humor e a prática de racismo, o primeiro provocado por uma peça publicitária de divulgação do vestibular da PUC-PR e o segundo por conta de um programa de humor que ridicularizava as religiões de matriz africana. Hoje, graças a Rede Globo de televisão, retorno ao tema.

Neste domingo 3 de novembro o programa Fantástico, em seu quadro humorístico “O Baú do Baú do Fantástico”,  exibiu um episódio cujo tema é muito caro para a história da população negra no Brasil.

Passado mais da metade do programa, eis que de repente surge a simpática Renata Vasconcellos. Sorriso estonteante ainda embriagado pela repentina promoção: “Vamos voltar no tempo agora, mas voltar muito: 13 de maio de 1888, no dia em que a Princesa Isabel aboliu a escravidão. Adivinha quem tava lá? Ele, o repórter da história, Bruno Mazzeo!”

 

ASSISTA AQUI O VIDEO SOBRE A ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO, EXIBIDA PELO FANTÁSTICO

O quadro, assinado por Bruno Mazzeo, Elisa Palatnik e Rosana Ferrão, faz uma sátira do momento histórico da abolição da escravidão no Brasil. Na “brincadeira” o repórter entrevista Joaquim Nabuco, importante abolicionista, apresentado como líder do movimento “NMS – Negros, mulatos e simpatizantes”!

Princesa Isabel também entrevistada, diz que os ex-escravos serão amparados pelo governo com programas como o “Bolsa Família Afrodescendente”, o “Bolsa Escola – o Senzalão da Educação” e com Palhoças Populares do programa “Minha Palhoça, minha vida”!

“Mas por enquanto a hora é de comemorar! Por isso eles (os ex-escravos) fazem festa e prometem dançar e cantar a noite inteira…” registra o repórter, quando o microfone é tomado por um homem negro que, festejando, passa a gritar: “É carnaval! É carnaval!”

 

O contexto

Não acredito que qualquer conteúdo seja veiculado por um dos maiores conglomerados de comunicação do mundo apenas por um acaso ou sem alguma intencionalidade para além da nobre missão de “informar” os milhões de telespectadores, ora com seus corpos e cérebros entregues aos prazeres educativos da TV brasileira em suas últimas horas de descanso antes da segunda feira – “dia de branco”.

E me perguntei: Por que – cargas d’água, a Rede Globo exibiria um conteúdo tão politicamente questionável? O que teria a ganhar com isso? Sequer estamos em maio! Que “gancho” ou motivação conjuntural haveria para justificar esse conteúdo?

Bom, estamos em novembro. Este é o mês reconhecido oficialmente como de celebração da Consciência Negra. É o mês em que a população  a f r o d e s c e n d e n t e  rememora, no dia 20, Zumbi dos Palmares, líder do mais famoso quilombo e personagem que figura no Livro de Aço como um dos Heróis Nacionais, no Panteão da Pátria. Relevante não?

Estamos também na véspera da III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial, que começa nesta terça, dia 5 e segue até dia 7 de Novembro, em Brasília, momento ímpar de reflexão e debates sobre os rumos das ações governamentais relacionadas a busca de uma igualdade entre brancos e negros que jamais existiu no Brasil. Isso somado à conjuntura de denúncia de violência e assassinatos que tem como principais vítimas os jovens negros, essa Conferência se torna ainda mais importante.

Voltando ao Fantástico, evidente que há quem leia as cenas apenas como um mero quadro humorístico e como exagero de “nossa” parte. Mas daí surge novas perguntas:

Um regime de escravidão que durou 388 anos; Que custou o sequestro e o assassinato de aproximadamente 7 milhões de seres humanos africanos e outros tantos milhões de seus descendentes; e que fora amplamente denunciado como um dos maiores crimes de lesa-humanidade já vistos, deve/pode ser motivo de piadas?

Quantas cenas de “humor inteligente” relacionado ao holocausto; Ou às vítimas de Hiroshima e Nagasaki; Ou às vítimas do Word Trade Center ou – para ficar no Brasil – às vítimas do incêndio na Boate Kiss, assistiremos em nossas noites de domingo?

Ah, mas ex-escravizados festejando em carnaval a “liberdade” concebida pela áurea princesa boazinha, isso pode! E ainda com status de humor crítico e inteligente.

Minha professora Conceição Oliveira diria: “Racismo meu filho. Racismo!”.

A democratização dos meios de comunicação como forma de combate ao racismo

Uma das tarefas fundamentais dos meios de comunicação dirigidos pelas oligarquias e elites brasileiras tem sido a propagação direta e indireta – muitas vezes subliminar, do racismo. É preciso perceber o que está por trás da permanente degradação da imagem da população negra nesses espaços. Há um pensamento racista que é, ao mesmo tempo, reformulado, naturalizado e divulgado para a coletividade.

A arte em forma de publicidade, teledramaturgia, cinema e programas humorísticos são poderosos instrumentos de formação da mentalidade. O que vemos no Brasil, infelizmente, é esse poder a serviço do fomento a valores racistas e preconceituosos que, por sua vez, gera muita violência. A democratização dos meios de comunicação é fundamental para combater essa realidade. No mais, deixo duas perguntas ao governo federal e ao congresso nacional, dos quais devemos cobrar:

O uso de concessão pública para fins de depreciação, desvalorização da população negra e da prática do racismo, machismo, sexismo, homofobia e todos os tipos de discriminação e violência não são suficientes para colocar em risco a concessão destes veículos?

Por que Venezuela, Bolívia e Argentina, vizinhos latino-americanos, avançam no sentido de diminuir a concentração de poder de certos grupos de comunicação e no Brasil os privilégios para este setor só aumentam?

Tantas perguntas…

Tags:   · · · 1 Comment

Mauro Ricardo é o elo de corrupção demotucana de BSB passando por MG, AM, SP e agora Salvador!

novembro 4th, 2013 by mariafro
Respond

GRAMPINHO EM APUROS

Por Leandro Fortes, em seu Facebook

04/11/2013

Não bastasse o chorume carlista que ainda tem à disposição na Bahia para montar sua equipe de trabalho, ACM Neto ainda cismou de importar para Salvador este Mauro Ricardo Costa, ex-secretário de Finanças de Gilberto Kassab na prefeitura de São Paulo na gestão de Gilberto Kassab, do PSD.

Quando em São Paulo, Mauro Ricardo, atual secretário de Fazenda de Salvador, arquivou as denúncias feitas contra os quatro ex-funcionários presos sob acusação de desviar mais de 500 milhões de reais dos cofres municipais paulistanos por meio do abatimento irregular de dívidas de ISS.

Curiosamente, três meses após ACM Neto assumir a prefeitura e decretar exigência de “ficha limpa” para os servidores de sua gestão, descobriu-se que Mauro Ricardo responde a processos na Justiça Federal em Brasília, no Amazonas e em Minas Gerais.

Ele foi condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), em 2001, e pela Justiça Federal, em 2005.

Apenas em um processo do MPF do Distrito Federal, Mauro Ricardo é acusado de ter desviado 56,6 milhões de reais da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), da qual foi presidente entre 1999 e 2002, no governo tucano de FHC.

Mauro Ricardo também foi secretário de Finanças de José Serra, na prefeitura de São Paulo, em 2005.

Entre 2007 e 2010, serviu a Serra no governo de São Paulo, como secretário estadual da Fazenda.

Ou seja, é uma típica criatura demo-tucana em plena atividade funcional.

Mas, atenção soteropolitanos, não tenho pena de ninguém: todo castigo é pouco para quem vota no DEM.

Leia também

Irmão de Ex de Kassab e atual de Alkmin emprestava sala para corruptos do #propinodutodemotucano da PMSP

CGM criada na gestão Haddad já mostra frutos: prisão de funcionários públicos corruptos

Tags: 9 Comments

Benito Bisso Schmidt: A polêmica sobre biografias do ponto de vista do historiador

novembro 3rd, 2013 by mariafro
Respond

O debate atual sobre as biografias: contribuições desde o ponto de vista do conhecimento histórico

 Por: Benito Bisso Schmidt*

Nas últimas semanas temos presenciado nos meios de comunicação um intenso (e por vezes agressivo) debate sobre as biografias. Na querela, de um lado, estão os biografados reais e potenciais, ou seus representantes, que advogam o direito à intimidade (previsto na Constituição Federal), a terem suas vidas resguardadas da curiosidade alheia e a receberem parte dos lucros advindos das vendas de publicações sobre suas trajetórias; de outro, biógrafos, ou seus representantes, reivindicam outro direito presente no texto constitucional, o da liberdade de expressão, e afirmam que a atual regulamentação expressa no artigo 20 do Código Civil, a qual prevê a anuência prévia do biografado ou familiares às narrativas biográficas, não só é inconstitucional como atualiza a censura tão praticada nos anos da ditadura civil-militar. Tal debate foi motivado por uma ADIM (Ação Direta de Inconstitucionalidade), interposta junto ao STF pela Associação Nacional de Editores de Livros (ANEL), relativa a esse artigo.

Obviamente, na polêmica, para além da discussão sobre direitos constitucionais, estão envolvidos grandes interesses econômicos, tanto da parte de biografados e herdeiros, quanto de biógrafos, editoras e meios de comunicação. Uma parcela das discussões também está centrada na atuação do Poder Judiciário em relação ao tema: para os defensores da liberdade de publicação, os possíveis deslizes éticos devem ser resolvidos a posteriori, caso o biografado ou seus representantes se sintam ofendidos com os trabalhos publicados (como acontece em quase todos os países do mundo ocidental); já para os que advogam a anuência prévia, essa possibilidade tem poucas possibilidades de concretização no Brasil onde, como sabemos, a Justiça é lenta e custosa.

Nestes embates, quem tem se manifestado do lado da inconstitucionalidade do artigo 20 do Código Civil são majoritariamente os jornalistas que, aqui como em vários outros países, são os principais produtores de biografias, as quais, em geral, se voltam para celebridade das mais diversas áreas (artes, política, esportes, etc.), normalmente com o objetivo de revelar, a partir de minuciosas pesquisas, segredos, pecados grandes ou pequenos, como também, em alguns casos, gestos heróicos ou que revelam o quanto o personagem estava “à frente de seu tempo”. De qualquer maneira, neste campo de produção, valem muitas das regras que igualmente imperam nas redações dos jornais: o imperativo da comunicabilidade, o desejo de fisgar o leitor e de revelar algo até então oculto, de expor um “furo” enfim. Muitos desses trabalhos se assentam em laboriosos processos de investigação que tem como culminância os rótulos de “a verdadeira biografia de cicrano” ou “a biografia definitiva de fulano”. Obviamente que desde esse ponto de vista a biografia dita “autorizada” já está, a priori, desacreditada, pois a autorização criaria restrições incontornáveis para que a “verdade” fosse revelada. Sobre isso, a jornalista Janet Malcon assinalou de maneira irônica: “Os familiares são os inimigos naturais dos biógrafos; são como tribos hostis que o explorador encontra e precisa submeter sem piedade a fim de se apossar do seu território” (In: “A mulher calada”. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 18).

Nas linhas que seguem, quero apresentar, de maneira bem geral, os contornos de outro campo de conhecimento onde as biografias são cada vez mais produzidas, a história acadêmica, de forma a contribuir ao debate indicado acima. De início, deixo claro que sou contra qualquer forma de censura prévia e a favor da liberdade de pesquisa e divulgação de textos biográficos, mas também sublinho que o biógrafo deve guiar sua atuação a partir de princípios éticos que tenham como horizonte a salvaguarda do biografado de prejuízos materiais e simbólicos.

Por muito tempo, a biografia foi considerada um gênero menor pelos historiadores, associada a uma história tradicional voltada para os heróis e para os grandes acontecimentos. Ao menos nas suas vertentes mais consistentes, a historiografia contemporânea dirigiu suas lentes explicativas às grandes estruturas, aos grupos sociais e à temporalidade da longa duração. Neste enfoque, ao indivíduo era reservada pouca atenção já que a ele se atribuía uma ínfima margem de participação no desencadear dos processos históricos. Entretanto, deste a década de 1980, pelo menos, se fala de uma “volta” da biografia ao centro do conhecimento histórico. Claro está que não se trata exatamente de um retorno, pois as biografias realizadas pelos historiadores atuais são bem diferentes daquelas feitas anteriormente, já que não têm como objetivo enaltecer ou desmistificar determinadas pessoas, mas sim evidenciar a margem de liberdade e de atuação dos indivíduos mesmo quando os constrangimentos estruturais parecem quase intransponíveis. Além disso, não se voltam apenas aos membros da elite, às pessoas conhecidas, mas também, e talvez, sobretudo, aos subalternos e desviantes, como escravos, operários, loucos, feministas, marginais de todo o tipo, etc. Deve-se igualmente ressaltar que os historiadores realizam suas pesquisas não com o intuito de desvendar segredos, mas sim de explicar historicamente os percursos de seus biografados, de pensá-los a partir de seus projetos e campos de possibilidade. Esses profissionais, igualmente, têm consciência que as explicações históricas, embora assentadas na pesquisa das evidências do passado, são provisórias e contextuais, e que, portanto, não se pode falar em biografias “verdadeiras” ou “definitivas”. Enfim, seu ponto de partida, seus métodos e seus compromissos são bem diferentes daqueles dos biógrafos jornalistas, o que não significa que seus trabalhos sejam mais ou menos importantes, apenas são diferentes por serem produzidos em lugares sociais diferenciados.

Saliento também que, cada vez mais, o presente é também o tempo dos historiadores (e não só dos cientistas sociais e dos jornalistas) o que repercute na produção de biografias, ou seja, muitos profissionais de História estão se voltando às trajetórias de personagens atuais, vários deles ainda vivos, o que nos insere com força no debate atualmente travado entre os defensores e os opositores à autorização prévia das biografias.

Para nós, historiadores, é imprescindível trabalharmos com total liberdade para as nossas pesquisas e para a elaboração de nossas narrativas. Por isso, a princípio, não podemos tolerar restrições prévias à investigação e à interpretação. Afinal, muitos trabalhos biográficos produzidos em nossa área têm se mostrado valiosos para compreendermos melhor determinadas facetas e problemas históricos que dificilmente seriam conhecidos com base em outras abordagens.

Porém, sabemos também como os nossos trabalhos podem ser usados com os fins mais diversos, inclusive para prejudicar determinadas pessoas. Por isso, precisamos, além de defender o fim das restrições prévias, assentarmos nossa produção em princípios éticos como o respeito pelos biografados. Nesse caso, insisto, é importante termos claro que as biografias praticadas por historiadores profissionais não visam a fazer vir à tona segredos antes escondidos, mas sim compreender historicamente os percursos de certos personagens, de modo a entender, por exemplo, o funcionamento de determinados mecanismos sociais e sistemas normativos, a pluralidade existente em grupos e instituições vistas normalmente como homogêneas, a construção discursiva e não-discursiva dos indivíduos, as margens de liberdade disponíveis às pessoas em diferentes épocas históricas, entre outras questões.

Ou seja, para o historiador em geral e para o historiador biógrafo em particular, não há, como sabemos, fatos importantes em si, que precisam ser revelados “doa a quem doer”, mas sim fatos que se tornam históricos se nos ajudam a responder os nossos problemas de pesquisa. Assim, desde o ponto de vista da pesquisa histórica acadêmica, as práticas sexuais de determinado personagem não são em si material a ser incluído em uma biografia, apenas se estivermos perguntando, por exemplo, sobre os padrões morais dos grupos dos quais ele participava.

A História Oral, por lidar com personagens vivos e que podem ter suas vidas prejudicadas pelas investigações realizadas, tem investido nessa discussão sobre os padrões éticos da pesquisa histórica. Encerro, então, com as palavras de um dos grandes expoentes dessa área, o italiano Alessandro Portelli:

“[...] compromisso com a honestidade significa, para mim, respeito pessoal por aqueles com quem trabalhamos, bem como respeito intelectual pelo material que conseguimos; compromisso com a verdade, uma busca utópica, e a vontade de saber ‘como as coisas realmente são’, equilibradas por uma atitude aberta às muitas variáveis de ‘como as coisas podem ser’. Por um lado, o reconhecimento da existência de múltiplas narrativas nos protege da crença farisaica e totalitária de que a ‘ciência’ nos transforma em depositários de verdades únicas e incontestáveis. Por outro, a utópica busca de verdade protege-nos da premissa irresponsável de que todas as histórias são equivalentes e intercambiáveis e, em última análise, irrelevantes. O fato de possíveis verdades serem ilimitadas não significa que todas são verdadeiras no mesmo sentido, nem que inexistem manipulações, inexatidões e erros” (In: Tentando aprender um pouquinho. Algumas reflexões sobre ética na História Oral. “Projeto História”, São Paulo, n. 15, abril 1997, p. 13-14).

LIBERDADE PARA AS BIOGRAFIAS, MAS SEM ESQUECERMOS A ÉTICA!

*Benito Bisso Schmidt: Professor do Departamento e do PPG em História da UFRGS

Tags:   · · · · · · · · 1 Comment