Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Filho de comunista não se deixa intimidar pelos capachos colaboracionistas da ditadura militar

março 29th, 2013 by mariafro
Respond

Todos os bons jornalistas blogueiros do campo progressista, aqueles que José Serra chama de “sujos”, foram ou estão sendo processados pelas grandes corporações monopolistas midiáticas ou por seus lacaios: Luis Nassif por Veja e se desinforme; Rodrigo Vianna, Luiz Carlos Azenha, Marco Aurelio Mello pelo diretor de jornalixo da Rede  que acha que o povo é bobo; Lino Bocchini pela Ditabranda colaboracionista da tortura e censora; E o vampiro processou Amaury Ribeiro Júnior. 

E nós, ativistas pela democratização das comunicações, é que  defendemos a censura? Que odiamos a liberdade de expressão? Que queremos calar a imprensa?

E este governo sequelado, de joelhos para este monopólio nojento, golpista que todos os dias quer destruir a democracia, vai continuar alimentando os corvos amantes da censura? Mas é só com muita paciência pra não  radicalizar de vez e chutar o balde!

Para cada blogueiro censurado sugiro que façamos uma ampla divulgação, algo como um esculacho virtual, precisamos fazer estes juízes sentirem vergonha de num país onde a Justiça é inacessível a maioria da população eles perderem tempo protegendo o direito de censores de calar a crítica. 

TODA SOLIDARIEDADE A LUIZ CARLOS AZENHA E A TODOS OS BLOGUEIROS QUE ESSES PULHAS TENTAM SILENCIAR.

——-

Por: Luiz Carlos Azenha em seu facebook

Este senhor se chama José Rodrigues Azenha. Veio de Portugal para não servir aos salazaristas aliados de Hitler.

Comunista, for perseguido no Brasil, especialmente entre 1968 e 1985. É uma história que me faz falta: os milhões de brasileiros que foram esmagados pela ditadura militar mas não tiveram o reconhecimento de Gregório Bezerra, José Dirceu e Frei Betto.

Um portuga comum, cuja família foi torturada psicologicamente especialmente entre 1968 e o fim dos anos 70, simplesmente por pensar diferente.

Vejam bem: como quadro do PCB, meu pai era contra a luta armada. O máximo que fez foi ter uma gráfica clandestina para apoiar candidatos que o PCB apoiava no interior de SP: a vereador, prefeito, deputado. No entanto, minha casa foi invadida várias vezes. Meganhas apontaram metralhadora para o rosto de minha mãe. Todos os filhos viveram aterrorizados com a possibilidade de que a Rural do DOPS estivesse estacionada diante de casa: eram os meganhas… caçando livros! Tipo: coleção da Abril Cultural, EUA versus URSS, francamente favorável aos gringos.

Todos sofremos danos irreparáveis, fruto da ansiedade. Ansiedade do dedo apontado contra “os filhos do comunista”, ansiedade de não saber quando viriam os homens da Rural, ansiedade de não saber se ele voltaria vivo da prisão, ansiedade da expectativa de meu próprio pai de que deveríamos ser excelentes na escola para mostrar que filho de comunista também era gente.

Considerando esta história de vida, é uma piada acreditar que eu poderia me sentir intimidado pelos verdugos, feitores e capachos dos que ajudaram a implantar a ditadura militar.

Tags:   · · · · 9 Comments

Quem quer calar a imprensa mesmo?

março 29th, 2013 by mariafro
Respond

Mais uma pérola da luta pela liberdade de expressão no Brasil. O Blog Maria Frô expressa toda a sua solidariedade para com o grande jornalista e ser humano Luiz Carlos Azenha, sabendo que esse pequeno revés está longe de poder derrubá-lo. Força Azenha!!

Mais um blogueiro, até quando?: Justiça do Rio condena Luiz Carlos Azenha a indenizar Ali Kamel em R$ 30 mil

Por Elton Bezerra

A Justiça do Rio de Janeiro condenou o jornalista Luiz Carlos Azenha a pagar R$ 30 mil em indenização por danos morais em ação proposta pelo diretor de jornalismo e esporte da TV Globo, Ali Kamel, por conta de uma série de críticas veiculadas no seu site www.viomundo.com.br, de Azenha. Entre outras afirmações, o site, notoriamente favorável à eleição da então candidata do PT à Presidência da República em 2010, Dilma Rousseff, acusou o diretor de participar de uma suposta estratégia das organizações Globo de influenciar o resultado de uma pesquisa eleitoral durante a campanha.

De acordo com a decisão, desde 2008 Ali Kamel já foi citado pelo menos 28 vezes no site que se declara um “contraponto à mídia tradicional”. Atualmente na TV Record, Azenha trabalhou na Globo até o início de 2007. A sentença é do dia 19 de março.

Na ação, Kamel afirma sofrer uma “campanha difamatória” e destacou algumas expressões empregadas por Azenha para rotulá-lo, como “aprendiz de feiticeiro” e praticante de um “jornalismo pornográfico”. A expressão surgiu em post no qual Azenha repercutiu uma polêmica levantada por outro site sobre a conicidência entre o nome de Ali Kamel com o de um ator de filmes pornográficos.

“As críticas perpetradas contra o autor [Ali Kamel] exacerbaram o limite salutar do debate de opiniões, que visa o aprimoramento da democracia, e alcançou a seara da ofensa à honra, contrariando o que deveria ser a principal meta do jornalismo, ou seja, e dever de informação e de formação da opinião pública de forma isenta”, afirmou a juíza Juliana Benevides de Araújo, da 43ª Vara Cível.

De acordo com a decisão, a motivação das críticas de Luiz Carlos Azenha está ligada à cobertura jornalística da sucessão presidencial. Em seu site, Azenha afirma que uma pesquisa eleitoral teria sido influenciada pelo conteúdo dos veículos de comunicação da Globo, que teriam “as digitais de Kamel”.

Para a juíza, a vinculação de Ali Kamel com a linha editorial dos meios de comunicação da Globo é uma “falsa afirmação”, já que ele está subordinado a superiores hierárquicos e a empresa possui um Conselho Editorial composto pelos editores dos diversos veículos do grupo, incluindo Kamel. A juíza ressalta ainda que um texto juntado pelo próprio Azenha diz que a influência de Kamel sobre o grupo não passaria de uma “lenda urbana”.

Em sua defesa, Azenha diz que os textos publicados em seu site possuem conteúdo crítico, de opinião e de cunho jornalístico, e defendeu que a liberdade de expressão é um preceito constitucional que deveria prevalecer sobre o direito à honra. A juíza, porém, repeliu a argumentação e disse que “admitir-se a liberdade absoluta dos meios de comunicação em detrimento dos direitos alheios seria subverter o princípio de que a liberdade individual encontra limite no direito alheio”.

Clique aqui para ler a decisão. 

Leia também:

Quando o Viomundo me apresentou Azenha

Filho de comunista não se deixa intimidar pelos capachos colaboracionistas da ditadura militar

Quem quer calar a imprensa mesmo?

Igor Felippe: Viomundo não vai fechar porque os que são imprescindíveis lutam a vida inteira

Tags:   · · · 7 Comments

Acabou o lexotan na Casa Grande!!

março 29th, 2013 by mariafro
Respond

Que triste é a vida dessa gente rica, não? As novas leis que ampliam os direitos trabalhistas das empregadas domésticas parecem ser um atentado terrorista ao estilo de vida desse pessoal acostumado a ser servido e a não poupar suas serventes de gritos, humilhações e outros diferentes tipos de abuso.

A situação é comovente: branquim acha que o Governo Federal é nefasto porque vai obrigá-lo a dispensar a empregada e todos vão ter de ajudar na limpeza da própria casa (um atentado à família).

A culpa, como vemos, não é da falta dos patrões, porque eles “tratam as empregadas como da família”.

A capa da revista abaixo e o relato que vemos a seguir mostram a situação preocupante vivida pela elite brasileira:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Situação é de desespero”, diz Regina Manssur sobre nova Lei das Domésticas

Com cinco empregados fixos em casa, a advogada participante do programa “Mulheres ricas” da TV Bandeirantes, afirma que a legislação trabalhista brasileira “é paternalista”

Paula Pacheco - iG São Paulo |  - Atualizada às 

A socialite Regina Manssur está preocupadíssima com a aprovação da Lei das Domésticas pelo Congresso , na última terça-feira (26).

Com cinco empregados fixos em casa, a advogada participante do programa “Mulheres ricas” da TV Bandeirantes  afirma que a legislação trabalhista brasileira “é paternalista”.

Segundo ela, o excesso de direitos pode pesar no orçamento dos patrões e resultar em demissões.

“Nem todo patrão é ruim e nem todo empregado é vítima”, defende Regina, que sugere o uso de livro-ponto para controlar os horários desses profissionais e até câmera para as donas de casa se resguardarem de processos trabalhistas.

“Eu não admito funcionário com filho pequeno. Infelizmente. Porque é uma carga que não vou poder ter. Da mesma forma em que no meu escritório não admito moças que vão ficar grávidas”, argumenta.

Leia também:

Ohanna Patiele sobre a PEC das domésticas: Eu vi minha mãe envelhecer, ela não nos viu crescer

Tags:   · · · No Comments.

Eu te amo, cara! (I love you, man) No Vietnã campanha pela positividade da homossexualidade masculina

março 28th, 2013 by mariafro
Respond

O vídeo Eu te amo, cara! tradução  livre de I love you, man é a avaliação final  do curso  de Comunicação Interdisciplinar da RMIT- Vietnã.

A imagem do arco-íris no logotipo do projeto faz referência à comunidade LGBT que, na maior parte, são discriminados ou vinculados a imagens negativas.

Por meio de pequenos filmes a ideia do projeto é fazer uma campanha que promova uma imagem positiva dos homossexuais masculinos. No site oficial da campanha eles esclarecem que devido ao limite de tempo e baixo orçamento optaram por focar nos casais masculinos. Mas seus idealizadores   esperam lançar ou incentivar o nascimento de outras campanhas futuras para as relações homossexuais.

Tags:   · · · · · · No Comments.