Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Jussara Oliveira: Marco Feliciano e Silas Malafaia não me representam!

março 31st, 2013 by mariafro
Respond

Excelente o vídeo da blogueira carioca, Juh Sarah, sobre pastores oportunistas como os tipos Marco Feliciano e Silas Malafaia.

Ela é evangélica, vale a pena ouvir seus argumentos.

A indicação do vídeo é de Fábio Arruda.

Leia também

Marco Feliciano: candidato forte a ir para o Lixo da História juntamente com Bolsonaro

Marco Feliciano: reivindicações feministas estimulam o homossexualismo

Fora Feliciano viva a diversidade! #Feliciano não me representa

Mobilização do #ForaFeliciano em várias cidades brasileiras

Manifestante para o homofóbico Bolsonaro: A gente não vai voltar para o armário, seu babaca!

Marco Feliciano: candidato forte a ir para o Lixo da História juntamente com Bolsonaro

Rogério Tomáz tenta explicar o escárnio do PSC na CDHM no Congresso

Façamos como Luíza Erundina: Declaremos guerra a estes imbecis

E você achou que o Congresso não poderia piorar…

Comissão de Direitos Humanos e Minorias do Congresso pede à TV Globo informações sobre suposto estupro no BBB12

Carta a Jean Wyllys do pai de uma adolescente transexual

Tags:   · · · · 15 Comments

IBGE mostra que PSDB lidera total de contratações sem concurso público. Alô, tucanos, o que vocês têm a dizer a respeito?

março 31st, 2013 by mariafro
Respond

Um discurso recorrente na boca de político tucano é dizer que o PT aparelha o Estado com cargos políticos sem concurso público. Eis que o IBGE mostra que como sempre é só bravata tucana.

Os tucanos de fato desmantelaram o Estado Brasileiro e o serviço público, o discurso era o de ‘choque de gestão’ e administração moderna, mas os fins claramente fisiológicos tem servido de moeda de troca no jogo sujo da política.

Outro título para o PSDB, além de partido com mais ficha suja do país, agora é o que mais aparelha o Estado com apaniguados sem concurso público, que beleza!

Leia também:

Paulo Moreira Leite: Folha informa: petralha é lenda

Petralha, petralha, mensalão, mensalão zzzzzzzzzzzz e saiu o rank da corrupção no Brasil

PSDB é o partido mais corrupto do Brasil: TRE’s apontam PSDB como campeão em políticos envolvidos em corrupção

Governadores controlam máquina de 105 mil cargos sem concurso público

Pesquisa do IBGE revela que apenas na administração direta dos Estados havia, em 2012, mais de 74 mil servidores com indicação política, número 17 vezes maior que o existente no governo federal

Daniel Bramatti e José Roberto de Toledo, de ESTADÃO DADOS

31/03/2013

IBGE mostra que PSDB lidera total de contratações e PT tem maior relação de funcionários por habitante

A primeira pesquisa completa sobre a estrutura burocrática dos Estados, realizada pelo IBGE, revela que os 27 governadores empregavam em 2012, em conjunto, um contingente cerca de 105 mil funcionários que não fizeram concurso para entrar na administração pública. Se todas essas pessoas se reunissem, nenhum dos estádios da Copa de 2014 – nem mesmo o Maracanã – teria capacidade para acomodá-las.

Apenas na chamada administração direta, da qual estão excluídas as vagas comissionadas das empresas estatais, o número de funcionários subordinados aos gabinetes dos governadores ou às secretarias de Estado sem concurso público chega a 74.740, o suficiente para ocupar 98% do maior estádio do Brasil.

Ed Ferreira / AE
Goiás, de Marconi Perillo (PSDB), tem mais funcionários sem concurso

No governo federal há 4.445 servidores sem concurso em cargos de confiança na chamada administração direta, ou 0,7% do total dessa categoria. Já nos Estados, a proporção chega a 2,8%.

Gestão indireta

Na administração indireta dos governos estaduais – autarquias, fundações e empresas públicas, segundo a metodologia da Pesquisa de Informações Básicas Estaduais, do IBGE -, há outros 30.809 servidores comissionados não concursados, contingente que encheria metade do estádio Beira Rio, em Porto Alegre.

No governo federal, são 1.300, mas qualquer comparação é indevida, pois o conceito de administração indireta não é o mesmo nas diferentes esferas.

Líder

Do total de 105,5 mil servidores sem concurso nos Estados, quase 10% estão em Goiás. O governador Marconi Perillo (PSDB) abriga em sua burocracia 10.175 funcionários nessa situação, o que o torna líder no ranking desse tipo de nomeações em números absolutos. A Bahia, governada pelo petista Jaques Wagner, vem logo atrás, com 9.240 não concursados.

Ao se ponderar os resultados pelo tamanho da população, os governadores que saltam para a liderança do ranking são os de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), com 937 e 263 cargos por 100 mil habitantes, respectivamente.

Os oito governadores do PSDB controlam, em conjunto, 37,6 mil cargos ocupados por servidores não concursados. Os quatro governadores do PT, por sua vez, têm em mãos 23 mil vagas. Logo atrás estão os quatro do PMDB, com 21,6 mil.

O peso dos partidos muda quando se pondera a quantidade de cargos controlados por 100 mil habitantes. Nesse caso, o PT passa para o primeiro lugar (75), e o PSDB cai para o quinto (41).

Função política

Em teoria, os cargos de livre nomeação servem para que administradores públicos possam se cercar de pessoas com quem têm afinidades políticas e projetos em comum. Na prática, no entanto, é corrente o uso dessas vagas como moeda de troca. Além de abrigar seus próprios eleitores ou correligionários, os chefes do Executivo distribuem as vagas sem concurso para partidos aliados em troca de apoio no Legislativo ou em campanhas eleitorais.

“Os critérios e métodos de composição de governo que servem para a esfera federal se reproduzem nos Estados”, observa o cientista político Carlos Melo. “A grande reforma política que poderíamos fazer seria reduzir ao mínimo esses cargos, tanto no âmbito da União quanto no dos Estados e municípios. Faremos? Creio que não. Não interessa ao sistema político.”

Cargos de livre nomeação também podem ser usados para atrair para a máquina pública profissionais qualificados que não têm interesse permanente. Mas a pesquisa do IBGE mostra que nem sempre isso acontece. Em Goiás, por exemplo, 49% dos comissionados têm apenas o ensino fundamental, segundo registros oficiais. O governo diz que não controla a escolaridade (leia texto abaixo). No governo federal, apenas 1,4% dos comissionados têm escolaridade até o 1º grau.

“Não podemos tirar nenhuma conclusão sobre a competência dos servidores, mas são evidentes os critérios utilizados para nomear pessoas para o serviço público”, avalia o cientista político Sergio Praça. “Em termos de estruturação administrativa, os Estados estão atrasados em relação ao governo federal.”

Tags:   · · · · 2 Comments

Igor Felippe: Viomundo não vai fechar porque os que são imprescindíveis lutam a vida inteira

março 31st, 2013 by mariafro
Respond

Reproduzo a carta solidária do Igor Felippe ao Azenha:

Caro amigo Azenha,

Tenho certeza que o blog VioMundo não vai fechar. Porque você e a Conceição Lemes são imprescindíveis.

E aqueles que são imprescindíveis lutam a vida inteira.

O vaticínio é de Bertold Brecht, o dramaturgo alemão comunista que saiu do seu país com a chegada de Hitler ao poder.

A sua vontade individual, Azenha, vale pouco agora. Para o bem e para o mal.

O Vi o Mundo cresceu e se tornou o melhor blog do Brasil.

É o melhor porque informa, agita, educa e chama â reflexão seus leitores, tratando de temas da conjuntura política e de questões profundas da sociedade brasileira.

Com isso, conta com a contribuição de dezenas de pessoas e tem milhares de leitores.

O blog já saiu das suas mãos, Azenha e Conceição.

Vocês são apenas síndicos desse condomínio, formado por aqueles que têm uma visão crítica da realidade, que não se satisfazem com a mediocridade da velha mídia e que querem transformar profundamente este país.

Os sujeitos cumprem um papel importante na história. E você, Azenha, é um desses sujeitos.

A emergência da internet criou um canal de comunicação para além das TVs, rádios e jornais concentrados nas mãos de uma oligarquia intolerante e truculenta.

As contradições criadas no seio da sociedade brasileira com a eleição de um torneiro mecânico aproximaram jornalistas exiladas nos grandes meios de comunicação das organizações políticas progressistas.

Vamos ser diretos: aproximou jornalistas críticos da luta de classes, para usar uma expressão fundamental para compreender a realidade contemporânea.

O Brasil passou pela escravidão e por duas ditaduras, que perseguiram, torturaram e mataram aqueles que defendiam a liberdade e a igualdade.

A burguesia brasileira é intolerante. Não tolera pensamento diferente, não tolera críticas e não tolera traição.

A saída da Globo, as críticas ao jornalismo do grupo e o sucesso do Vi o Mundo representam uma traição para os poderosos.

No Brasil, perfilaram na trincheira da luta pela liberdade e igualdade inúmeros lutadores do povo, como Zumbi, Apolônio de Carvalho, Luís Carlos Prestes, Carlos Marighella, Francisco Julião, João Pedro Teixeira, Helenira Rezende, Florestan Fernandes, Leonel Brizola, Darcy Ribeiro…

Todos enfrentaram os poderosos. Foram derrotados pela morte. Lutaram até o fim da vida.

Azenha, a condenação imposta por uma Justiça do Rio de Janeiro que se submete às vontades das Organizações Globo é mais um capítulo da luta de classes no Brasil.

É a luta dos detentores do poder contra aqueles que representam obstáculos para o exercício do poder, por se associar às causas do povo brasileiro.

Essa luta é dura, inglória, desgastante e, especialmente, perigosa.

O grande professor Florestan Fernandes escreveu sabiamente que “contra a intolerância dos ricos, a intransigência dos pobres”.

Não podemos transigir. Cabe a todos nós fazer uma grande campanha para denunciar a perseguição da Globo, arrecadar recursos para pagar a multa e intensificar a luta pela democratização do sistema de comunicação.

Azenha, cabe a você continuar o seu grande trabalho, porque o fechamento do blog representaria uma derrota para todos nós.

Então, vamos coletivamente enfrentar esses desafios, para que juntos possamos impor uma derrota para aqueles que mandam neste país.

Um grande abraço,

Igor Felippe

____________
Leia também:

Quando o Viomundo me apresentou Azenha

Filho de comunista não se deixa intimidar pelos capachos colaboracionistas da ditadura militar

Quem quer calar a imprensa mesmo?

Tags:   · · · · · · · · · · 5 Comments

Quando o Viomundo me apresentou Azenha

março 30th, 2013 by mariafro
Respond

Estou triste,  mas muito triste com o anúncio de que Luiz Carlos Azenha fechará o Viomundo: Globo consegue o que a ditadura não conseguiu: calar imprensa alternativa

Azenha é um amigo querido, um sujeito que admiro e me orgulho de ter trabalhado junto, brigado junto, aprendido junto para que fizéssemos uma série bacanuda para o público brasileiro sobre o continente africano, para ser exibida em um projeto que acreditávamos e que defendemos com unhas e dentes: o desenvolvimento de uma tv pública de qualidade no Brasil.

Para variar investimos muito tempo de nossas vidas num projeto que acreditamos e nos dedicamos de forma obcecada: cansamos de sair às 3, 4 horas da madrugada da produtora porque ambos exigentes além da conta revíamos texto, edição, até acharmos que ficou razoável. E como sempre perdemos dinheiro. Quando vencemos o edital dispensei um trabalho na editora para ganhar o dobro que que ganharia na produtora, além de todas as garantias do mundo corporativo ausentes em empreitadas como as de produção independente. Até hoje minha mãe acha que sou uma maluca por ter feito tal escolha (e ela provavelmente tem razã0).


Ilha de Moçambique, 2009.

Ao conhecer Azenha em campo, vendo sua prática antes de começar qualquer pauta, ao fazer a reportagem e ao editá-la minha admiração por ele aumentou ainda mais.

Azenha literalmente mergulha nas leituras e ele tem algumas características fascinantes que poucas pessoas que conheço tem: humildade para aprender o que não sabe; uma imensa curiosidade intelectual, uma velocidade acima da média de leitura (eu já o vi iniciar um livro de umas 300 páginas à noite e no dia seguinte ao pegar o livro constatar que está inteiro grifado, há muitos livros meus assim pra contar esta história).

Eu brigo muito com Azenha, agora mesmo tenho vontade de dizer para ele: Não, você não vai fechar o Viomundo, a gente vende roupa no brechó, pastel na feira, sei lá, mas você não vai fechar o Viomundo!  Eu conheci você por causa do Viomundo!

O Viomundo me apresentou o Azenha, o jornalista Luiz Carlos Azenha.

Já não via a Globo há muito tempo, não me lembro de ter assistido alguma vez na vida a Manchete (uma das tevês que ele havia trabalhado). Devia lembrar vagamente do rosto de Azenha, mas não o conhecia como jornalista global, até que pesquisando um texto jornalístico sobre o Haiti para preparar uma atividade para a coleção didática História em Projetos, Editora Ática (Prêmio Jabuti 2008 e a única coleção que recebeu ótimo em todos os critérios analisados no Guia PNLD-2008) deparo-me com uma crônica sensível (Azenha é um excelente cronista e adoraria editar um livro de crônicas dele, mas ele não pára pra selecioná-las) sobre o maior PIB de esperança do planeta: o Haiti.

Azenha com uma sensibilidade quase ausente no jornalismo venal e metido a besta que invadiu as grandes redações conseguia fazer o leitor se interessar pelos haitianos, se solidarizar com os haitianos, sorrir com aqueles sorrisos brancos de propaganda de creme dental que as crianças que ele adora registrar em suas viagens nos exibem. O texto do Azenha casou com perfeição com a perspectiva que eu propunha analisar a história do Haiti.

Bons textos sempre me conquistaram e a partir daí virei leitora assídua do Viomundo (quando ele ainda estava na Globo.com) a Globo deve até isso ao Azenha: Maria Frô lendo domínio da Globo.com para acessar o Viomundo.

E quando o Blog ainda não tinha espaço para comentários eu mandava e-mails discordando de seus posts. Discordando muito e do jeito assertivo que sempre me expresso. Daí descubro uma segunda grande qualidade do Azenha: ele é democrático, ele aceita um discurso diverso do seu, ele debate, rebate, ouve, argumenta, lê mais, discute, discorda, retruca e se convence e muda de opinião. Azenha não é um velho de ideias antiquadas é impressionante o vigor que ele tem diante de descobertas. Foi assim com a política de cotas, foi assim em nossas conversas sobre o continente africano, sobre, militância política, sobre sexismo, feminismo e tantos outros assuntos que debatemos com vigor. Foi assim que nos conhecemos, nos tornamos amigos, parceiros de projetos fantásticos: no blog da Mulher no Viomundo; no Nova África, na Comissão do Blogprog.

Claro que com ou sem o Viomundo vou continuar ao lado do meu grande amigo, mas a ‘morte’ do Viomundo para mim seria como sofrer um aborto, ver algo que acho que tem um imenso potencial morrer antes de nascer em sua plenitude. 

Vou começar a fazer chantagem, apelar, sei lá. Mas o que gostaria de pedir agora a quem me lê é que não deixem estas corporações midiáticas e este governo subserviente a estas corporações vencer a liberdade de expressão. Não deixem que um idiota com cara de fuinha que não sabe porra nenhuma de jornalismo e democracia leve a melhor.

Sejam de fato solidários. Solidários de modo concreto e efetivo e isso significa mais que curtir ou compartilhar posts nas redes sociais.

Azenha já gastou 30 mil reais com as custas do processo e continuará gastando com advogado porque certamente entrará com recursos e se perder será mais 30 mil para aquele que parece estar se especializando em calar ‘blogueiros sujos’: Cloaca, Rodrigo Vianna, Marco Aurelio Mello que o digam.

E se vocês gostarem um tantinho do Maria Frô me ajudem a não deixar o Viomundo fechar. Já decretei no Face se isso acontecer, encerro o Maria Frô.

Será greve de verbo dissonante num mundo cada vez mais discurso único.  Sinceramente? Ando exaurida de tantos recuos e covardia dos que não têm mais desculpas para assim agir. Parece que está chegando a hora em que a coragem será o silêncio.

Leia também:

Quando o Viomundo me apresentou Azenha

Filho de comunista não se deixa intimidar pelos capachos colaboracionistas da ditadura militar

Quem quer calar a imprensa mesmo?

Igor Felippe: Viomundo não vai fechar porque os que são imprescindíveis lutam a vida inteira

Tags:   · · · · · 14 Comments