Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

“Não voltarão”: milhares de venezuelanos tomam centro de Caracas para apoiar Chávez

janeiro 11th, 2013 by mariafro
Respond

No dia que Chávez deveria tomar posse, mas internado em Cuba estava  impossibilitado por complicações cirúrgicas devido a um câncer, os venezuelanos tomaram as ruas de Caracas. Foram dezenas de milhares a vermelhar toda Caracas. Três presidentes estiveram presentes dando apoio à decisão popular de defender sua constituição e a soberania do país: Mujica, presidente do Uruguai, Evo Moralez da Bolívia e Daniel Ortega da Nicarágua.

Seria importante que todos os demais presidentes progressistas da América Latina (excetuando os governos conservadores do Chile e Colômbia) também estivessem presentes. Uma pena Dilma Rousseff estar ausente.

Não havia como não se emocionar diante da fibra, da disposição, do orgulho e da consciência política do povo venezuelano. Ontem desejei ser venezuelana. Ontem fui venezuelana.

Marina Terra, de Caracas no Opera Mundi
10/01/2013“Não voltarão!”, grita Haydée Reyers, de 54 anos, durante ato multitudinário realizado na tarde desta quinta-feira (10/01) nos arredores do Palácio de Miraflores. A garçonete, a exemplo de outros milhares de venezuelanos que atenderam ao chamado do governo venezuelano, compareceu ao ato para “defender o mandato do presidente Hugo Chávez” e “impedir que a oposição retorne ao poder no país”. “O povo está jurando a posse do presidente”, continuou a venezuelana.

Agência Efe

Milhares de venezuelanos saíram às ruas em apoio à Revolução e ao presidente Hugo Chávez

Desde a internação do líder venezuelano em Havana para uma quarta cirurgia contra um câncer, em 11 de dezembro de 2012, oposição e governo apresentaram visões diferentes sobre o 10 de janeiro, data em que Chávez deveria tomar posse frente à Assembleia Nacional. O preceito está previsto no artigo 231 da Constituição, porém, para os chavistas, o trecho menciona que, se por “motivo de força maior” o presidente não puder estar na posse, a mesma será feita frente ao Supremo Tribunal de Justiça.

A leitura do governo foi acatada tanto pela maioria dos deputados do parlamento como pelo TSJ venezuelano. No entanto, partidos opositores defenderam que o presidente da assembleia, Diosdado Cabello, deveria assumir as rédeas do país, devido à ausência do presidente. Com os protestos da oposição, que chegou a mencionar que o chavismo estaria dando um “golpe de Estado”, o governo convocou a população às ruas para defender Chávez. ”É um dia histórico, porque começa o mandato do presidente Chávez 2013-2019″, afirmou o vice-presidente Nicolás Maduro.

“Eu não tenho medo deles [oposição]. Aqui há um povo fiel ao presidente e que irá defendê-lo até a morte. Eu votei por Chávez e quero que ele cumpra esse novo mandato”, continuou Haydée. Assim como ela, o técnico agrícola Jarion Centena, de 30 anos, chegou cedo à concentração em Caracas. “Minha vida mudou completamente desde a eleição de Chávez. Hoje somos mais politizados, não hesitamos em discutir os problemas do país. A oposição pensa que somos os mesmos ignorantes de antes, mas estão enganados”, disse Centena, habitante do Estado de Miranda.

Sobre a ausência do presidente, que ainda não mandou uma mensagem direta ao povo venezuelano ou apareceu em fotos e vídeos, o técnico agrícola afirmou confiar no vice-presidente e no resto do gabinete ministerial. “Com ou sem Chávez iremos seguir. Ele já plantou a semente”, ressaltou. Haydée concorda: “de coração, espero que ele se recupere, mas caso Deus não queria que o presidente esteja conosco, o honraremos aprofundando ainda mais essa revolução. Hoje é a posse do povo!”.

Agência Efe

Nicolás Maduro compareceu ao evento desta tarde, ao lado dos presidentes de Bolívia, Nicarágua e Uruguai

A última informação oficial sobre a saúde do presidente, divulgada nesta semana, dizia que ele está “assimilando bem” o tratamento de uma insuficiência respiratória, provocada por uma infecção pulmonar. O boletim médico informava, ainda, que a situação dele, embora delicada, estava “estacionária”.

Oposição

Em reação à decisão do Supremo, a oposição convocou um ato para 23 de janeiro. “Respeitamos e acatamos a decisão do tribunal, mas isso não significa que vamos nos silenciar e que não vamos seguir nos mobilizando para tentar restabelecer a ordem constitucional perdida”, disse o deputado Alfonso Marquina.

O parlamentar afirmou que o dia 23 de janeiro, data do 55º aniversário do final da última ditadura militar no país, foi escolhido para demonstrar que os venezuelanos podem viver em democracia. “Hoje, quando em nosso julgamento está seriamente afetada e seriamente ameaçada a democracia venezuelana com estes mecanismos que estão se implementando, nós convocamos os venezuelanos para defender esse legado de liberdade, de democracia”, disse um Marquina rodeado por deputados da aliança opositora MUD (Mesa da Unidade Democrática).

AVN

“É nossa proposta para a MUD, para todos os venezuelanos de bem que querem que se saiba a verdade, que querem que se restabeleça a ordem e que querem que se respeite a vontade popular”, acrescentou, sublinhando que se trata de um “ato cívico, pacífico e democrático”. Marquina anunciou que vai levar suas denúncias e exigências “aos países irmãos da América Latina e do mundo” e “às instâncias internacionais”.

* Com informações da Agência Efe

Chavismo marca “dia da posse” com megaconcentração em apoio a Chávez

Mujica afirma que posse de Chávez deve ser resolvida pela vontade popular

 

Decisão do Supremo é estabilizadora, afirma Nicolás Maduro

Chavistas demonstram força e se reúnem no centro de Caracas

Tags:   · · · · · · · · · · 2 Comments

Janio de Freitas: À brasileira (ou a memória curta da própria mídia brasileira)

janeiro 10th, 2013 by mariafro
Respond

Tenho uma enorme preguiça de ler a velha mídia falando sobre a Venezuela,  o governo de Chavez… É tanta desinformação e tanta deturpação só comparadas àquelas que há 53 anos chamam Cuba de ditadura e não falam um a sobre o bloqueio estadunidense à pequena Ilha.

A Folha tem um Janio de Freitas (que só está ali pra que a Folha possa manter seu discurso de imprensa ‘plural’). Mas a coluna de Freitas se perde no meio das sandices publicadas pelos demais jornalixos.

Por isso é tão importante que Janio seja lido, seja divulgado nos blogs, nas redes sociais. Ao lado de Maringoni e Rodrigo Vianna estes sim conhecem a Venezuela e sabem do que falam, Janio é o que resta de honestidade jornalista na Veja diária que se tornou a Folha.

À brasileira
Por Janio Freitas, Folha
10/01/2013 – 03h00
A decisão, adotada na Venezuela, de adiar indefinidamente a posse do hospitalizado Hugo Chávez tem um precedente: é milimetricamente igual à decisão que adiou indefinidamente a posse do hospitalizado Tancredo Neves. O que faz com que a decisão no caso de Chávez receba exaltada condenação moral no Brasil e no caso de Tancredo Neves fosse louvada, com alívio e emoção, pode ser muito interessante. Mas não é para um artiguinho. E não é tão difícil de intuir, ao menos na superfície.

Convém lembrar que a crítica à solução brasileira só veio, e muito forte, no segundo passo daquele veloz processo. Foi quando a decisão à brasileira avançou muito mais do que a Venezuela: morto Tancredo, o mandato que não recebeu e a Presidência foram transferidos ao vice, sob muita contestação jurídica e ética.

As circunstâncias venezuelana e brasileira são diferentes? Sim, claro. As circunstâncias são sempre diferentes. Mas sem essa de que a oposição Venezuela está lutando pela democracia, e o chavismo é um sistema contrário à liberdade, e coisa e tal. Seja o que for o chavismo e o que pretenda a “revolução bolivariana”, o que a oposição quer é restaurar o sistema de poder anterior: um dos mais corruptos e socialmente opressores da América Latina, de menor e mais imoral “liberdade de imprensa” e de pensamento.

Ao longo do século passado, a Venezuela dos hoje saudosistas deixou exemplos de barbaridade ditatorial escandalosos mesmo para o padrão latino-americano, caso do ditador-bandido Perez Jimenez, entre outros; e uns dois governos decentes, digo dois só para não deixar o romancista e presidente Romulo Bittencourt sem companhia em meio a cem anos.

Mas, a não ser muito eventuais obviedades “de esquerda”, nunca li ou ouvi críticas no Brasil aos donos daquela Venezuela e seu sistema de domínio e exploração.

O que se passa na Venezuela não é uma divergência entre as condições jurídicas e temporais de uma posse, incerta além do mais, na Presidência. Posse de um eleito, também é bom lembrar, em eleições de lisura aprovada por comissões internacionais de fiscalização, entre as quais a respeitadíssima Fundação Carter, com a presença destemida do democrata Jimmy Carter.

A conduta do Itamaraty diante do problema venezuelano, na qual expressa a posição oficial Brasil, mais uma vez se orienta pelo princípio de que se trata de assunto interno do país vizinho, sem justificativa para qualquer interferência externa a ele.

Marco Aurélio Garcia foi mandado, como assessor presidencial de assuntos internacionais, recolher em dois dias as informações, necessárias ao governo brasileiro, sobre o estado de Chávez e sobre a situação política venezuelana. Não houve indicação alguma de que seu comentário representasse uma posição assumida pelo governo brasileiro.

Para Marco Aurélio Garcia, conforme exposto na Folha pela repórter Fernanda Odilla, “como o presidente foi reeleito, ‘não há um processo de descontinuidade’ se ele não tomar posse formalmente” hoje. Há, sim. Não há descontinuidade pessoal. Mas há descontinuidade institucional.

Uma posse presidencial não importa pelo empossado, que pode ser ótimo ou lamentável. A importância é institucional: o início de um mandato na Presidência. E segundo mandato é outro mandato. Como constatado no editorial da Folha “Impasse na Venezuela”, de ontem, “o texto constitucional [venezuelano] não responde de maneira inequívoca às dúvidas suscitadas” sobre o impedimento atual da posse em novo mandato.

Mas, em se tratando de Chávez, é válido dizer que “adiar indefinidamente” é inconstitucional, é arbitrariedade, é opressão. “Brasileiro não tem memória.” Ou, se lhe convém, adia indefinidamente.

Janio de Freitas, colunista e membro do Conselho Editorial da Folha, é um dos mais importantes jornalistas brasileiros. Analisa com perspicácia e ousadia as questões políticas e econômicas. Escreve na versão impressa do caderno “Poder” aos domingos, terças e quintas-feiras.

Tags:   · · · 3 Comments

Adeus Jorge Selarón

janeiro 10th, 2013 by mariafro
Respond

Não há quem não se encante com o mosaico da Escadaria de Santa Teresa entre a Lapa e o Catete feito pelo artista plástico chileno Jorge Selarón.

Fotos: Conceição Oliveira. fevereiro de 2011.

Quem me apresentou esta beleza foi Chico Aragão num passeio fabuloso que fizemos do Saara  ao Catete, com direito a sobremesa na confeitaria Colombo após um almoço com Bemvindo Sequeira, Juliana Freitas e Beto Mafra.

Hoje, Pagu me informa que aos 65 anos Selarón foi encontrado morto :(

De acordo com reportagem do Estadão ele vinha sofrendo ameaças de ex-colaborador após desentendimentos profissionais,mas não há informações sobre circunstâncias da morte.

Descanse em paz, Selarón e obrigada por nos deixar como legado, a céu aberto, esta imensa beleza.

Leia também:

O Rio de Janeiro continua lindo com Bemvindo e amigos

Prêmio Anu Preto da CUFA 2011 e o dia que o funk ocupou o seu lugar: o Municipal

Álbum de fotos do Prêmio Anu Preto

Tags:   · · · · 1 Comment

Sonia Faleiro: A horrível verdade sobre o estupro em Nova Délhi

janeiro 9th, 2013 by mariafro
Respond

Do Comunique-se

O caso da garota que foi estuprada e morta em Nova Délhi, capital da Índia, foi assunto em diversos veículos do mundo. No Brasil, a triste história saiu nos jornais, internet, TV e rádio. Em texto extenso, o caso foi contado e publicado no Estadão pela jornalista do New York Times, Sonia Faleiro.

Com relatos minuciosos, ela atenta-se a contar o que acontece na cidade, onde o assédio sexual é corriqueiro. Sonia morou 24 anos em Nova Délhi. No período, o medo a acompanhava até mesmo dentro da redação onde atuava como repórter. “Nunca ficava sozinha, se possível, e andava depressa, cruzando os braços sobre o peito, recusando todo contato visual ou mesmo um sorriso. Abria caminho no meio da multidão curvando os ombros para frente, e evitava sair de casa depois do escurecer, se não fosse num carro particular”, disse.

Facas, alfinetes e armas eram acessórios comuns na bolsa dela, que não ia até a faculdade sem ter com o que se defender em caso de ataques. A situação é bem conhecida na região e há legislação, mas, segundo Sonia, nada tem tido eficácia diante da cultura patriarcal e misógina. “Nos meses anteriores ao estupro coletivo, alguns políticos de destaque atribuíram o aumento das estatísticas sobre estupro à crescente utilização dos celulares pelas mulheres e ao fato de elas saírem à noite. ‘Somente porque a Índia conseguiu a liberdade depois da meia-noite não significa que as mulheres possam se aventurar a sair depois do anoitecer’, disse Botsa Satyanarayana, líder do Partido do Congresso do Estado de Andhra Pradesh”.
Rico em detalhes e informações, o escrito da jornalista foi escolhido como o texto da semana pela equipe do Comunique-se. É a primeira vez que uma profissional internacional figura na lista.

Sonia Faleiro também é autora de Beautiful Thing: Inside the Secret World of Bombay’s Dance Bars
(Imagem: Reprodução)

Leia a íntegra do texto da semana, de Sonia Faleiro com tradução de Anna Capovilla:

 TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

A horrível verdade sobre o estupro em Nova Délhi

Morei 24 anos em Nova Délhi, uma cidade onde o assédio sexual é tão regular quanto o café da manhã. Todos os dias, em algum lugar da cidade, há um caso de estupro.

Quando adolescente, aprendi a me proteger. Nunca ficava sozinha, se possível, e andava depressa, cruzando os braços sobre o peito, recusando todo contato visual ou mesmo um sorriso. Abria caminho no meio da multidão curvando os ombros para frente, e evitava sair de casa depois do escurecer, se não fosse num carro particular. Numa idade em que as jovens em todos os outros lugares começam a fazer suas primeiras experiências com um estilo mais ousado de vestuário, eu usava roupas duas vezes maiores do que o meu tamanho. Ainda não consigo me vestir de forma a parecer atraente sem ter a sensação de estar me expondo ao perigo.

A situação não mudou quando cheguei à idade adulta. O spray de pimenta não existia ainda e minhas amigas, todas de classe média ou média alta como eu, carregavam alfinetes ou outros objetos como armas no caminho da universidade e do emprego. Uma delas andava com uma faca e insistia que eu devia fazer o mesmo.

Recusei, mas havia dias em que ficava tão enraivecida que poderia usá-la – ou, pior ainda, alguém poderia usá-la contra mim.

O persistente concerto de assobios, miados, palavras sibiladas, alusões sexuais ou ameaças abertas continuaram. Grupos de homens andavam pelas ruas vadiando, e sua forma de comunicação eram as canções de filmes indianos que viviam cantando, repletas de duplos sentidos.

Para deixar claras suas intenções, mexiam a pélvis para frente quando uma mulher passava.

Não eram apenas os ambientes públicos que eram pouco seguros. Até na redação de uma importante revista onde eu trabalhava, no consultório de um médico, até mesmo numa festa privada – era impossível escapar da intimidação.

No dia 16 de dezembro, como o mundo agora sabe, uma mulher de 23 anos voltava para casa com o namorado depois do assistir ao filme As aventuras de Pi num shopping center de Délhi. Quando tomaram o que lhes pareceu um ônibus, os seis homens que estavam no veículo estupraram e torturaram a mulher de maneira tão brutal que destruíram seus intestinos. O ônibus fora apenas um chamariz. Eles espancaram brutalmente também o namorado da jovem e jogaram os dois fora do veículo, deixando-a à beira da morte.

A jovem não se rendeu. Ela começara aquela noite vendo um filme sobre um sobrevivente, e provavelmente sentiu-se determinada a sobreviver também. Então ela realizou outro milagre. Em Délhi, uma cidade onde a degradação das mulheres é comum, dezenas de milhares de pessoas foram às ruas e enfrentaram a polícia, as bombas de gás lacrimogêneo e os canhões de água para expressar sua revolta. Foi o maior protesto jamais realizado na Índia contra a agressão sexual e o estupro até aquele momento, e desencadeou manifestações em toda a nação.

A fim de proteger a identidade da vítima, seu nome não foi divulgado.

Mas embora ela continue sem nome, não ficou sem rosto. Para vê-lo, bastou que as mulheres se olhassem no espelho. A plena dimensão da sua vulnerabilidade finalmente foi compreendida.

Quando fiz 26 anos, mudei-me para Mumbai. A megalópole comercial e financeira tem sua carga de problemas específicos, mas, em termos culturais, é mais cosmopolita e liberal do que Délhi. Ainda zonza com a liberdade recém-conquistada, comecei a fazer matérias sobre o bairro da prostituição e percorria subúrbios perigosos tarde da noite – sozinha e usando transporte público. Acho que a minha experiência em Délhi teve um resultado positivo: fiquei agradecida pelo ambiente comparativamente seguro de Mumbai e resolvi aproveitar ao máximo.

Mas a jovem jamais terá esta oportunidade. Na manhã de sábado, 13 dias depois de ter sido brutalizada, esta estudante de fisioterapia, que sem dúvida sonhara em melhorar a vida das outras pessoas, perdeu a sua. Morreu por falência múltipla dos órgãos.

A Índia tem uma legislação contra o estupro; assentos reservados para as mulheres nos ônibus, policiais femininas; linhas especiais para pedir a ajuda da polícia. Mas estas medidas não têm tido eficiência diante de uma cultura patriarcal e misógina. Trata-se de uma cultura que acredita que o pior aspecto do estupro é a corrupção da vítima, que nunca mais poderá encontrar um homem para casar com ela – e que a solução é casar com o estuprador.

Estas crenças não se restringem às salas de estar, mas são expressas abertamente. Nos meses anteriores ao estupro coletivo, alguns políticos de destaque atribuíram o aumento das estatísticas sobre estupro à crescente utilização dos celulares pelas mulheres e ao fato de elas saírem à noite. “Somente porque a Índia conseguiu a liberdade depois da meia-noite não significa que as mulheres possam se aventurar a sair depois do anoitecer”, disse Botsa Satyanarayana, líder do Partido do Congresso do Estado de Andhra Pradesh.

Denúncias. Mudar é possível, mas as pessoas devem denunciar logo os casos de estupro e de agressão sexual para que a polícia possa realizar as investigações, e os casos levados aos tribunais possam tramitar rapidamente e não demorar anos a fio. Dos mais de 600 casos de estupro relatados em Nova Délhi em 2012, somente um levou à condenação. Se as vítimas acreditam que receberão justiça, se mostrarão mais dispostas a falar. Se os supostos estupradores temerem as consequências de suas ações, não atacarão as mulheres nas ruas impunemente.

As dimensões dos protestos públicos e na mídia deixaram claro que o ataque constituiu um divisor de águas. A horrível verdade é que a jovem atacada no dia 16 teve mais sorte do que muitas vítimas de estupro. Ela foi uma das raras mulheres que receberam algo parecido com justiça. Foi hospitalizada, sua declaração foi gravada e em poucos dias todos os seis suspeitos do estupro foram presos e, agora, estão sendo processados por assassinato. Tal eficiência é algo incomum na Índia.

Não foi a brutalidade das agressões contra a jovem que tornou sua tragédia inusitada; foi o fato de que esta agressão, finalmente, provocou uma resposta.

Tags:   · · 1 Comment