Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Até o rebaixamento do Vasco só pode ser culpa do….. PT

abril 20th, 2014 by mariafro
Respond

Da série o que alhos tem a ver com bugalhos?

“Enfrentamos um adversário fechado, mas pelo menos gostei da nossa postura. São muitos fatores que prejudicam o desempenho. São coisas erradas no futebol brasileiro e ainda estamos engatinhando. Tento fazer a minha parte. Não é o ideal e precisamos analisar a situação. Não adianta ficar falando em lesões, calendário, competições extensas, gramado, viagens, arbitragem… Não vou consertar tudo. Mas tem gente achando o Brasil bom… Sou anti-PT”, afirmou.” Técnico do Vasco, Adilson Batista.

Talvez se não fosse uma besta quadrada em política não fosse um técnico tão incompetente.

Como ninguém pensou nisso antes? O calendário da CBF é uma porcaria há décadas, o Vasco vem sendo mal administrado há anos, agora caiu novamente pra Série B, e ontem estreou mal, num empate em casa com uma equipe de menor tradição. Isso para não falar que este treinador não foi bem em nenhum dos últimos clubes em que passou (São Paulo, Santos, Corinthians, Atlético PR). É óbvio que é culpa de tudo isso só pode ser…do PT. Hahahahaha. Wagner Iglecias

Técnico cita problemas após empate do Vasco e usa política: ‘Anti-PT’

Vinicius Castro, Do UOL, no Rio de Janeiro

19/04/2014

Técnico do Vasco, Adilson Batista não escondeu a insatisfação com a série de problemas para escalar o time antes do empate por 1 a 1 com o América-MG, neste sábado, em São Januário. A partida marcou a estreia cruzmaltina na Série B do Campeonato Brasileiro. Questionado sobre as lesões e o desempenho ruim durante os 90 minutos, o treinador citou até sua preferências política no discurso.

“Enfrentamos um adversário fechado, mas pelo menos gostei da nossa postura. São muitos fatores que prejudicam o desempenho. São coisas erradas no futebol brasileiro e ainda estamos engatinhando. Tento fazer a minha parte. Não é o ideal e precisamos analisar a situação. Não adianta ficar falando em lesões, calendário, competições extensas, gramado, viagens, arbitragem… Não vou consertar tudo. Mas tem gente achando o Brasil bom… Sou anti-PT”, afirmou.

Adilson lamentou apenas as escolhas do time no momento do último passe, o que impossibilitou a vitória na primeira rodada do Campeonato Brasileiro da Série B.

“Temos consciência de que precisamos melhorar. As jogadas individuais e pelos lados são importantes. Vamos cobrando. Vi um time que controlou o jogo pelo menos no primeiro tempo. Sabemos os motivos dos nossos problemas. Não conseguimos fazer a opção correta após o gol de empate e quase sofremos o segundo gol no contra-ataque.”, encerrou.

O elenco vascaíno folga no domingo e segunda e retorna aos trabalhos na terça-feira pela manhã. O time enfrenta o Luverdense, sábado, às 16h20, na Arena Pantanal, pela segunda rodada do Brasileirão da Série B.

Tags:   · · · No Comments.

Não é que não exportamos, é que não existe indústria brasileira

abril 20th, 2014 by mariafro
Respond

TEM DE SER NACIONAL, ESTÚPIDO!

Arnaldo Ferreira Marques, em seu Facebook

“A exportação [brasileira] de celulares [para a Argentina], por exemplo, que chegou a US$ 740 milhões, despencou para US$ 200 mil em 2013. Segundo a Abinee, que representa o setor, multinacionais como Nokia e Samsung, que usavam o Brasil como base para a região, agora atendem só o mercado doméstico.”

Folha de S.Paulo – Cotidiano – “China abocanha fatia do Brasil nas importações da Argentina” – 19/04/2014.

O que é o que é? Único país grande consumidor de automóveis (4º do mundo) que não possui montadora nacional?

Adivinhou?

Pois é, senhores. Não existe a “Samba Motores”.

Não existe uma indústria automobilística com matriz brasileira que forme um enorme centro de planejamento, pesquisa e projeto, cheio de engenheiros cumprindo uma ordem: pesquisem as necessidades e gostos dos brasileiros e projetem automóveis sob medida para eles.

Tudo seria muito diferente no Brasil com uma Samba Motores.

Incluindo as exportações. Principalmente as exportações.

Porque em um dado momento, com a necessidade de aumentar a escala da produção, os dirigentes da Samba Motores certamente enviariam uma nova ordem aos seus engenheiros: agora pesquisem as necessidades e gostos dos argentinos. Vamos lançar por lá o Tango em três versões. E logo os navios roll-on-roll-off começariam a sair carregados para Buenos Aires.

Depois dos hermanos, por que não o consumidor dos EUA? Da península Ibérica? Da Rússia? Da própria Europa automobilística (Alemanha, França, Itália, Inglaterra)?

Pesquisando e produzindo automóveis que só ela projetou, focando as necessidades de cada mercado no exterior, a Samba Motores seria dona de seu nariz e teria um enorme ímpeto exportador.

Afinal, se o consumidor internacional se encantou pelo Porto Belo, pelo Itapoã, pelo Vitória, o que a Volkswagen pode fazer? Ou a Fiat? Ou a Ford? O conceito é nosso, a marca é nossa, a mística é nossa. Quem quiser ter um deles na garagem, vai ter de pagar à Samba Motores.

A fábrica da VW no Brasil (ou da Fiat, Ford, Renault etc.) não tem como missão conquistar a todo custo os mercados externos. Ela é apenas uma peça da imensa estrutura internacional que obedece aos interesses e necessidades da matriz na Alemanha. Deve abastecer o mercado local com projetos de fora e, quando muito, exportar para a América do Sul.

Você acredita que, se algum engenheiro da VW Brasil criar uma super inovação de projeto, essa inovação gerará modelos brasileiros ultracompetitivos que desbancarão a produção da fábrica alemã da VW ou de outras fábricas VW ao redor do mundo? Nem em sonho, não é?
Não adianta termos montes de fábricas montadas no Brasil: só com uma Samba Motores poderíamos ser um verdadeiro exportador de automóveis.

E quem diz automóveis, diz qualquer produto industrial. Telefones celulares. Alimentos de todo tipo.

Importamos da Itália caixas com uma massa endurecida de farinha de trigo e água (Barilla, Divella). Por que a Itália não importa do Brasil caixas com pães de queijo congelados, potes de geleia de jabuticaba, rolhas de paçoca de amendoim?

Nada disso é sonho. Tudo o que eu disse em relação à imaginária Samba Motores é real no mais inusitado dos produtos industriais: aviões.

A Samba Motores não existe (e deveria existir, dado que nenhum país sem fábrica própria de automóveis possui o corpo de engenheiros automobilísticos ultra formados que o Brasil tem).

Mas a Embraer existe.

E faz exatamente o que a Samba deveria fazer, projetando produtos inovadores e ultra competitivos focados para exportação, que avançam nos mercados mais ricos e exigentes.

Da próxima vez que você ler ou ouvir que “a indústria brasileira não exporta”, pense na única resposta real a esse problema: não existe indústria brasileira.

Esse é o problema central.

Tags:   · · 3 Comments

Sobre o falso jornalista dinamarquês: “O jornalismo e a capacidade de raciocínio da Humanidade já estiveram em um estágio mais elevado”

abril 17th, 2014 by mariafro
Respond

Barriga em série da grande mídia, tudo para desestabilizar o governo Dilma, mesmo lucrando com gordas verbas publicitárias e com anúncios da Copa:


A farsa do “jornalista dinamarquês” expõe a atual incapacidade de raciocínio do brasileiro e da imprensa em geral

Regis Tadeu, Na Mira do Régis

16/04/2014

É óbvio que você sabe da história do “jornalista dinamarquês” que resolveu ir embora do Brasil e deixar de cobrir a Copa do Mundo por se sentir chocado com a infinidade de problemas e injustiças sociais deste Brasil cada vez mais podre. A história deste sujeito e seu depoimento em texto foram reproduzidos por quase todos os portais de notícias e se disseminou pelas redes sociais com uma velocidade espantosa – aliás, como quase tudo que não presta nestes tempos. Sua foto rodou por todos os cantos da internet, todos os comentários foram todos solidários a ele…

Só que o tio Regis vai lhe contar uma coisinha: esta história é um farsa!

Sim. É isto mesmo o que você leu. Uma farsa. Cascata. Mentira. Outra lorota em tempos de internet.

Como cheguei a esta conclusão? Fácil. Fiz o que todo jornalista sério deveria fazer: fui atrás da história!

Fiz isto porque, logo de cara, senti um cheiro de trapaça no ar. Não sei explicar – chame isto de “sexto sentido”, se quiser -, mas meu instinto jornalístico sempre disse que um profissional do ramo nunca “abandona” uma boa história. E foi justamente isto que este pateta fez. Deixou para trás tudo o que ele disse que presenciou em Fortaleza – a remoção de pessoas paupérrimas para ‘maquiar’ a cidade, o assassinato de crianças de rua quando flagradas dormindo em locais tradicionalmente frequentados por turistas, o encerramento de atividades de uma série de projetos sociais em favelas e muito mais – e voltou para a sua civilizada Dinamarca. E sem fazer uma única matéria a respeito disto? Sem publicar nada, sem dar qualquer satisfação para seus patrões? O cara ouve relatos de uma espécie de “limpeza social” e não vai apurar isto? Que raio de jornalista é este?

Foi então que descobri que não existe o “jornalista Mikkel Jensen”. Basta uma simples pesquisa na internet para verificar que o único dinamarquês com este nome é um ex-jogador de futebol que jogou por um time profissional daquele país, o Brøndby IF, e que terminou a sua carreira em 2011 jogando pelo IF Brommapojkarna. Não vejo problema em um jornalista usar algum pseudônimo a não ser a covardia de não dar a cara para bater em seu trabalho, mas porque alguém usaria este tipo de artifício para… não escrever nada? Em lugar algum. Não há qualquer artigo do ‘jornalista Mikkel Jensen’ em qualquer publicação física ou digital.

Descobri então que o nome verdadeiro deste cidadão é Mikkel Keldorf. O relato de seu desencanto com o Brasil foi publicado apenas em um único local: o site do diário dinamarquês Politken (se souber ler em dinamarquês, veja aqui). Procuro outras matérias com o seu verdadeiro nome e só encontro uma outra matéria, desta vez a respeito de uma ação policial na favela da Maré, no Rio de Janeiro (tente ler aqui). Mais nada. Nem no You Tube. Tudo o que você leu a respeito deste cidadão foi retirado do próprio perfil deste sujeito – veja aqui).

Entendeu onde quero chegar?

Armou-se um estardalhaço absurdo nos meios jornalísticos digitais e nas redes sociais baseado unicamente em um troço sem qualquer tipo de comprovação! Ninguém teve sequer a decência de conversar com este sujeito antes de sair publicando por aí um monte de coisas que até acredito que sejam verdadeiras – governos de qualquer partido têm uma reputação tão manchada de lama que não duvido destas atrocidades -, mas que precisam ser provadas! E provadas por um jornalista de verdade e não por um aparente zé-mané que plantou uma história mentirosa na qual todo mundo caiu como pato otário.

O jornalismo e a capacidade de raciocínio da Humanidade já estiveram em um estágio mais elevado. Hoje, é esta desgraça que vemos a todo instante. Putz…

Tags:   · · 7 Comments

Senador Álvaro Dias age com preconceito contra médico cubano em sua página do Facebook

abril 16th, 2014 by mariafro
Respond

Álvaro Dias mais uma vez mostrando a pequenez do PSDB e seus representantes que ao invés de se preocupar com a saúde do povo brasileiro se atém a um erro de português cometido por um médico cubano que está no país há cinco meses.

A denúncia é de Leonardo Alcântara no Facebook

O tucano publicou em sua página do facebook a foto de um pedido de um exame, assinado por um médico estrangeiro do programa Mais Médicos, do governo federal. O exame solicitado é uma ultrassonografia mamária, popularmente conhecido como ultrassom das mamas. O médico cubano Juan Miguel Gonzalez, escreveu no pedido “ultrassão dos peito” e foi achincalhado no perfil do Senador. Vale ressaltar que o médico, que chegou ao país em novembro de 2013 para ajudar a salvar vidas aqui no Brasil, está em processo de aprendizado do português, sendo extremamente natural e compreensível o seu erro, já que o nosso idioma não é a sua língua materna. Ninguém merece ser achincalhado por um erro de ortografia, sobretudo ser achincalhado por um Senador da República. Simplesmente, não é o comportamento que esperamos de um Senador. A participação e o trabalho de um médico estrangeiro em nossas terras, tem muito mais relevância do que um mero erro de português, de quem ainda está aprendendo a nossa língua.
Será que esse senador não tem mais o que fazer que ficar adulterando charges e revelando toda a sua xenofobia e preconceito contra médicos cubanos?

Leia mais

Álvaro dias leva pito do chargista Bira Dantas por fraudar sua charge

E no Paraná do tucano Beto Richa: Quem não tem apoio popular caça com assessores pagando mico de professor

Tags:   · · · · · · · 9 Comments