Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Latrina em brochura e seus homofóbicos de má fé: monumentos à ignorância, ao mau gosto e ao preconceito

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond

Concordo com Jean, não temos de perder tempo com esta ignomínia travestida de revista.

Este folhetim de esgoto não tem o poder que prega ter e vende aos trouxas. Esta latrina em brochura é só a última Flor do Fascio, um PCC das Comunicações,  lixo tóxico que contamina de modo irreversível e emburrece o que é pior.  

Ler essas páginas infectas passa ao largo do exercício da diferença, este libelo da estupidez não faz jornalismo nem reacionário, faz ficção da boca do lixo e governos e SECOMs deveriam ser processados por financiar a baixaria.

Taí lanço está campanha: Governo Dilma; Governo Alkmin (que comete o crime de comprar este lixo de má fé, homofóbico para as escolas públicas); Governo Kassab que investem DINHEIRO PÚBLICO em publicidade nesta latrina  deveriam ser processados por financiar a baixaria. Quem topa?

Veja que lixo!

Por: Jean Wyllys, em seu blog

12/11/2012

Riobaldo, CABRA macho, se apaixonou por Diadorim, que ele julgava ser um homem

Eu havia prometido não responder à coluna do ex-diretor de redação de Veja, José Roberto Guzzo, para não ampliar a voz dos imbecis. Mas foram tantos os pedidos, tão sinceros, tão sentidos, que eu dominei meu asco e decidi responder.

A coluna publicada na edição desta semana do libelo da editora Abril — e que trata sobre o relacionamento dele com uma cabra e sua rejeição ao espinafre, e usa esses exemplos de sua vida pessoal como desculpa para injuriar os homossexuais — é um monumento à ignorância, ao mau gosto e ao preconceito.

Logo no início, Guzzo usa o termo “homossexualismo” e se refere à nossa orientação sexual como “estilo de vida gay”. Com relação ao primeiro, é necessário esclarecer que as orientações sexuais (seja você hétero, lésbica, gay ou bi) não são tendências ideológicas ou políticas nem doenças, de modo que não tem “ismo” nenhum. São orientações da sexualidade, por isso se fala em “homossexualidade”, “heterossexualidade” e “bissexualidade”. Não é uma opção, como alguns acreditam por falta de informação: ninguém escolhe ser homo, hétero ou bi.

O uso do sufixo “ismo”, por Guzzo, é, portanto, proposital: os homofóbicos o empregam para associar a homossexualidade à ideia de algo que pode passar de uns a outros – “contagioso” como uma doença – ou para reforçar o equívoco de que se trata de uma “opção” de vida ou de pensamento da qual se pode fazer proselitismo.

Não se trata de burrice da parte do colunista portanto, mas de má fé. Se fosse só burrice, bastaria informar a Guzzo que a orientação sexual é constitutiva da subjetividade de cada um/a e que esta não muda (Gosta-se de homem ou de mulher desde sempre e se continua gostando); e que não há um “estilo de vida gay” da mesma maneira que não há um “estilo de vida hétero”.

A má fé conjugada de desonestidade intelectual não permitiu ao colunista sequer ponderar que heterossexuais e homossexuais partilham alguns estilos de vida que nada têm a ver com suas orientações sexuais! Aliás, esse deslize lógico só não é mais constrangedor do que sua afirmação de que não se pode falar em comunidade gay e que o movimento gay não existe porque os homossexuais são distintos. E o movimento negro? E o movimento de mulheres? Todos os negros e todas as mulheres são iguais, fabricados em série?

A comunidade LGBT existe em sua dispersão, composta de indivíduos que são diferentes entre si, que têm diferentes caracteres físicos, estilos de vida, ideias, convicções religiosas ou políticas, ocupações, profissões, aspirações na vida, times de futebol e preferências artísticas, mas que partilham um sentimento de pertencer a um grupo cuja base de identificação é ser vítima da injúria, da difamação e da negação de direitos! Negar que haja uma comunidade LGBT é ignorar os fatos ou a inscrição das relações afetivas, culturais, econômicas e políticas dos LGBTs nas topografias das cidades. Mesmo com nossas diferenças, partilhamos um sentimento de identificação que se materializa em espaços e representações comuns a todos. E é desse sentimento que nasce, em muitos (mas não em todas e todos, infelizmente) a vontade de agir politicamente em nome do coletivo; é dele que nasce o movimento LGBT. O movimento negro — também oriundo de uma comunidade dispersa que, ao mesmo tempo, partilha um sentimento de pertença — existe pela mesma razão que o movimento LGBT: porque há preconceitos a serem derrubados, injustiças e violências específicas contra as quais lutar e direitos a conquistar.

A luta do movimento LGBT pelo casamento civil igualitário é semelhante à que os negros tiveram que travar nos EUA para derrubar a interdição do casamento interracial, proibido até meados do século XX. E essa proibição era justificada com argumentos muito semelhantes aos que Guzzo usa contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Afirma o colunista de Veja que nós os e as homossexuais queremos “ser tratados como uma categoria diferente de cidadãos, merecedora de mais e mais direitos”, e pouco depois ele coloca como exemplo a luta pelo casamento civil igualitário. Ora, quando nós, gays e lésbicas, lutamos pelo direito ao casamento civil, o que estamos reclamando é, justamente, não sermos mais tratados como uma categoria diferente de cidadãos, mas igual aos outros cidadãos e cidadãs, com os mesmos direitos, nem mais nem menos. É tão simples! Guzzo diz que “o casamento, por lei, é a união entre um homem e uma mulher; não pode ser outra coisa”. Ora, mas é a lei que queremos mudar! Por lei, a escravidão de negros foi legal e o voto feminino foi proibido. Mas, felizmente, a sociedade avança e as leis mudam. O casamento entre pessoas do mesmo sexo já é legal em muitos países onde antes não era. E vamos conquistar também no Brasil!

Os argumentos de Guzzo contra o casamento igualitário seriam uma confissão pública de estupidez se não fosse uma peça de má fé e desonestidade intelectual a serviço do reacionarismo da revista. Ele afirma: “Um homem também não pode se casar com uma cabra, por exemplo; pode até ter uma relação estável com ela, mas não pode se casar”. Eu não sei que tipo de relação estável o senhor Guzzo tem com a sua cabra, mas duvido que alguém possa ter, com uma cabra, o tipo de relação que é possível ter com um cabra — como Riobaldo, o cabra macho que se apaixonou por Diadorim, que ele julgava ser um homem, no romance monumental de Guimarães Rosa. O que ele, Guzzo, chama de “relacionamento” com sua cabra é uma fantasia, pois falta o intersubjetivo, a reciprocidade que, no amor e no sexo, só é possível com outro ser humano adulto: duvido que a cabra dele entenda o que ele porventura faz com ela como um “relacionamento”.

Guzzo também argumenta que “se alguém diz que não gosta de gays, ou algo parecido, não está praticando crime algum – a lei, afinal, não obriga nenhum cidadão a gostar de homossexuais, ou de espinafre, ou de seja lá o que for”. Bom, nós, os gays e lésbicas, somos como o espinafre ou como as cabras. Esse é o nível do debate que a Veja propõe aos seus leitores.

Não, senhor Guzzo, a lei não pode obrigar ninguém a “gostar” de gays, lésbicas, negros, judeus, nordestinos, travestis, imigrantes ou cristãos. E ninguém propõe que essa obrigação exista. Pode-se gostar ou não gostar de quem quiser na sua intimidade (De cabra, inclusive, caro Guzzo, por mais estranho que seu gosto me pareça!). Mas não se pode injuriar, ofender, agredir, exercer violência, privar de direitos. É disso que se trata.

O colunista, em sua desonestidade intelectual, também apela para uma comparação descabida: “Pelos últimos números disponíveis, entre 250 e 300 homossexuais foram assassinados em 2010 no Brasil. Mas, num país onde se cometem 50000 homicídios por ano, parece claro que o problema não é a violência contra os gays; é a violência contra todos”. O que Guzzo não diz, de propósito (porque se trata de enganar os incautos), é que esses 300 homossexuais foram assassinados por sua orientação sexual! Essas estatísticas não incluem os gays mortos em assaltos, tiroteios, sequestros, acidentes de carro ou pela violência do tráfico, das milícias ou da polícia.

As estatísticas se referem aos LGBTs assassinados exclusivamente por conta de sua orientação sexual e/ou identidade de gênero! Negar isso é o mesmo que negar a violência racista que só se abate sobre pessoas de pele preta, como as humilhações em operações policiais, os “convites” a se dirigirem a elevadores de serviço e as mortes em “autos de resistência”.

Qual seria a reação de todas e todos nós se Veja tivesse publicado uma coluna em que comparasse negros e negras com cabras e judeus com espinafre? Eu não espero pelo dia em que os homens e mulheres  concordem, mas tenho esperança de que esteja cada vez mais perto o dia em que as pessoas lerão colunas como a de Guzzo e dirão “veja que lixo!”.

*Jean Wyllys, Deputado Federal (PSOL-RJ)

________________
Publicidade

Tags:   · · · · · · · 2 Comments

“en mi patria no hay justicia” quando a indústria cultural manipula as consciências de forma tão avassaladora como desta vez.

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond

O texto foi escrito há quase um mês por Celso Lungaretti que em um comentário no seu blog diz: antes do julgamento do mensalão começar, eu já cantei a bola de que os principais réus seriam inevitavelmente condenados.
Não tenho bola de cristal nem estava torcendo por tal desfecho.
Mas, depois de assistir às quatro sessões de julgamento do Caso Battisti (duas lá em Brasília e duas pela TV Justiça), sabia muito bem como aqueles ministros decidiriam, submetidos a pressões tão fortes da imprensa.
Não deu outra.

O PASTELÃO DO MENSALÃO

Por Celso Lungaretti, em seu blog

domingo, 21 de outubro de 2012

Os melhores filmes de tribunal que vi na vida foram Sacco e Vanzetti (d. Giuliano Montaldo, 1971), O veredicto (d. Sidney Lumet, 1982), Doze homens e uma sentença (d. Sidney Lumet, 1957), Julgamento em Nuremberg(d. Stanley Kramer, 1961), O sol é para todos (d. Robert Mulligan, 1962) e O vento será sua herança(d. Stanley Kramer, 1960).

Um degrau abaixo estão Testemunha de Acusação (d. Billy Wilder, 1957) e Anatomia de um crime (d. Otto Preminger, 1959).

O amargomas um tanto forçado,Justiça para Todos (d. Noman Jewison, 1979) se coloca num patamar ainda inferior, o que não o impede de ser o mais apropriado para explicar o que vimos na maratona do  mensalão.

No final de um julgamento igualmente grotesto, o advogado Kirkland (Al Pacino) chuta o pau da barraca, explicando aos jurados que os partícipes daquela encenação pomposa queriam mesmo era vencer, não fazer justiça.

Isto ficou mais do que evidenciado no mafuá da ação penal 470, com o relator Joaquim Barbosa usando e abusando de retórica intimidatória para obter as condenações e o revisor Ricardo Lewandowski reagindo às derrotas pessoais com incoerências típicas de um pavão pirracento, como suas mudanças de votos para fabricar empates.

O pouco de respeito que ainda tinha pelo Supremo Tribunal Federal, eu o perdi nos julgamentos do Caso Battisti, ao constatar a tendenciosidade extrema com que Cezar Peluso e Gilmar Mendes atuaram, alinhados escancaradamente com a posição italiana.

Como a extradição era impossível segundo as leis brasileiras, os dois não hesitaram em, alternando-se nas posições de presidente do STF e relator do processo, promoverem um verdadeiro  arrastão  jurídico. Chegaram, p. ex., a estuprar a instituição do refúgio, sem que os demais ministros reagissem à altura.

Com isto, ambos alongaram artificialmente uma pendenga que jamais deveria ter prosseguido após a decisão do ministro da Justiça Tarso Genro em janeiro de 2009; e, menos ainda, depois da palavra final do presidente Lula em dezembro de 2010, tendo a mais alta corte do país, nos meses seguintes, se acumpliciado com um indiscutível  SEQUESTRO!

Agora, o pastelão do mensalão veio comprovar definitivamente que o Judiciário é mais um dos nossos podres poderes, nada ficando a dever ao Executivo e  Legislativo.
Quem consegue enxergar o óbvio, percebeu de forma cristalina que cada ministro decidiu seus votos por motivos que nada tinham a ver com a Justiça  e depois foi garimpar as justificativas cabíveis, expondo-as num juridiquês abominável.

E a  veja   (que um dia foi revista, mas hoje não passa de house organ da extrema-direita) caiu no ridículo total, ao saudar o desfecho que ela tudo fez para insuflar como uma  “vitória suprema”.

Para  as pessoas equilibradas, mesmo as que acreditavam na culpabilidade dos réus, a sensação que ficou foi a de eles terem sido linchados, não julgados.

Eu iria além: tão pesaroso quanto Violeta Parra, concluo que “en mi patria no hay justicia” quando a indústria cultural manipula as consciências de forma tão avassaladora como desta vez.

Leia também

Rei Lux: Minha resposta ao @STF_Oficial, Sader: Onde estavam na Ditadura Militar?

STF e o ‘domínio da foto’ ou como se comporta uma corte sob os holofotes midiáticos

O STF por Bessinha

Janio de Freitas: Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

Paulo Moreira Leite: Condenado sem domínio nem fato

Os documentos da AP470: A denúncia do PGR e Defesa de José Dirceu

Ayres Britto diz que troca na ordem do julgamento não prejudica réus, Barbosa e Lewandowski discutem

José Dirceu: Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos

“E é porque têm ideias e projetos que foram levados a julgamentos no STF e não para um juiz de primeira instância”

Nota de José Dirceu a respeito da decisão de Joaquim Barbosa apreender passaportes dos réus da AP470

Saul Leblon: Parceria execrável do STF com a mídia afronta a justiça ao condenar suspeitos à revelia das provas

CLAUS ROXIN, o jurista alemão responsável pela teoria ‘domínio dos fatos’, critica o uso que STF fez dela

Presidente da UNE, Daniel Iliescu: ‘A UNE nem ama nem odeia Dirceu’

Paulo Moreira Leite: A dosimetria da ditadura e o mensalão

Bob Fernandes: por que o que Valério diz sobre Lula chega às manchetes e 115 páginas de documentos verídicos não são nem notícia?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

José Dirceu: NUNCA FIZ PARTE NEM CHEFIEI QUADRILHA

Raimundo Rodrigues Pereira: A VERTIGEM DO SUPREMO

Cláudio Gonçalves Couto: “Não aceito a tentativa maniqueísta de tornar o PT um câncer da política nacional”

Jogo de mensalão na rede: Barbosa atira em condenados, nem Lula escapa

Paulo Moreira leite, Sem domínio, sem fatos

No Brasil, uma Justiça que se baseia em conjecturas e condena por presunção

Folha: Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero

Joaquim Barbosa: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’

Grande mídia derrotada: “O eleitor mostrou, mais uma vez, que adora rir por último”

Dirceu tornou-se o símbolo do PT a ser destruído e sua condenação visa atingir Lula e sua gigantesca popularidade

Apesar de Veja, da velha mídia, Lula segue como o político mais influente do país e cabo eleitoral disputadíssimo

Ministro Joaquim Barbosa deixa mensalão mineiro e assume presidência do tribunal

Rui Martins: Governo Dilma financia a Direita, o Brasil padece de sadomasoquismo

A defesa de Dirceu no STF

Hildegard Angel fala dos traíras como Paes e conclama os coerentes à solidariedade com José Dirceu

Toda a esquerda brasileira vai mandar a fatura para o PT com juros e correção monetária?

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Tucanos inovam na corrupção: ‘mensalão universitário’

Tarso Genro: O “novo” (velho) conglomerado

Paulo Moreira Leite: Segundas impressões do mensalão

Entre Capas, publicidade, festas, chantagens e beijos

Paulo Moreira Leite: provas diferentes, condenações iguais

Janio de Freitas: Sem a revisão de Lewandowski erros da acusação provocariam condenações injustas

Ricardo Lewandowski: um ministro com independência de julgamento

Bob Fernandes: mensalão não é uma farsa, farsa é politizá-lo, chamá-lo de “o maior julgamento da história do Brasil”

Leandro Fortes: Delenda est Dirceu

_________________
Publicidade

Tags:   · · · · · 1 Comment

Rei Lux: Minha resposta ao @STF_Oficial, Sader: Onde estavam na Ditadura Militar?

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond


Fonte

Senhores do STF: onde estavam na ditadura?

Emir Sader, em seu Blog

12/11/2012

O STF faz o Brasil se sentir constrangido pelo seu Judiciário, pela não observância da Lei Penal e da Jurisprudência consolidada da Corte, pelo exibicionismodos juízes que o compõem.

Um país em que ainda sobrevivem tantos vestígios da ditadura – o período mais brutal da sua história – deveria ter um STF cujos membros deveriam ter tido notável atuação na luta contra a ditadura, que tivesse tido a coragem de jogar sua vida na luta pela democracia

Nada disso acontece. Os brasileiros não tem conhecimento de onde estavam esses senhores quando os melhores brasileiros jogavam o melhor que tinham contra a ditadura e pela democracia.

Esses senhores acham que, se por acaso José Dirceu e Genoino quisessem fugir, teriam necessidade de passaporte? Esses senhores que envergonham o Brasil confirma que não tem ideia do que é a luta clandestina contra a ditadura. Certamente viviam suas vidas, enquanto outros se jogavam contra o arbítrio, contra o Estado de terror que prendia,torturava, assassinava a tantos brasileiros.

Podem ficar com os passaportes, senhores juízes do STF, o que nao podem tirar é a dignidade de quem lutou contra a ditadura enquanto os senhores gozavam das suas vidas nos seus trabalhos profissionais, no recôndito das suas famílias, do seu conforto familiar, guardando a dignidade que tivessem nos cofres bancários.

Podem tomar lições dos que lutaram contra a ditadura com a Presidenta Dilma, basta rever a resposta dela para o prócer da ditadura, Agripino Maia, no Congresso. Aí poderão aprender um pouco o que é dignidade, aprender como não é com passaportes que se defende a democracia, que se luta contra os que foram coniventes com a ditadura, por ação ou por omissão.

Fiquem com os passaportes. A dignidade dos que lutaram contra a ditadura, ninguém tira nem tirará jamais.

Leia também:

STF e o ‘domínio da foto’ ou como se comporta uma corte sob os holofotes midiáticos

O STF por Bessinha

Janio de Freitas: Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

Paulo Moreira Leite: Condenado sem domínio nem fato

Os documentos da AP470: A denúncia do PGR e Defesa de José Dirceu

Ayres Britto diz que troca na ordem do julgamento não prejudica réus, Barbosa e Lewandowski discutem

José Dirceu: Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos

“E é porque têm ideias e projetos que foram levados a julgamentos no STF e não para um juiz de primeira instância”

Nota de José Dirceu a respeito da decisão de Joaquim Barbosa apreender passaportes dos réus da AP470

Saul Leblon: Parceria execrável do STF com a mídia afronta a justiça ao condenar suspeitos à revelia das provas

CLAUS ROXIN, o jurista alemão responsável pela teoria ‘domínio dos fatos’, critica o uso que STF fez dela

Presidente da UNE, Daniel Iliescu: ‘A UNE nem ama nem odeia Dirceu’

Paulo Moreira Leite: A dosimetria da ditadura e o mensalão

Bob Fernandes: por que o que Valério diz sobre Lula chega às manchetes e 115 páginas de documentos verídicos não são nem notícia?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

José Dirceu: NUNCA FIZ PARTE NEM CHEFIEI QUADRILHA

Raimundo Rodrigues Pereira: A VERTIGEM DO SUPREMO

Cláudio Gonçalves Couto: “Não aceito a tentativa maniqueísta de tornar o PT um câncer da política nacional”

Jogo de mensalão na rede: Barbosa atira em condenados, nem Lula escapa

Paulo Moreira leite, Sem domínio, sem fatos

No Brasil, uma Justiça que se baseia em conjecturas e condena por presunção

Folha: Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero

Joaquim Barbosa: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’

Grande mídia derrotada: “O eleitor mostrou, mais uma vez, que adora rir por último”

Dirceu tornou-se o símbolo do PT a ser destruído e sua condenação visa atingir Lula e sua gigantesca popularidade

Apesar de Veja, da velha mídia, Lula segue como o político mais influente do país e cabo eleitoral disputadíssimo

Ministro Joaquim Barbosa deixa mensalão mineiro e assume presidência do tribunal

Rui Martins: Governo Dilma financia a Direita, o Brasil padece de sadomasoquismo

A defesa de Dirceu no STF

Hildegard Angel fala dos traíras como Paes e conclama os coerentes à solidariedade com José Dirceu

Toda a esquerda brasileira vai mandar a fatura para o PT com juros e correção monetária?

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Tucanos inovam na corrupção: ‘mensalão universitário’

Tarso Genro: O “novo” (velho) conglomerado

Paulo Moreira Leite: Segundas impressões do mensalão

Entre Capas, publicidade, festas, chantagens e beijos

Paulo Moreira Leite: provas diferentes, condenações iguais

Janio de Freitas: Sem a revisão de Lewandowski erros da acusação provocariam condenações injustas

Ricardo Lewandowski: um ministro com independência de julgamento

Bob Fernandes: mensalão não é uma farsa, farsa é politizá-lo, chamá-lo de “o maior julgamento da história do Brasil”

Leandro Fortes: Delenda est Dirceu

_________________
Publicidade

Tags:   · · · · · 2 Comments

STF e o ‘domínio da foto’ ou como se comporta uma corte sob os holofotes midiáticos

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond

Fonte

Agora, fiquem com o belo texto do Nassif sobre Lewandowski.

O desagravo a Lewandowski

Por: Luis Nassif, em seu blog

11/11/2012 – 19:56

Do grande magistrado se espera a sabedoria, não a erudição desenfreada e vazia dos que cultivam citações fora do contexto. Espera-se a simplicidade, não a empáfia dos pavões. Espera-se a responsabilidade dos que sabem estar tratando com o destino de pessoas; não a insensibilidade dos indiferentes ou o orgasmo dos sádicos.

O grande magistrado faz-se ao longo de sua história, e não através do grande momento, da bala de prata, do discurso rebuscado e irresponsável que acomete os vaidosos quando expostos aos holofotes da mídia. Espera-se do grande magistrado a coragem verdadeira, dos que não relutam em enfrentar até os assassinatos de reputação sem abrir mão de suas convicções ; e não a coragem enganadora dos berros, dos gritos de quem quer se fazer notar pelo escândalo.

A coragem do grande magistrado se manifesta quando, exposto ao clamor da turba, não perde a calma nem o brio; e não quando cede ao jogo de cena que fabrica linchamentos e compromete a isenção.

O Ministro Ricardo Lewandowski fala alemão. Jamais alguém assistiu embates ridículos de erudição, como esse desafio vazio de Spy x Spy, Barbosa x Gilmar, para saber quem domina mais o alemão. Não pretende chocar, como Marco Aurélio de Mello, mas tem a coragem de investir contra a maioria, quando se trata de seguir sua consciência.

Com seu ar de lente, está longe da esperteza de praia de Luiz Fux, do ar melífluo de Ayres Britto, da falsa solenidade de Celso de Mello ou do ar de presidente de Diretório Acadêmico de Toffoli.

O Ministro aplicou penas severas, sim, tão severas quanto as de qualquer juiz não afetado pelas pressões externas da turba. Mas não cedeu um milímetro em suas convicções. Nem quando foi cercado pelos colegas, ao tentar demonstrar o erro de interpretação na teoria do domínio do fato. Nem quando foi alvo de campanhas inomináveis de colunistas estimuladores de linchamentos.

Se um dia esse Supremo for dignificado, será pelo Ministro simples, cordato, sensível que tentou trazer a noção de humanidade e de justiça a um grupo embrigado pelas luzes de neon da cobertura jornalística.

Clique aqui para assinar o Manifesto de Desagravo a Lewandowski, preparado pelo Blog da Cidadania.

Leia também:

O STF por Bessinha

Janio de Freitas: Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

Paulo Moreira Leite: Condenado sem domínio nem fato

Os documentos da AP470: A denúncia do PGR e Defesa de José Dirceu

Ayres Britto diz que troca na ordem do julgamento não prejudica réus, Barbosa e Lewandowski discutem

José Dirceu: Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos

“E é porque têm ideias e projetos que foram levados a julgamentos no STF e não para um juiz de primeira instância”

Nota de José Dirceu a respeito da decisão de Joaquim Barbosa apreender passaportes dos réus da AP470

Saul Leblon: Parceria execrável do STF com a mídia afronta a justiça ao condenar suspeitos à revelia das provas

CLAUS ROXIN, o jurista alemão responsável pela teoria ‘domínio dos fatos’, critica o uso que STF fez dela

Presidente da UNE, Daniel Iliescu: ‘A UNE nem ama nem odeia Dirceu’

Paulo Moreira Leite: A dosimetria da ditadura e o mensalão

Bob Fernandes: por que o que Valério diz sobre Lula chega às manchetes e 115 páginas de documentos verídicos não são nem notícia?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

José Dirceu: NUNCA FIZ PARTE NEM CHEFIEI QUADRILHA

Raimundo Rodrigues Pereira: A VERTIGEM DO SUPREMO

Cláudio Gonçalves Couto: “Não aceito a tentativa maniqueísta de tornar o PT um câncer da política nacional”

Jogo de mensalão na rede: Barbosa atira em condenados, nem Lula escapa

Paulo Moreira leite, Sem domínio, sem fatos

No Brasil, uma Justiça que se baseia em conjecturas e condena por presunção

Folha: Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero

Joaquim Barbosa: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’

Grande mídia derrotada: “O eleitor mostrou, mais uma vez, que adora rir por último”

Dirceu tornou-se o símbolo do PT a ser destruído e sua condenação visa atingir Lula e sua gigantesca popularidade

Apesar de Veja, da velha mídia, Lula segue como o político mais influente do país e cabo eleitoral disputadíssimo

Ministro Joaquim Barbosa deixa mensalão mineiro e assume presidência do tribunal

Rui Martins: Governo Dilma financia a Direita, o Brasil padece de sadomasoquismo

A defesa de Dirceu no STF

Hildegard Angel fala dos traíras como Paes e conclama os coerentes à solidariedade com José Dirceu

Toda a esquerda brasileira vai mandar a fatura para o PT com juros e correção monetária?

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Tucanos inovam na corrupção: ‘mensalão universitário’

Tarso Genro: O “novo” (velho) conglomerado

Paulo Moreira Leite: Segundas impressões do mensalão

Entre Capas, publicidade, festas, chantagens e beijos

Paulo Moreira Leite: provas diferentes, condenações iguais

Janio de Freitas: Sem a revisão de Lewandowski erros da acusação provocariam condenações injustas

Ricardo Lewandowski: um ministro com independência de julgamento

Bob Fernandes: mensalão não é uma farsa, farsa é politizá-lo, chamá-lo de “o maior julgamento da história do Brasil”

Leandro Fortes: Delenda est Dirceu
________________
Publicidade

Tags:   · · · · 2 Comments