Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Lula manda um recado aos ‘blogueiros sujos’

outubro 2nd, 2012 by mariafro
Respond

Ao final do comício do Haddad na Cohab2, (Itaquera) consegui fazer um pequeno vídeo com o ex-presidente Lula. Pedi pra ele falar sobre os blogs sujos, eis:

<


_____________
Publicidade

Tags:   · · · · · · 2 Comments

Enquanto Folha busca imunizar suas pesquisas de intenção de voto os portugueses pedem um Lula

outubro 1st, 2012 by mariafro
Respond

Ler a Folha de São Paulo/UOL hoje fará com que qualquer petista deseje que Dilma queime as pestanas e se arrependa amargamente por ter prestigiado o Jornal em sua festa de 90 anos em 2011. Não tem uma matéria relacionada à política nacional que não cheire mal.
Veja,  por exemplo, o título e a foto escolhida por Josias de Souza:

Agora vejam o tom da ‘matéria de Fernando Rodrigues selecionada abaixo:

 Mensalão tirou 10% dos votos dos paulistanos que iriam para Haddad

Por: FERNANDO RODRIGUES, DE BRASÍLIA, Folha

01/10/2012

Como o Datafolha descobriu que 81% dos paulistanos não mudaram seus votos para prefeito de São Paulo por causa do mensalão, muitos petistas se sentiram aliviados. Mas a notícia não foi tão boa assim para o PT quando são analisados os 19% que se incomodaram com o caso agora sendo julgado no Supremo Tribunal Federal.

Segundo a pesquisa, 10% dos eleitores paulistanos deixaram de votar em Haddad por causa do mensalão.

Outros 4% abandonaram José Serra (PSDB) pelo mesmo motivo e 2% desertaram Celso Russomanno (PRB).

Gabriel Chalita (PMDB) e Paulinho da Força (PDT) perderam 1% cada um. E 1% não souberam responder.

Há uma hipótese clássica para não petistas perderem votos na esteira do mensalão: quando ocorre um escândalo em Brasília, políticos famosos também registram danos em suas imagens “”uma decorrência do estereótipo reducionista segundo o qual “eles são todos iguais”.

Já no caso de Fernando Haddad, há uma ligação direta. Ele é do PT. Se o mensalão não existisse, o candidato petista teria potencialmente mais dez pontos percentuais de intenção de voto. Iria de 18% a 28%, patamar tradicional do partido na cidade.

Nesta semana, devem começar a ser julgados políticos importantes do PT, como José Dirceu e José Genoino. Os telejornais vão noticiar todos os dias, até a eleição.

Se algum candidato vier a perder voto de maneira mais robusta em decorrência deste escândalo, o Datafolha indica que esse político será Fernando Haddad.  (grifos nossos)

É mesmo muito curioso para mim ver a inanição do governo Dilma diante de uma mídia tão partidarizada ( a SECOM federal continua a alimentar esta mídia que tem candidato, tem partido político e projeto político e não é o do governo Dilma).

Enquanto isso manifestações em Portugal, Espanha, Grécia com cerca de 40% de sua população ativa desempregada, um cartaz no meio da multidão na cidade do Porto:

Fonte da imagem: Professor Helio de Mattos
Mais sobre as manifestações em cerca de 24 cidades de Portugal, aqui
________________
Publicidade

Tags: 5 Comments

Marilena Chauí: Haddad tem uma proposta pra cidade inclusiva, solidária e justa

setembro 30th, 2012 by mariafro
Respond

Que belo depoimento, Marilena Chauí deu sobre Haddad, seu ex- aluno:

“Haddad tem uma proposta pra cidade inclusiva, solidária e justa. É isso o novo, o novo, não é o rosto, são as ideias e propostas.”

Assino embaixo, Haddad é a melhor coisa que nos apareceu desde Erundina e acho que fará um governo ainda mais impactante, porque São Paulo precisa de alguém que tenha coragem e sensibilidade para reorganizar tantos anos de descaso e esse alguém, com seu excelente plano de governo é Fernando Haddad.

“Eu voto no Haddad porque eu o conheço sob quatro aspectos, todos marcados pela excelência”, diz a professora de Filosofia da USP Marilena Chaui. “Conheci Fernando Haddad como meu aluno e ele foi um dos mais brilhantes que eu já tive.”

Depois, Marilena acompanhou a atuação de Haddad no governo de Marta Suplicy. “A ideia dos CEUs é dele.” Quando o candidato tornou-se ministro, Marilena diz que nunca houve outro como Haddad.

Por fim, Marilena fala de Fernando Haddad como amigo. “Leal, sincero, de coração puro e uma cabeça nova. Haddad tem uma proposta civilizatória, inclusiva, solidária e justa. Isto é o novo.”

____________
Publicidade

Tags:   · · No Comments.

Marilena Chaui: Russomanno e Serra representam o populismo e a barbárie

setembro 30th, 2012 by mariafro
Respond

Em debate sobre conservadorismo em São Paulo, filósofa também diz que a maneira como o STF julga o ‘mensalão’ coloca em questão a República

Por: Eduardo Maretti, da Rede Brasil Atual
29/09/2012

Marilena Chaui: Russomanno e Serra representam o populismo e a barbárie

Para Marilena Chaui, é preciso derrotar as forças que impedem o avanço da cidadania (Foto: Ivone Perez)

São Paulo – Os candidatos Celso Russomanno (PRB) e José Serra (PSDB) representam duas vertentes da direita paulista igualmente prejudiciais à democracia, à inclusão e à cidadania, segundo definiu a filósofa Marilena Chaui em debate realizado ontem (28) à noite para discutir “A Política Conservadora na Cidade de São Paulo”. O debate ocorreu no comitê da educadora Selma Rocha, candidata a vereadora pelo PT. Russomanno e Serra são os principais adversários do petista Fernando Haddad na disputa pela prefeitura.

Segundo Chaui, Russomanno simboliza “a forma mais deletéria do populismo, porque é o populismo de extrema direita” de uma cidade “conservadora, excludente e violenta”, enquanto Serra encarnaria “um dos elementos de selvageria e barbárie do estado e da cidade de São Paulo”.

Ela define o candidato do PRB como herdeiro do populismo tradicional de São Paulo, na linhagem de Ademar de Barros e Jânio Quadros. O primeiro foi governador de 1947 a 1951 e de 1963 a 1966. O segundo, governador de 1955 a 1959 e prefeito da capital duas vezes (1953 a 1955 e 1986 a 1989), além de presidente da República por sete meses (de janeiro a agosto de 1961).

Por outro lado, diz Chaui, o candidato tucano representa o que ela chama de projeto hegemônico de PMDB e PSDB, há 30 anos dominando o estado.

“Começou com Montoro, depois Quércia, Fleury, o Covas e o Alckmin. É muito tempo. É curioso que se trata de um partido que chama o PT de totalitário. Eles estão há 30 anos no poder. Se isso é totalitarismo, totalitários são eles”, diz a professora de Filosofia Política e História da Filosofia Moderna da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.

Para ela, quem se compromete com a cidadania deve entender a gravidade do momento político: “Não podemos admitir nem a conservação no poder dos responsáveis pela barbárie, nem a retomada do processo característico também desta cidade protofascista, que é ter à sua frente figuras do populismo de extrema-direita. É nossa tarefa política, enquanto cidadãos, fazer com que cada um, ao nosso lado, compreenda isso”.

Marilena Chaui considera “uma tarefa libertária” a superação do entrave à cidadania representado pelas duas forças políticas que dominam uma “cidade na qual a violência, seja real, seja imaginada, é a forma da relação social e das relações entre as pessoas – para que a cidade se reconheça numa possibilidade nova”.

Candidatos “novos”

Na sua fala, ela disse ser preciso desfazer a confusão provocada pela ideia de que Russomanno e Fernando Haddad (PT) são os dois candidatos novos na eleição paulistana.

“Tenho insistido em mostrar que, em primeiro lugar, não se pode confundir um rosto que não está identificado ao universo da política com o novo. Mas em segundo lugar, é preciso localizar Russomanno nessa vertente antiga enraizada na cidade de São Paulo, que é a posição política conservadora, autoritária, do populismo de extrema direita”.

Para Marilena, o ex-governador Paulo Maluf, cujo partido (PP) está aliado ao PT não eleições paulistanas, não se enquadra na tradição política representada por Russomanno, mas na do “grande administrador”, que ela identifica com Prestes Maia (prefeito de São Paulo de maio de 1938 a novembro de 1945) e Faria Lima (prefeito de 1965 a 1969). “Afinal, Maluf sempre se apresentou como um engenheiro.”

Para a filósofa, as forças políticas conservadoras transformaram São Paulo em uma cidade que “opera um processo contínuo de expulsão da classe trabalhadora, das classes populares, de qualquer centro no qual o poder público tenha feito intervenção de melhorias urbanas. Se tiver asfalto, luz, água, esgoto, semáforo, você pode contar que a exclusão já está a caminho. E no lugar dela [classe popular] você tem os espigões, essa verticalização absolutamente desgovernada. Nós estamos aqui para propor a ruptura com essas tradições, com essas políticas conservadoras, com o que está sedimentado e nos sufoca, dia a dia”.

Sobre a realidade eleitoral caracterizada hoje pela fuga dos votos tradicionais do PT, das zonas leste e sul da capital, para Celso Russomanno, Marilena Chaui disse à RBA que acha “possível virar isso”. Para ela, é preciso “mostrar à periferia o Bolsa Família, o Minha Casa Minha Vida e todas as políticas sociais que não foram implantadas e que deixam a periferia ao deus-dará”. Em outras palavras, politizar a campanha de Fernando Haddad, o que “acontecerá no segundo turno”, acredita.

Julgamento do mensalão “coloca em questão a República”

No debate, Marilena Chaui falou também sobre o “mensalão”. “Não há dúvida de que ao lado de todas essas questões estruturais, históricas, há um dado de conjuntura que opera na rejeição popular (ao PT). Não na classe média, mas no nível popular, foi a grande operação em torno do ‘mensalão’ que produziu esse resultado [rejeição popular]”, acredita.

Ela criticou o imprensa na cobertura do caso. “Se a gente pega a mídia brasileira, em particular a mídia paulista, houve dois grandes crimes contra a humanidade: Auschwitz e o ‘mensalão’”, afirmou, em referência ao campo de concentração localizado no sul da Polônia que foi um dos maiores símbolos do nazismo. Para ela, o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) na atual conjuntura foi “uma armação para coincidir com as eleições”.

De acordo com ela, se a República é constituída de três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, a atuação do STF ultrapassou o limite: “o fato de que o poder Judiciário faça isso coloca em questão o que é a República. Alguém tem que erguer a voz e dizer que o Judiciário está fazendo com que a gente ponha em questão se este país é ou não uma República”.

____________
Publicidade

Tags:   · · · · · · No Comments.