Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Incêndio da favela Moinho: “A culpa é do Kassab”

setembro 18th, 2012 by mariafro
Respond

Prefeitura poderia ter evitado incêndio na favela do Moinho, relatam os moradores

José Francisco Neto, de São Paulo, Brasil de Fato

17/09/2012 

Desde o último incêndio, no dia 22 de dezembro de 2011, havia uma proposta da prefeitura em transferir as famílias para um conjunto habitacional na Vila dos Remédios (SP). Entretanto, “a prefeitura sequer limpou o terreno para dar início à construção das moradias”

Incêndio ocorrido na manhã de hoje (17) na Favela do Moinho, região central de São Paulo. Fotos: Marcelo Camargo / ABr

O fogo que atingiu a favela do Moinho na região de Campos Elíseos, no centro de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (17) poderia ter sido evitado, segundo os moradores. Desde o último incêndio, no dia 22 de dezembro de 2011, havia uma proposta da Prefeitura de São Paulo em transferir as famílias que foram atingidas para um conjunto habitacional na Vila dos Remédios, na zona oeste. Entretanto, “a prefeitura sequer limpou o terreno para dar início à construção das moradias”, relatam.

O incêndio foi devastador. Idosos estavam sendo levados em cadeiras de rodas, crianças descalças pisavam em meio à lama e ao entulho dos barracos destruídos pelas chamas e muitas pessoas carregavam o restante dos móveis que ainda restaram.

Mais de 80 barracos foram destruídos, mais de 300 pessoas ficaram desabrigadas, cachorros morreram acorrentados no fogo e uma pessoa foi carbonizada no barraco. É a quarta vez que ocorre um incêndio na ocupação, sendo o segundo em menos de um ano.

As pessoas da comunidade relatam que quem causou o incêndio foi um morador, que chegou em casa sob efeito de entorpecentes, discutiu com a mulher e colocou fogo no barraco. Outros dizem que foi criminoso, pois a área em que se localiza a favela tem sido disputada pela prefeitura e pela iniciativa privada.

“Podem ser inúmeras causas, inclusive criminosa. Ninguém é bobo, aqui é centro de São Paulo”, comenta Fábio Jorge, 30, morador da favela há quatro anos. O seu barraco não foi atingido, pois o fogo destruiu os que estavam embaixo do viaduto Engenheiro Orlando Murgel, na Avenida Rio Branco, porém, ele ajudou a apagar as chamas que destruíam rapidamente os barracos de madeira.

Segundo a Defesa Civil, as famílias afetadas pelo incêndio estavam sendo cadastradas pela prefeitura em programas habitação no final da manhã desta segunda. Muitas delas já estavam cadastradas por causa do incêndio que atingiu a favela no ano passado. Ainda de acordo com a Defesa Civil, a maioria dos moradores preferiu ir para casas de parentes e amigos em vez de abrigos municipais.

Porém, Fábio afirma que a prefeitura nunca se posicionou de maneira concreta com as famílias que residem no Moinho, pois desde o último incêndio, nada foi feito. “Se eles (prefeitura) quiserem, podem resolver. Tem dinheiro para isso. A gente vive aqui onde você está vendo. Aqui tem gente trabalhadora. Agora aparece muita gente que diz que vai fazer, que vai ajudar, vai dar o melhor. Amanhã você pode vir aqui que não vai ter mais ninguém”, aponta.

Saem dez e trazem quinze

<
Criança tenta salvar seus últimos pertences. Incêndio destruiu favela em poucos minutos.

Ivo Itamar do Nascimento, morador do Moinho há 15 anos, ressalta que a Assistência Social da prefeitura cadastra as famílias, paga o “bolsa-aluguel” no valor de R$ 400,00, mas traz outras pessoas para morar na favela. Segundo Nascimento, esse incêndio dava para ser evitado se tivessem providenciado moradia para as famílias, que há 20 anos ocupam o terreno do Moinho.

“Em vez de a prefeitura tirar as pessoas daqui concedendo a elas moradia e depois demolir os barracos, ela está fazendo outro procedimento. Está tirando as pessoas e trazendo outras para colocar no mesmo lugar. Dava pra ter evitado, mas a assistência social tira dez e traz quinze para morar aqui”, argumenta Nascimento.

Só sobrou o RG

Aureliano José da Conceição trabalha doze horas por dia, de domingo a domingo, na empresa de tecelagem no Bom Retiro, centro de São Paulo, próximo a comunidade do Moinho.

Quando estava chegando no trabalho foi avisado pelo incêndio. “Eu tava saindo pra trabalhar quando o rapaz do serviço me avisou que a favela tava pegando fogo. Não deu tempo de salvar nada, só meu Documento (RG).”

A culpa é do Kassab

Raimundo Soares Dantas trabalha de manobrista durante a noite e está na favela há sete anos. Quando chegou em casa, por volta das 7h30, já não tinha o que fazer. “Perdi geladeira nova, perdi televisão e meus quatro cachorros, que estavam acorrentados, morreram carbonizados. O culpado disso é a prefeitura, é o Kassab. Agora só resta ter fé em Deus e tocar a vida adiante”, diz emocionado.

Veja as fotos de Marcelo Camargo da Agência Brasil

Leia também

INCÊNDIO EM FAVELAS? ANTES NÃO TINHA, AGORA TEM!

Serra desativou projeto implantado por Marta Suplicy de prevenção e controle a incêndios em favelas de SP

Luan Luando: A favela não precisa de polícia, precisa de saúde, educação, qualidade de vida

_______________
Publicidade

Tags:   · · · 4 Comments

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

setembro 18th, 2012 by mariafro
Respond

E por que raios o PT não reage?

Para além do “mensalão”

Por: Leonardo Boff no Brasil de Fato

18/09/2012

Há um provérbio popular alemão que reza: “você bate no saco, mas pensa no animal que carrega o saco”. Ele se aplica ao PT com referência ao processo do “mensalão”. Você bate nos acusados, mas tem a intenção de bater no PT. A relevância espalhafatosa que o grosso da mídia está dando à questão mostra que o grande interesse não se concentra na condenação dos acusados, mas através de sua condenação, atingir de morte o PT.

De saída quero dizer que nunca fui filiado ao PT. Interesso-me pela causa que ele representa pois a Igreja da Libertação colaborou na sua formulação e na sua realização nos meios populares. Reconheço com dor que quadros importantes da direção do partido se deixaram morder pela mosca azul do poder e cometeram irregularidades inaceitáveis. Muitos sentimo-nos decepcionados, pois depositávamos neles a esperança de que seria possível resistir às seduções inerentes ao poder. Tinham a chance de mostrar um exercício ético do poder na medida em que este poder reforçaria o poder do povo que assim se faria participativo e democrático. Lamentavelmente houve a queda. Mas ela nunca é fatal. Quem cai, sempre pode se levantar. Com a queda não caiu a causa que o PT representa: daqueles que vem da grande tribulação histórica sempre mantidos no abandono e na marginalidade. Por políticas sociais consistentes, milhões foram integrados e se fizeram sujeitos ativos. Eles estão inaugurando um novo tempo que obrigará todas as forças sociais a se reformularem e também a mudarem seus hábitos políticos.

Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT? Há muitas razões. Ressalto apenas duas decisivas.

A primeira tem a ver com uma questão de classe social. Sabidamente temos elites econômicas e intelectuais das mais atrasadas do mundo, como soía repetir Darcy Ribeiro. Estão mais interessadas em defender privilégios do que garantir direitos para todos. Elas nunca se reconciliaram com o povo. Como escreveu o historiador José Honório Rodrigues (Conciliação e Reforma no Brasil 1965,14), elas “negaram seus direitos, arrasaram sua vida e logo que o viram crescer, lhe negaram, pouco a pouco, a sua aprovação, conspiraram para colocá-lo de novo na periferia, no lugar que continuam achando que lhe pertence”. Ora, o PT e Lula vem desta periferia. Chegaram democraticamente ao centro do poder. Essas elites tolerariam Lula no Planalto, apenas como serviçal, mas jamais como presidente. Não conseguem digerir este dado inapagável. Lula presidente representa uma virada de magnitude histórica. Essas elites perderam. E nada aprenderam. Seu tempo passou. Continuam conspirando, especialmente, através de uma mídia e de seus analistas, amargurados por sucessivas derrotas como se nota nestes dias, a propósito de uma entrevista montada de Veja contra Lula. Estes grupos se propõem apear o PT do poder e liquidar com seus líderes.

A segunda razão está em seu arraigado conservadorismo. Não quererem mudar, nem se ajustar ao novo tempo. Internalizaram a dialética do senhor e do servo. Saudosistas, preferem se alinhar de forma agregada e subalterna, como servos, ao senhor que hegemoniza a atual fase planetária: os USA e seus aliados, hoje todos em crise de degeneração. Difamaram a coragem de um presidente que mostrou a autoestima e a autonomia do país, decisivo para o futuro ecológico e econômico do mundo, orgulhoso de seu ensaio civilizatório racialmente ecumênico e pacífico. Querem um Brasil menor do que eles para continuarem a ter vantagens.

Por fim, temos esperança. Segundo Ignace Sachs, o Brasil, na esteira das políticas republicanas inauguradas pelo PT e que devem ser ainda aprofundadas, pode ser a Terra da Boa Esperança, quer dizer, uma pequena antecipação do que poderá ser a Terra revitalizada, baixada da cruz e ressuscitada. Muitos jovens empresários, com outra cabeça, não se deixam mais iludir pela macroeconomia neoliberal globalizada. Procuram seguir o novo caminho aberto pelo PT e pelos aliados de causa. Querem produzir autonomamente para o mercado interno, abastecendo os milhões de brasileiros que buscam um consumo necessário, suficiente e responsável e assim poderem viver um desafogo com dignidade e decência. Essa utopia mínima é factível. O PT se esforça por realizá-la. Essa causa não pode ser perdida em razão da férrea resistência de opositores superados porque é sagrada demais pelo tanto de suor e de sangue que custou.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo, escritor e dr.h.causa em política pela Universidade de Turim por solicitação de Norberto Bobbio.

Leia também:

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

Emir Sader: Por que a direita e seu partido midiático têm tanto medo de Lula?

Veja: o ‘jornalismo’ ficcional mau caráter para leitores boimate

Velha mídia venal nunca se conciliará com o esquerdismo, mesmo o envergonhado do PT

Repórteres de Época que fazem jornalismo bem feito recebem reprimenda do PSDB

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Folha: São Paulo, sob Serra, gastou em publicidade 6 vezes mais que o investimento da Secretaria da Cultura

Governo Dilma alimenta seus algozes, nem Freud explica

Clique aqui e veja como o governo do GDF faz o mesmo que o governo Dilma

Clique aqui e veja como Requião governou sem fazer publicidade oficial em mídia venal

Clique aqui e veja a prática tucana com a mídia

_________________
Publicidade

Tags:   · · · · · · · 14 Comments

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

setembro 18th, 2012 by mariafro
Respond

Para além de suas manifestações claramente ideológicas durante a leitura do seu voto, o relator da AP470 – Joaquim Barbosa –  precisa explicar algo que ao menos para mim ficou bem confuso:

Se  não há diferenças entre os partidos, se o PT é igual a todos os demais partidos, por que de acordo com Joaquim Barbosa  o PT teve de comprar votações? Ora, se PT é igual a PP não haveria necessidade de compra de apoio político.

Espanta-me a desenvoltura como Juízes do Supremo fazem comentários partidarizados durante o julgamento do agora juramentado por Barbosa ‘mensalão’. Espanta-me ainda mais como a partir deste julgamento inaugura-se a era da dispensa de provas para se condenar alguém, não precisa sequer que entrevistas sejam realizadas para que Procurador da República pense em acatar pedido de partido que não consegue vencer nas urnas e quer chegar ao poder pelo tapetão.

Está aberta a temporada de se provar que no Brasil as instituições são realmente sérias ou somos um Paraguai; assim como se há de fato esquerda no Brasil ou Joaquim Barbosa está certo em suas ironias inadequadas na casa que habita.

No STF, críticas e ironias dirigidas ao PT. Pode?

Por: Paulo Moreira Leite, em sua Coluna de Época

17/09/2012

Joaquim Barbosa tinha um sorriso de ironia nos lábios quando fez um comentário à parte no julgamento do mensalão, hoje. Referindo-se às alianças do governo Lula para conseguir votos no Congresso, lembrou a observação de um parlamentar do Partido Popular, o PP, segundo o qual suas diferenças entre a legenda e o PT eram grande demais para haver uma aproximação. A ideia é que não poderia haver um acordo com bases políticas – o que parecia sob encomenda para explicar o suposto esquema de compra de votos.

Joaquim não resistiu ao argumento do deputado e sacou a conhecida tese de que os partidos políticos “no Brasil” são iguais, não se registrando diferenças ideológicas relevantes eles. Outro ministro, Marco Aurélio Melo fez uma observação semelhante.

Lembrou, também numa referência ao PT, que no passado muitos brasileiros chegaram a acreditar que havia um partido com diferenças ideológicas. Já que nunca fizeram observações semelhantes em julgamentos que envolviam tucanos, pefelistas e outros, restou a conclusão de que, ao menos para estes dois ministros, o PT pode ser considerado um partido até pior do que os outros. Pelo menos, decepcionou quem imaginava que era um partido diferente e depois do mensalão convenceu-se de que havia se enganado.

A doutrina de que os políticos “só pensam em roubar” é antiga e já alimentou diversas experiências contra a democracia mas as pesquisas indicam que não é assim que pensa a maioria dos brasileiros. Mesmo no auge das denuncias do mensalão, no segundo semestre de 2005, o PT seguia segundo o partido mais popular entre os eleitores. E não era popular como um ídolo de programa de auditório.

Era aquele que mais se preocupava com os mais pobres e injustiçados. De lá para cá, quando você pergunta ao eleitor, desde então, qual seu partido predileto, 25% dizem que é o PT. O segundo colocado fica em 5%. Isso não quer dizer que o PT é um partido melhor ou pior. Mas demonstra que tem uma identidade política própria e, pelos números, única.

Muitos brasileiros não concordam com isso. Outros estão de pleno acordo. Outro tanto fica no meio. Democracia é assim. Garante a todo mundo e a cada um o direito de pensar diferente.

Não é isso o que importa, agora. Eu acho sintomático que o relator do mensalão tenha aproveitado uma conversa paralela para deixar escapar, em tom irônico, uma observação tão negativa sobre o partido que está no centro do julgamento. E acho mais curioso que outro juiz, imediatamente, tenha se manifestado de acordo. Os dois muito a vontade, falando de microfones abertos.

Isso diz respeito a isenção que se espera de um tribunal? Não sei.

Justiça cega? Também não sei. O antecedente do mensalão do PSDB, com direito a desmembramento e um longo passeio pelos tribunais inferiores, não é um bom sinal.

Há tantos sábios por aí que garanto aos mais eruditos o direito de falar primeiro. Mas confesso que nunca tive a oportunidade de ouvir ministro do STF fazer referências tão explícitas a uma das partes envolvidas. Muito menos a outros partidos.

Discordo de visões conspiratórias sobre o julgamento. Os juízes estão lá, no exercício de sua soberania.

Mas eu acho que essa manifestação do relator e de Marco Aurélio expressam um ponto de vista político sobre o governo Lula.

É a visão do governo como um universo sem ideologias, sem interesses políticos reais, sem base social a dar respostas, onde tudo é um grande arranjo, às costas do povo e dos verdadeiros interesses do país. E eu acho que essa visão ajuda a entender a linha política que está presidindo o julgamento até aqui.

Essa visão do “eles só querem roubar” é coerente com um esforço para criminalizar a política de alianças do governo Lula. Ignora as condições reais em que são feitas as campanhas eleitorais no país, que misturam dinheiro de caixa 2, dinheiro limpo e também dinheiro corrupto. Sem mudanças nessas regras, nada vai acontecer. E, sem querer ser chato, até agora não se demonstrou que o DNA financeiro do PT tenha uma formação diferente daquele de seus adversários.

Na melhor das hipóteses, a democracia brasileira será amputada ao sabor das decisões da Justiça, que ora pode andar de um jeito, ora de outro. O mensalão tucano sequer chegou aos tribunais e, além do mestre Jânio de Freitas e deste modesto aprendiz de jornalismo, ninguém mais diz que isso é um disparate. Sem falar, claro, de Wanderley Guilherme dos Santos, que publicou uma aula sobre o tema no site O Cafezinho.

A linguagem da acusação tem-se mostrado preocupante. Seria irônico se não tivesse um aspecto trágico. No esforço para provar compra de votos, a acusação selecionou alguns projetos do início do governo Lula, como a reforma da Previdência, a reforma tributária. Em seu tempo, estes projetos chegaram a ser elogiadas, como demonstração de que o PT rompera com dogmas considerados pré-históricos. Custaram uma divisão e até mesmo um racha na bancada do PT. Mas receberam elogios gerais.

O próprio Fernando Henrique Cardoso, em artigo recente onde alinhou um pacote de críticas ao governo Lula, lembrou essas duas reformas como aspectos positivos, lamentando apenas que não tivessem ido adiante.

Na visão da acusação, contudo, essas reformas foram o símbolo da compra de votos. São descritas como de interesse “dos corruptores.” Quer dizer: não havia interesse nacional, sequer um esforço de aproximação com a oposição. Não era política, essa atividade que pressupõe acordos, aproximações, afastamentos e ruptura. Era o “esquema.”

Na mesma linha, quando o governo consegue o voto de um partido que fora adversário para votar numa proposta que é mais oposicionista do que petista, a acusação define isso como “ato de ofício,” expressão equivalente a “recibo”de corrupção. Quando Delúbio Soares dá um depoimento, ele “confessa.” Nessa lógica, não são petistas que são acusados de votar em seu partido, o que não faz sentido. É o PP que cobra para votar no que defendeu.

Ao explicar por que votara na reforma da Previdência, Roberto Jefferson lembrou, na Polícia Federal, que o caráter trabalhista de seu partido não impedia que fosse favorável a medidas como a reforma da previdência, que já apoiava quando estava na base do govedrno FHC.

Por trás de todos esses atos “criminosos” abriga-se aquilo que é visto como um plano maquiavélico, “perpetuar-se no poder”, que faz parte da cartilha de qualquer partido político que, por mais democrático que seja, nunca imagina que a oposição fará um governo melhor do que seu. (Salvo casos patológicos, de psicanalistas e crises existenciais, mas não vou falar disso agora).

Instrumento de determinada visão política, essa linguagem ajuda a montar um quadro sob medida para se chegar ao resultado que parece cada vez mais provável: a condenação, a penas pesadas, da maioria dos acusados, salvo alguns mequetrefes.

E aí vamos combinar: tudo vai estar perfeito se os condenados forem apanhados com provas verdadeiras e consistentes. Neste caso, as condenações serão justíssimas. Mas será diferente, no entanto, se uma visão política, que pressupõe a culpa, acabar prevalecendo. Não é isso o que está por trás da noção de “eles só querem roubar”? Do partido “sem ideologias?”

Leia também:

Emir Sader: Por que a direita e seu partido midiático têm tanto medo de Lula?

Veja: o ‘jornalismo’ ficcional mau caráter para leitores boimate

Velha mídia venal nunca se conciliará com o esquerdismo, mesmo o envergonhado do PT

Repórteres de Época que fazem jornalismo bem feito recebem reprimenda do PSDB

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Folha: São Paulo, sob Serra, gastou em publicidade 6 vezes mais que o investimento da Secretaria da Cultura

Governo Dilma alimenta seus algozes, nem Freud explica

Clique aqui e veja como o governo do GDF faz o mesmo que o governo Dilma

Clique aqui e veja como Requião governou sem fazer publicidade oficial em mídia venal

Clique aqui e veja a prática tucana com a mídia
__________________
Publicidade

Tags:   · · · · · · 20 Comments

Emir Sader: Por que a direita e seu partido midiático têm tanto medo de Lula?

setembro 18th, 2012 by mariafro
Respond

Sader faz uma síntese da Era Lula e aponta o medo que a direita brasileira tem de que Lula continue um líder político capaz de melhor vocalizar os grandes temas nacionais e tornando claro para todos que a direita é o principal obstáculo para a democratização do Brasil. Vale leitura.

Por que eles têm medo do Lula?

Emir Sader, em seu blog na Carta Maior

17/09/2012

Lula virou o diabo para a direita brasileira, comandada por seu partido – a mídia privada. Pelo que ele representa e por tê-los derrotado três vezes sucessivas nas eleições presidenciais, por se manter como o maior líder popular do Brasil, apesar dos ataques e manipulações de todo tipo que os donos da mídia – que não foram eleitos por ninguém para querer falar em nome do país – não param de maquinar contra ele.

Primeiro, ele causou medo quando surgiu como líder operário, que trazia para a luta política aos trabalhadores, reprimidos e super-explorados pela ditadura durante mais de uma década e o pânico que isso causava em um empresariado já acostumado ao arrocho salarial e à intervenção nos sindicatos.

Medo de que essa política que alimentava os superlucros das grandes empresas privadas nacionais e estrangeiras – o santo do chamado “milagre econômico” -, terminasse e, com ela, a possibilidade de seguirem lucrando tanto às custas da super-exploração dos trabalhadores.

Medo também de que isso tirasse as bases de sustentação da ditadura – além das outras bases, as baionetas e o terror – e eles tivessem que voltar às situações de incerteza relativa dos regimes eleitorais.

Medo que foi se acalmando conforme, na transição do fim do seu regime de ditadura militar para o restabelecimento da democracia liberal, triunfavam os conservadores. Derrotada a campanha das diretas, o Colégio Eleitoral consagrou um novo pacto de elite no Brasil, em que se misturavam o velho e o novo, promiscuamente na aliança PMDB-PFL, para dar nascimento a uma democracia que não estendia a democracia às profundas estruturas econômicas, sociais e midiáticas do país.

Sempre havia o medo de que Lula catalizasse os descontentamentos que não deixaram de existir com o fim da ditadura, porque a questão social continuava a arder no país mais desigual do continente mais desigual do mundo. Mas os processos eleitorais pareciam permitir que as elites tradicionais retomassem o controle da vida política brasileira.

Aí veio o novo medo, que chegou a pânico, quando Lula chegou ao segundo turno contra o seu novo queridinho, Collor, o filhote da ditadura. E foi necessário usar todo o peso da manipulação midiática para evitar que a força popular levasse Lula à presidencia do Brasil, da ameaça de debandada geral dos empresários se Lula ganhasse, à edição forjada de debate, para tentar evitar a vitória popular.

O fracasso do Collor levou a que Roberto Marinho confessasse que eles já não elegeriam um presidente deles, teriam que buscar alguém no outro campo, para fazê-lo seu representante. Se tratava de usar de tudo para evitar que o Lula ganhasse. Foram buscar ao FHC, que se prestou a esse papel e parecia se erigir em antidoto permanente contra o Lula, a quem derrotou duas vezes.

Como, porém, não conseguem resolver os problemas do país, mas apenas adiá-los – como fizeram com o Plano Real -, o fantasma voltou, com o governo FHC também fracassando. Tentaram alternativas – Roseana Sarney, Ciro Gomes, Serra -, mas não houve jeito.

Trataram de criar o pânico sobre a possibilidade da vitória do Lula, com ataque especulativo, com a transformação do chamado “risco Brasil” para “risco Lula”, mas não houve jeito.

Alivio, quando acreditaram que a postura moderada do Lula ao assumir a presidência significaria sua rendição à politica econômica de FHC, ao “pensamento único”, ao Consenso de Washington. Por um lado, saudavam essa postura do Lula, por outro incentivavam os setores que denunciavam uma “traição” do Lula, para buscar enfraquecer sua liderança popular. No fundo acreditavam que Lula demoraria pouco no governo, capitularia e perderia liderança popular ou colocaria suas propostas em prática e o país se tornaria ingovernável.

Quando se deram conta que Lula se consolidava, tentaram o golpe em 2005, valendo-se de acusações multiplicadas pela maior operação de marketing político que o pais ja conheceu – desde a ofensiva contra o Getúlio, em 1954 -, buscando derrubar o Lula e sepultar por muito tempo a possibilidade de um governo de esquerda no Brasil. Colocavam em prática o que um ministro da ditadura tinha dito: Um dia o PT vai ganhar, vai fracassar e aí vamos poder governar o país sem pressão.”

Chegaram a cogitar um impeachment, mas tiveram medo do Lula, da sua capacidade de mobilização popular contra eles. Recuaram e adotaram a tática de sangrar o governo, cercando-o no Parlamento e através da mídia, até que, inviabilizado, fosse derrotado nas eleições de 2006.

Fracassaram uma vez mais, quando o Lula convocou as mobilizações populares contra os esquemas golpistas, ao mesmo tempo que a centralidade das políticas sociais – eixo do governo Lula, que a direita não enxergava, ou subestimava e tratava de esconder – começava a dar seus frutos. Como resultado, Lula triunfou na eleições de 2006, ao contrário do que a direita programava, impondo uma nova derrota grave às elites tradicionais.

O medo passou a ser que o Brasil mudasse muito, tirando suas bases de apoio tradicionais – a começar por seus feudos políticos no nordeste -, permitindo que o Lula elegesse sua sucessora. Se refugiaram no “favoritismo” do Serra nas pesquisas – confiando, uma vez mais, na certeza do Ibope de que o Lula não elegeria sua sucessora.

Foram de novo derrotados. Acumulam derrota atrás de derrota e identificam no Lula seu grande inimigo. Ainda mais que nos últimos anos do seu segundo mandato e na campanha eleitoral, Lula identificou e apontou claramente o papel das elites tradicionais, com afirmações como a de que ele demonstrou “que se pode governar o Brasil, sem almoçar e jantar com os donos de jornal”. Quando disse que “não haverá democracia no Brasil, enquanto os políticos tiverem medo da mídia”, entre outras afirmações.

Quando, depois de seminário que trouxe experiências de regulações democráticas da mídia em varias partes insuspeitas do mundo, elaborou uma proposta de lei de marco regulatório para a mídia, que democratize a formação da opinião pública, tirando o monopólio do restrito número de famílias e empresas que controlam o setor de forma antidemocrática.

Além de tudo, Lula representa para eles o sucesso de um presidente que se tornou o líder político mais popular da história do Brasil, não proveniente dos setores tradicionais, mas um operário proveniente do nordeste, que se tornou líder sindical de base desafiando a ditadura, que perdeu um dedo na máquina – trazendo no próprio corpo inscrita a sua origem e as condições de trabalho dos operários brasileiros.

Enquanto o queridinho da direita partidária e midiática brasileira, FHC, fracassou, Lula teve êxito em todos os campos – econômico, social, cultural, de políticas internacional -, elevando a auto-estima dos brasileiros e do povo brasileiro. Lula resgatou o papel do Estado – reduzido à sua mínima expressão com Collor e FHC – para um instrumento de indução do crescimento econômico e de garantia das políticas sociais. Derrotou a proposta norteamericana da Alca – fazer a América Latina uma imensa área de livre comércio, subordinada ao interesses dos EUA -, para priorizar os projetos de integração regional e os intercâmbios com o Sul do mundo.

Lula passou a representar o Brasil, a América Latina e o Sul do mundo, na luta contra a fome, contra a guerra, contra o monopólio de poder das nações centrais do sistema. Lula mostrou que é possível diminuir a desigualdade e a pobreza, terminar com a miséria no Brasil, ao contrário do que era dito e feito pelos governos tradicionais.

Lula saiu do governo com praticamente toda a mídia tradicional contra ele, mas com mais de 80% de apoio e apenas 3% de rejeição. Elegeu sua sucessora contra o “favoritismo” do candidato da direita.

Aí acreditaram que poderiam neutralizá-lo, elogiando a Dilma como contraponto a ele, até que se rendem que não conseguem promover conflitos entre eles. Temem o retorno do Lula como presidente, mas principalmente o temem como líder político, como quem melhor vocaliza os grandes temas nacionais, apontando para a direita como obstáculo para a democratização do Brasil.

Lula representa a esquerda realmente existente no Brasil, com liderança nacional, latino-americana e mundial. Lula representa o resgate da questão social no Brasil, promovendo o acesso a bens fundamentais da maioria da população, incorporando definitivamente os pobres e o mercado interno de consumo popular à vida do país.

Lula representa o líder que não foi cooptado pela direita, pela mídia, pelas nações imperiais. Por tudo isso, eles tem medo do Lula. Por tudo isso querem tentam desgastar sua imagem. Por isso 80% das referências ao Lula na mídia são negativas. Mas 69,8% dos brasileiros dizem que gostariam que ele volte a ser presidente do Brasil. Por isso eles tem tanto medo do Lula.

Leia também

Veja: o ‘jornalismo’ ficcional mau caráter para leitores boimate

Velha mídia venal nunca se conciliará com o esquerdismo, mesmo o envergonhado do PT

Repórteres de Época que fazem jornalismo bem feito recebem reprimenda do PSDB

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Folha: São Paulo, sob Serra, gastou em publicidade 6 vezes mais que o investimento da Secretaria da Cultura

Governo Dilma alimenta seus algozes, nem Freud explica

Clique aqui e veja como o governo do GDF faz o mesmo que o governo Dilma

Clique aqui e veja como Requião governou sem fazer publicidade oficial em mídia venal

Clique aqui e veja a prática tucana com a mídia

______________
Publicidade

Tags:   · · · · · 12 Comments