Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

STF e o ‘domínio da foto’ ou como se comporta uma corte sob os holofotes midiáticos

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond

Fonte

Agora, fiquem com o belo texto do Nassif sobre Lewandowski.

O desagravo a Lewandowski

Por: Luis Nassif, em seu blog

11/11/2012 – 19:56

Do grande magistrado se espera a sabedoria, não a erudição desenfreada e vazia dos que cultivam citações fora do contexto. Espera-se a simplicidade, não a empáfia dos pavões. Espera-se a responsabilidade dos que sabem estar tratando com o destino de pessoas; não a insensibilidade dos indiferentes ou o orgasmo dos sádicos.

O grande magistrado faz-se ao longo de sua história, e não através do grande momento, da bala de prata, do discurso rebuscado e irresponsável que acomete os vaidosos quando expostos aos holofotes da mídia. Espera-se do grande magistrado a coragem verdadeira, dos que não relutam em enfrentar até os assassinatos de reputação sem abrir mão de suas convicções ; e não a coragem enganadora dos berros, dos gritos de quem quer se fazer notar pelo escândalo.

A coragem do grande magistrado se manifesta quando, exposto ao clamor da turba, não perde a calma nem o brio; e não quando cede ao jogo de cena que fabrica linchamentos e compromete a isenção.

O Ministro Ricardo Lewandowski fala alemão. Jamais alguém assistiu embates ridículos de erudição, como esse desafio vazio de Spy x Spy, Barbosa x Gilmar, para saber quem domina mais o alemão. Não pretende chocar, como Marco Aurélio de Mello, mas tem a coragem de investir contra a maioria, quando se trata de seguir sua consciência.

Com seu ar de lente, está longe da esperteza de praia de Luiz Fux, do ar melífluo de Ayres Britto, da falsa solenidade de Celso de Mello ou do ar de presidente de Diretório Acadêmico de Toffoli.

O Ministro aplicou penas severas, sim, tão severas quanto as de qualquer juiz não afetado pelas pressões externas da turba. Mas não cedeu um milímetro em suas convicções. Nem quando foi cercado pelos colegas, ao tentar demonstrar o erro de interpretação na teoria do domínio do fato. Nem quando foi alvo de campanhas inomináveis de colunistas estimuladores de linchamentos.

Se um dia esse Supremo for dignificado, será pelo Ministro simples, cordato, sensível que tentou trazer a noção de humanidade e de justiça a um grupo embrigado pelas luzes de neon da cobertura jornalística.

Clique aqui para assinar o Manifesto de Desagravo a Lewandowski, preparado pelo Blog da Cidadania.

Leia também:

O STF por Bessinha

Janio de Freitas: Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

Paulo Moreira Leite: Condenado sem domínio nem fato

Os documentos da AP470: A denúncia do PGR e Defesa de José Dirceu

Ayres Britto diz que troca na ordem do julgamento não prejudica réus, Barbosa e Lewandowski discutem

José Dirceu: Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos

“E é porque têm ideias e projetos que foram levados a julgamentos no STF e não para um juiz de primeira instância”

Nota de José Dirceu a respeito da decisão de Joaquim Barbosa apreender passaportes dos réus da AP470

Saul Leblon: Parceria execrável do STF com a mídia afronta a justiça ao condenar suspeitos à revelia das provas

CLAUS ROXIN, o jurista alemão responsável pela teoria ‘domínio dos fatos’, critica o uso que STF fez dela

Presidente da UNE, Daniel Iliescu: ‘A UNE nem ama nem odeia Dirceu’

Paulo Moreira Leite: A dosimetria da ditadura e o mensalão

Bob Fernandes: por que o que Valério diz sobre Lula chega às manchetes e 115 páginas de documentos verídicos não são nem notícia?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

José Dirceu: NUNCA FIZ PARTE NEM CHEFIEI QUADRILHA

Raimundo Rodrigues Pereira: A VERTIGEM DO SUPREMO

Cláudio Gonçalves Couto: “Não aceito a tentativa maniqueísta de tornar o PT um câncer da política nacional”

Jogo de mensalão na rede: Barbosa atira em condenados, nem Lula escapa

Paulo Moreira leite, Sem domínio, sem fatos

No Brasil, uma Justiça que se baseia em conjecturas e condena por presunção

Folha: Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero

Joaquim Barbosa: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’

Grande mídia derrotada: “O eleitor mostrou, mais uma vez, que adora rir por último”

Dirceu tornou-se o símbolo do PT a ser destruído e sua condenação visa atingir Lula e sua gigantesca popularidade

Apesar de Veja, da velha mídia, Lula segue como o político mais influente do país e cabo eleitoral disputadíssimo

Ministro Joaquim Barbosa deixa mensalão mineiro e assume presidência do tribunal

Rui Martins: Governo Dilma financia a Direita, o Brasil padece de sadomasoquismo

A defesa de Dirceu no STF

Hildegard Angel fala dos traíras como Paes e conclama os coerentes à solidariedade com José Dirceu

Toda a esquerda brasileira vai mandar a fatura para o PT com juros e correção monetária?

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Tucanos inovam na corrupção: ‘mensalão universitário’

Tarso Genro: O “novo” (velho) conglomerado

Paulo Moreira Leite: Segundas impressões do mensalão

Entre Capas, publicidade, festas, chantagens e beijos

Paulo Moreira Leite: provas diferentes, condenações iguais

Janio de Freitas: Sem a revisão de Lewandowski erros da acusação provocariam condenações injustas

Ricardo Lewandowski: um ministro com independência de julgamento

Bob Fernandes: mensalão não é uma farsa, farsa é politizá-lo, chamá-lo de “o maior julgamento da história do Brasil”

Leandro Fortes: Delenda est Dirceu
________________
Publicidade

Tags:   · · · · 2 Comments

O STF por Bessinha

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond

Seria por isso que nossos ministros da Suprema Corte riam tanto durante estes meses de julgamento da ap 470?

E após este Julgamento tão esdrúxulo eu fico me perguntando onde está o STF que aprovou a pesquisa com células troncos, a união estável entre casais do mesmo sexo, as cotas raciais, a legalização da Raposa Serra do Sol, a constitucionalidade do Prouni?

Não é o mesmo que argumenta: “Não tenho prova cabal contra Dirceu – mas vou condená-lo porque a literatura jurídica me permite” (ministra Rosa Weber) ou “Não se torna necessário que existam crimes concretos cometidos”, ministro Gilmar Mendes ao justificar porque condenou 11 réus por formação de quadrilha!

 Leia também

Janio de Freitas: Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

Paulo Moreira Leite: Condenado sem domínio nem fato

Os documentos da AP470: A denúncia do PGR e Defesa de José Dirceu

Ayres Britto diz que troca na ordem do julgamento não prejudica réus, Barbosa e Lewandowski discutem

José Dirceu: Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos

Rir é o melhor Remédio: Professor Hariovaldo mostra que Jurista alemão aprende a lição de Tribunal Brasileiro

“E é porque têm ideias e projetos que foram levados a julgamentos no STF e não para um juiz de primeira instância”

Nota de José Dirceu a respeito da decisão de Joaquim Barbosa apreender passaportes dos réus da AP470

Saul Leblon: Parceria execrável do STF com a mídia afronta a justiça ao condenar suspeitos à revelia das provas

CLAUS ROXIN, o jurista alemão responsável pela teoria ‘domínio dos fatos’, critica o uso que STF fez dela

Presidente da UNE, Daniel Iliescu: ‘A UNE nem ama nem odeia Dirceu’

Paulo Moreira Leite: A dosimetria da ditadura e o mensalão

Bob Fernandes: por que o que Valério diz sobre Lula chega às manchetes e 115 páginas de documentos verídicos não são nem notícia?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

José Dirceu: NUNCA FIZ PARTE NEM CHEFIEI QUADRILHA

Raimundo Rodrigues Pereira: A VERTIGEM DO SUPREMO

Cláudio Gonçalves Couto: “Não aceito a tentativa maniqueísta de tornar o PT um câncer da política nacional”

Jogo de mensalão na rede: Barbosa atira em condenados, nem Lula escapa

Paulo Moreira leite, Sem domínio, sem fatos

No Brasil, uma Justiça que se baseia em conjecturas e condena por presunção

Folha: Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero

Joaquim Barbosa: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’

Grande mídia derrotada: “O eleitor mostrou, mais uma vez, que adora rir por último”

Dirceu tornou-se o símbolo do PT a ser destruído e sua condenação visa atingir Lula e sua gigantesca popularidade

Apesar de Veja, da velha mídia, Lula segue como o político mais influente do país e cabo eleitoral disputadíssimo

Ministro Joaquim Barbosa deixa mensalão mineiro e assume presidência do tribunal

Rui Martins: Governo Dilma financia a Direita, o Brasil padece de sadomasoquismo

A defesa de Dirceu no STF

Hildegard Angel fala dos traíras como Paes e conclama os coerentes à solidariedade com José Dirceu

Toda a esquerda brasileira vai mandar a fatura para o PT com juros e correção monetária?

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Tucanos inovam na corrupção: ‘mensalão universitário’

Tarso Genro: O “novo” (velho) conglomerado

Paulo Moreira Leite: Segundas impressões do mensalão

Entre Capas, publicidade, festas, chantagens e beijos

Paulo Moreira Leite: provas diferentes, condenações iguais

Janio de Freitas: Sem a revisão de Lewandowski erros da acusação provocariam condenações injustas

Ricardo Lewandowski: um ministro com independência de julgamento

Bob Fernandes: mensalão não é uma farsa, farsa é politizá-lo, chamá-lo de “o maior julgamento da história do Brasil”

Leandro Fortes: Delenda est Dirceu

_____________
Publicidade

Tags:   · · · · · · 2 Comments

Janio de Freitas: Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond


Foto 1 de 200 – 12.nov.2012 – Projeção em prédio de São Paulo ironiza condenação de José Dirceu no julgamento do mensalão. O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu foi condenado à pena de dez anos e dez meses de prisão pelos crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha. O ex-ministro ainda terá de pagar multa de R$ 676 mil Reprodução/ProjetaSP via UOL

A voz das provas
Por: Janio de Freitas, Folha

Relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras; tem sido um comportamento reiterado

Foi uma das coincidências de tipo raro, por sua oportunidade milimétrica e preciosa. Várias peculiaridades do julgamento no STF, ontem, foram antecedidos pela manchete ao pé da página A6 da Folha de domingo, título de uma entrevista com o eminente jurista alemão Claus Roxin: “Participação no comando de esquema tem de ser provada”.

O subtítulo realçava tratar-se de “um dos responsáveis por teoria citada no julgamento do STF”, o “domínio do fato”. A expressão refere-se ao conhecimento de uma ocorrência, em princípio criminosa, por alguém com posição de realce nas circunstâncias do ocorrido. É um fator fundamental na condenação de José Dirceu, por ocupar o Gabinete Civil na época do esquema Valério/PT.

As jornalistas Cristina Grillo e Denise Menchen perguntaram ao jurista alemão se “o dever de conhecer os atos de um subordinado não implica corresponsabilidade”. Claus Roxin: “A posição hierárquica não fundamenta, sob nenhuma circunstância, o domínio do fato. O mero ter que saber não basta”. E citou, como exemplo, a condenação do ex-presidente peruano Alberto Fujimori, na qual a teoria do “domínio do fato” foi aplicada com a exigência de provas (existentes) do seu comprometimento nos crimes. A teoria de Roxin foi adotada, entre outros, pelo Tribunal Penal Internacional.

Tanto na exposição em que pediu a condenação de José Dirceu como agora no caótico arranjo de fixação das penas, o relator Joaquim Barbosa se expandiu em imputações compostas só de palavras, sem provas. E, em muitos casos, sem sequer a possibilidade de se serem encontradas. Tem sido o comportamento reiterado em relação à quase totalidade dos réus.

Em um dos muitos exemplos que fundamentaram a definição de pena, foi José Dirceu quem “negociou com os bancos os empréstimos”. Se assim foi, é preciso reconsiderar a peça de acusação e dispensar Marcos Valério de boa parte dos 40 anos a que está condenado. A alternativa é impossível: seria apresentar alguma comprovação de que os empréstimos bancários tiveram outro negociador -o que não existiu segundo a própria denúncia.

Outro exemplo: a repetida acusação de que José Dirceu pôs “em risco o regime democrático”. O regime não sofreu risco algum, em tempo algum desde que o então presidente José Sarney conseguiu neutralizar os saudosos infiltrados no Ministério da Defesa, no Gabinete Militar e no SNI do seu governo. A atribuição de tanto poder a José Dirceu seria até risível, pelo descontrole da deformação, não servisse para encaminhar os votos dos seguidores de Joaquim Barbosa.

Mais um exemplo, só como atestado do método geral. Sobre Simone Vasconcelos foi onerada com a acusação de que “atuou intensamente”, fórmula, aliás, repetida de réu em réu. Era uma funcionária da agência de Marcos Valério, por ele mandada levar pacotes com dinheiro a vários dos também processados. Não há prova de que soubesse o motivo real das entregas, mesmo admitindo desde a CPI, com seus depoimentos de sinceridade incomum no caso, suspeitar de motivo imoral. Passou de portadora eventual a membro de quadrilha e condenada nessa condição.

Ignoro se alguém imaginou absolvições de acusados de mensalão. Não faltam otimistas, nem mal informados. Mas até entre os mais entusiastas de condenações crescem o reconhecimento crítico do descritério dominante, na decisão das condenações, e o mal-estar com o destempero do relator Joaquim Barbosa. Nada disso “tonifica” o Supremo, como disse ontem seu presidente Ayres Britto. Decepciona e deprecia-o -o que é péssimo para dentro e para fora do país.

Leia também:

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

Paulo Moreira Leite: Condenado sem domínio nem fato

Os documentos da AP470: A denúncia do PGR e Defesa de José Dirceu

Ayres Britto diz que troca na ordem do julgamento não prejudica réus, Barbosa e Lewandowski discutem

José Dirceu: Não me calarei e não me conformo com a injusta sentença que me foi imposta. Vou lutar mesmo cumprindo pena. Devo isso a todos os que acreditaram e ao meu lado lutaram nos últimos 45 anos

Rir é o melhor Remédio: Professor Hariovaldo mostra que Jurista alemão aprende a lição de Tribunal Brasileiro

“E é porque têm ideias e projetos que foram levados a julgamentos no STF e não para um juiz de primeira instância”

Nota de José Dirceu a respeito da decisão de Joaquim Barbosa apreender passaportes dos réus da AP470

Saul Leblon: Parceria execrável do STF com a mídia afronta a justiça ao condenar suspeitos à revelia das provas

CLAUS ROXIN, o jurista alemão responsável pela teoria ‘domínio dos fatos’, critica o uso que STF fez dela

Presidente da UNE, Daniel Iliescu: ‘A UNE nem ama nem odeia Dirceu’

Paulo Moreira Leite: A dosimetria da ditadura e o mensalão

Bob Fernandes: por que o que Valério diz sobre Lula chega às manchetes e 115 páginas de documentos verídicos não são nem notícia?

Carta Maior: Dirceu, Genoino e outros oito podem requerer novo julgamento

José Dirceu: NUNCA FIZ PARTE NEM CHEFIEI QUADRILHA

Raimundo Rodrigues Pereira: A VERTIGEM DO SUPREMO

Cláudio Gonçalves Couto: “Não aceito a tentativa maniqueísta de tornar o PT um câncer da política nacional”

Jogo de mensalão na rede: Barbosa atira em condenados, nem Lula escapa

Paulo Moreira leite, Sem domínio, sem fatos

No Brasil, uma Justiça que se baseia em conjecturas e condena por presunção

Folha: Peso do mensalão nesta eleição foi próximo de zero

Joaquim Barbosa: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’

Grande mídia derrotada: “O eleitor mostrou, mais uma vez, que adora rir por último”

Dirceu tornou-se o símbolo do PT a ser destruído e sua condenação visa atingir Lula e sua gigantesca popularidade

Apesar de Veja, da velha mídia, Lula segue como o político mais influente do país e cabo eleitoral disputadíssimo

Ministro Joaquim Barbosa deixa mensalão mineiro e assume presidência do tribunal

Rui Martins: Governo Dilma financia a Direita, o Brasil padece de sadomasoquismo

A defesa de Dirceu no STF

Hildegard Angel fala dos traíras como Paes e conclama os coerentes à solidariedade com José Dirceu

Toda a esquerda brasileira vai mandar a fatura para o PT com juros e correção monetária?

Leonardo Boff: Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT?

Pergunta para o Barbosão: Pode isso, Arnaldo?

A guerra da Veja contra o retorno de Lula, o Cara vai chegar a 100% de popularidade

Tucanos inovam na corrupção: ‘mensalão universitário’

Tarso Genro: O “novo” (velho) conglomerado

Paulo Moreira Leite: Segundas impressões do mensalão

Entre Capas, publicidade, festas, chantagens e beijos

Paulo Moreira Leite: provas diferentes, condenações iguais

Janio de Freitas: Sem a revisão de Lewandowski erros da acusação provocariam condenações injustas

Ricardo Lewandowski: um ministro com independência de julgamento

Bob Fernandes: mensalão não é uma farsa, farsa é politizá-lo, chamá-lo de “o maior julgamento da história do Brasil”

Leandro Fortes: Delenda est Dirceu

____________
Publicidade

Tags:   · · · · · 4 Comments

Zeca Dirceu: Força, pai, para mais uma batalha!

novembro 13th, 2012 by mariafro
Respond

A forma mais cruel de condenar alguém é desumanizá-la: o racismo faz isso com os negros, os homofóbicos com os homossexuais, os nazistas fizeram com judeus e outros grupos como os comunistas, ciganos, negros, deficientes…

A mídia venal e escroque como a revista Flor do Fascio, a PCC da Mídia fez isso com José Dirceu com a intensa colaboração de Carlinhos Cachoeira. José Dirceu foi demonizado em inúmeras capas, a ponto de ser agredido a bengaladas em um teatro por um senhor descompensado. O ódio que ex-petistas exalam nas redes sociais contra José Dirceu é patológico.

Impossível garantir minimamente justiça num julgamento que correu neste clima de espetacularização de tempos inquisitoriais. Senti vergonha do STF.

O deputado Zeca Dirceu (PT-PR), filho de José Dirceu, no artigo abaixo traz um pouco de humanização a seu pai e afirma que a condenação dele representa  “a maior injustiça já cometida contra um líder político no Brasil”.

A luta do meu pai continua

Por: Zeca Dirceu*, via PT na Câmara

Ao longo de todo o julgamento da ação penal 470, conhecida como “mensalão”, o que mais ouço são questionamentos sobre como me sinto, assistindo à condenação de meu pai.

José Dirceu, uma das figuras públicas mais conhecidas do país, foi e é um excelente pai. É um ótimo amigo da minha mãe Clara e sempre foi exemplo para mim.

Nossa relação é de amor, amizade e cumplicidade. Ainda adolescente, quando tive vontade de trabalhar, ele me incentivou a vender sorvete e maçã do amor.

Depois, tornei-me empresário e pude contar com ele. Ingressei na política e meu pai esteve ao meu lado. Fui prefeito de Cruzeiro do Oeste, no Paraná, por dois mandatos e hoje sou deputado federal. Recebi apoio, carinho e compreensão dele em tudo o que me propus a fazer.

Amo muito o meu pai. Tenho orgulho dele. Da coragem na juventude, saindo aos 16 anos de Passa Quatro, em Minas Gerais, para São Paulo. Admiro a luta dele e de muitos outros jovens contra a ditadura, o seu papel na redemocratização do país, o seu engajamento no movimento Diretas-Já.

Inspira-me seu trabalho de construção, organização e modernização do Partido dos Trabalhadores, levando Lula e Dilma Rousseff a três mandatos presidenciais reconhecidos por índices recordes de aprovação pelos brasileiros.

São governos que transformaram o Brasil, num movimento inédito de distribuição de renda e inclusão social que melhorou muito a vida dos que mais precisam da política e do governo.

Obviamente não me sinto bem vendo meu pai condenado. O que tem me tranquilizado é perceber que a grande maioria do povo brasileiro sente o que eu sinto: que esse veredito do STF (Supremo Tribunal Federal) é a maior injustiça já cometida contra um líder político no Brasil.

Um dos sinais disso é que, apesar de toda a publicidade negativa produzida pelo julgamento, o PT, mais uma vez, foi o partido mais votado no primeiro turno das últimas eleições municipais, com 17 milhões de votos.

Tenho recebido mensagens de apoio e solidariedade, vindas desde o mais simples cidadão, que pude encontrar nas mais de 200 cidades paranaenses que visitei durante esta campanha eleitoral, até as mais importantes autoridades, que encontro no dia a dia de Brasília.

A injustiça não é só contra meu pai, é contra a política. Contra o Brasil, contra o Estado Democrático de Direito. Principalmente pelos dois pesos e duas medidas que a imprensa e o STF adotam. O “mensalão” do PSDB é mais antigo, mas não há a mesma pressa nem os atropelos para o julgamento, como foi feito com a ação 470.

O que eu desejo é que esses erros sejam corrigidos no futuro. Que cidadãos comuns e políticos não sejam condenados sem provas, apenas porque “parecem ser culpados”, ou porque “não tinham como não saber do crime”.

A certeza que carrego comigo é a mesma que minha família e minha avó, dona Olga, hoje com 91 anos, tinham na década de 60, quando meu pai foi preso pela ditadura: será muito difícil.

Muitos não compreenderão isso neste primeiro momento. Mas os anos vão passar. Deus dará saúde ao meu pai e, mesmo que seja após muitos anos, como foi na ditadura, ele, o Zé dos petistas, vai dar a volta por cima.

Sua luta por um Brasil melhor continua, com Lula e com Dilma, de mãos dadas com a ampla maioria do povo brasileiro -um povo de bem, que não se deixa enganar nem pela mídia nem pelos equívocos históricos de um tribunal que julga sob pressão.

Força, pai, para mais uma batalha!

_____________
Publicidade

Tags:   · · · · · 5 Comments