Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

INCÊNDIO EM FAVELAS? ANTES NÃO TINHA, AGORA TEM!

setembro 3rd, 2012 by mariafro
Respond

Leia também:
Nero da Mooca e seu filhote: favelas? que queimem!

Por: Pedro Antônio Cândido, via Facebook

Mais um incêndio em FAVELA de Sampa, hoje na zona sul, região de Campo Belo.

Impressionante como há uma “precisão cirúrgica” onde o fogo aparece!

Basta ver o local do incêndio no Google Maps para “entender” o porquê:


Google Maps

Não deve existir no PLANETA favelas tão atingidas por incêndios como as da cidade de São Paulo. E o mais incrível é a sequência fenomenal que acontecem os incêndios!

E tudo continua naturalmente … Os jornais dão a notícia, os bombeiros fazem os rescaldos, não há responsáveis, e todos aguardam o próximo incêndio.

A CPI DOS INCÊNDIOS da Câmara dos vereadores de Sampa, que deveria apurar se estas ocorrências eram criminosas, vai encerrar os trabalhos no próximo dia 9 sem ter um relator!


Fonte da imagem R7

____________
Publicidade

Tags:   · 8 Comments

Wagner Iglecias: Quem é Celso Russomanno?

setembro 3rd, 2012 by mariafro
Respond

Quem é Celso Russomano?

Por: Wagner Iglecias Especial para o Maria Frô

03/09/2012

Amigos que moram em outros estados e acompanham a política de São Paulo demonstram surpresa com o fenômeno que a eleição paulistana tem apresentado até aqui, Celso Russomano, candidato do pequeno PRB. Para eles é surpreendente que São Paulo, onde a polaridade PSDB x PT se expressa com uma aspereza como em nenhum outro lugar do país, não esteja se configurando até o momento. Pois é. Tá todo mundo tentando entender e explicar isso. E as respostas são difíceis.

As lembranças mais remotas que tenho de Celso Russomano remontam aos anos 80. Ele fazia colunismo social na pequena TV Gazeta. Provavelmente o máximo que ambicionava à época era ser um Otávio Mesquita ou um Amaury Junior, que naquele momento já haviam galgado emissoras maiores, como a Band ou a extinta TV Manchete. Cobria eventos de classe média, entrevistava gente que aspirava ascender socialmente mas que, naquele Brasil de efervescência política e estagnação econômica, no fundo se sabia que não teria sucesso. Suas entrevistas nunca foram apelativas, mas eram melosas, sobretudo com mulheres, como agora se vê em vídeos antigos que estão sendo caçados avidamente por seus adversários e divulgados na rede.

Russomanno, um político feito dentro da televisão e não pela televisão. Foto: Estadão 

Por essas e outras a alta burguesia da cidade nunca viu Celso com pedigree para ser recebido nos salões mais chiques, onde Otávio e Amaury circulavam com desenvoltura e cobriam os convescotes dos ricaços. Fato é que o “Circuito Night and Day” ficou no passado e Russomano se reinventou, após o triste episódio da esposa, vítima de problemas com atendimento num hospital privado. No intuito de denunciar o que estava ocorrendo Russomano preferiu filmar a agonia da mulher do que levá-la para outro hospital. Acabou perdendo a esposa mas ganhou uma notoriedade que sua pequena coluna social televisiva jamais havia lhe dado.

O Código de Defesa do Consumidor acabava de ser criado naquele mesmo ano e Russomano, sabe-se lá se em homenagem à memória da ex-mulher ou por ter visto ali uma janela de oportunidade, mergulhou no Aqui Agora, esta espécie de avô dos Cidade Alertas e Brasil Urgentes de hoje em dia, com seus Datenas e Rezendes. O programa, que foi um divisor de águas na televisão brasileira, trazia o noticiário policial para a sala das senhorinhas às seis da tarde e balançava o coreto das pacatas novelas globais de época, que dominavam o ibope naqueles tempos. Mas Russomano, homem franzino, de voz nem tão grave e modos comedidos, não combinava muito com os arroubos de certo jornalismo que garantia audiência dando socos na mesa e bradando contra a bandidagem.

Celso fazia outra linha, que lhe deu fama, buscando acordos entre consumidores e fornecedores de bens e serviços. Do entrevistador “assanhado” do passado ele se tornava o negociador de rua, defensor dos interesses populares num mercado de massas que começava a se insinuar no país. Com a câmera na mão com a qual filmou os instantes finais de sua ex-esposa ou com o microfone em punho com o qual intimava comerciantes a resolver os problemas de clientes insatisfeitos, Russomano fez escola numa imprensa que hoje em dia não se avexa em cobrar atitudes de prefeitos de pequenas cidades ou em fazer chacotas com deputados e senadores em Brasília.

Do Aqui Agora em diante a biografia de Russomano é conhecida. Filiou-se ao PSDB, onde foi o deputado federal mais votado do país em 1994, sendo reeleito outras vezes depois. Reaproximou-se de Paulo Maluf, com quem trabalhara desde a adolescência, e pela legenda deste concorreu à prefeitura de Santo André em 2000, sendo derrotado fragorosamente por Celso Daniel (PT) e ao governo paulista em 2010, perdendo para Alckmin (PSDB). Mais recentemente rompeu com Maluf e filiou-se ao PRB, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, proprietária da TV Record, onde comandou durante muito tempo, e até há pouco, a sua “Patrulha do Consumidor”. E hoje está aí, liderando a corrida eleitoral da cidade mais importante do país, para surpresa de tanta gente.

Mas, afinal, quem é Celso Russomano? Até agora, estamos todos tentando responder. Já se disse que seria o herdeiro de um certo eleitorado paulista típico, de direita, que vem votando por falta de opção no PSDB desde que se viu viúvo de Jânio e de Maluf. Já se disse que seria o novo Collor, porque surgido numa pequena legenda e se mostrando como um outsider em relação à disputa entre os políticos tradicionais. Já se disse que seria apenas um fenômeno televisivo, e que sua liderança duraria até o eleitorado saber quem são os candidatos dos partidos tradicionais. Já se disse que é dono dos votos evangélicos, ainda mais nestes tempos em que as igrejas protestantes têm crescido tanto no país. São hipóteses interessantes, mas nenhuma é satisfatória. Russomano não tem nem de longe o sarcasmo e o histrionismo de Jânio, não tem a matreirice de seu ex-guru Paulo Maluf, não tem a origem social de um Collor e, criado no malufismo e com uma passagem pelo tucanato, está longe de ser um outsider da política paulista. Mais que isso, não é dono do voto evangélico, até porque os protestantes não são um todo monolítico e homogêneo, e boa parte deles estão aliados nesta eleição, aliás, a José Serra. Talvez a liderança de Russomano guarde mais relação com o desgaste que o nome do tucano, eterno candidato, e talvez o próprio PSDB, há tantos no poder em São Paulo, venham sofrendo. Talvez sua posição nas pesquisas seja ainda fruto do recall de tanta exposição televisiva nos últimos anos, a ponto mesmo de os parcos 2 minutos no horário eleitoral, muito menos que o tempo de seus adversários, não abalarem sua liderança nas intenções de voto. Talvez, talvez…

Enfim, é difícil responder quem é Russomano. Quando ainda era uma força política relevante em São Paulo, Paulo Maluf tinha um jingle famoso que dizia “a segurança é nossa, a liberdade é sua, bandido é na cadeia e gente boa é na rua”. Russomano não é a reedição dessa velha direita paulista, de tão peculiar truculência, expressa nas campanhas eleitorais do passado e nos programas policiais da TV, que pedia “rota na rua”. Ou nem mesmo aquela direita que enchia a boca para dizer “fulano rouba, mas faz”. Não, Russomano é direita de outra lavra, até porque aquela direita antiga não tem mais tanto espaço num país pacificado por um certo petismo de mercado. Russomano é de uma direita mais contemporânea, de um tempo de crescente despolitização da política, de uma vida pública fortemente reduzida a (e confundida com) relações entre consumidores. Russomano é uma direita que está muito mais para o shopping center do que para a praça pública. Se parece mais com os tucanos dos anos 90 e com o petismo de hoje do que com o velho Maluf dos anos 80. Talvez sua liderança nas pesquisas, calcada nesse discurso voluntarioso porém até aqui vazio que está conquistando boa parte dos paulistanos, seja fruto do que ele aprendeu lá atrás, no seu antigo programa televisivo, entrevistando gente que queria subir na vida e via no mercado, e não na política, uma alternativa para tanto. Num Brasil de efervescência econômica e apatia política, como o de hoje, nada mais natural.

*Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP.

Leia também:

Wagner Iglecias: A nova pesquisa Ibope para a Prefeitura de SP

Wagner Iglecias: Haddad pauta a discussão na primeira semana da campanha eleitoral

Revista do Brasil: herança de Serra para São Paulo

________________
Publicidade

Tags:   · · · 8 Comments

E a Câmara de São Paulo? Bóra renovar a casa?

setembro 3rd, 2012 by mariafro
Respond

Disputando uma vaga de vereador/a há vários candidatos progressistas de diferentes partidos de esquerda que enriqueceriam e renovariam a Câmara de São Paulo:

Lu Rocha,  do PSB,

Selma Rocha, do PT,

Orlando Silva, do PCdoB,

Gabriel Medina, do PT

Gilberto Maringoni, do PSOL, só para citar alguns exemplos.

Conheço todos eles e todos merecem o nosso voto.

Acho importantíssima a eleição do Legislativo, por vezes, mais que a do Executivo, pois com um Legislativo ruim, não adianta eleger um executivo bom.

Vejamos, o governo federal, além de alianças pra lá de intragáveis, Dilma tem de lidar com um Congresso e um Senado de ruralistas, fundamentalistas, um Congresso que fazia tempo não via tão ruim.

Vejam a maioria dos vereadores desta Câmara atual da cidade de São Paulo que tiveram a ousadia de votar o dia do Orgulho Hetero! Que aprovaram todos os orçamentos excludentes  de Kassab que retirou recursos dos bairros mais necessitados, enfim que cometeu barbárie atrás de barbárie.

Pense bem em quem você vai escolher, há excelentes candidatos, mas há uma fauna preconceituosa e autoritária que pode tornar esta Câmara um show de horror pior do que já é.

Leia também:

Será que os paulistanos vão permitir que essas figuras tristes sejam eleitas?

Câmara de São Paulo aprova o dia da Ogrice

Kassab não vê nenhum problema em comemorar o dia do OGRulho

Leonardo Sakamoto: Que vergonha de ser hetero!

Até Kassab sentiu vergonha alheia do dia da Ogrice e vetará a lei absurda

Em São Paulo governo Demotucano propõe diminuir recursos publicos das regiões mais pobres

Revista do Brasil: herança de Serra para São Paulo

Altamiro Borges: Tucano ameaça repórter da Folha

Repórter da Folha relata ameaças depois de denúncia contra ex-chefe da Rota e candidato a vereador pelo PSDB

Eleições para a Câmara de São Paulo: dobra o número de policiais candidatos

Você sabia que, durante a gestão Serra-Kassab, o Regime Militar voltou a vigorar disfarçado em São Paulo?

O choque na USP e a militarização de São Paulo 

Metade dos projetos da Câmara Municipal são homenagens e nomeações

________________
Publicidade

Tags:   · · · · No Comments.

Serra desativou projeto implantado por Marta Suplicy de prevenção e controle a incêndios em favelas de SP

setembro 3rd, 2012 by mariafro
Respond

“Um projeto implantado durante a gestão da Marta Suplicy (PT) na cidade de São Paulo conseguiu, nos seus dois anos de atividade, controlar todos os focos de fogo em favelas antes que se tornassem grandes incêndios. A ideia se mostrou tão eficiente como simples: equipar algumas casas com extintores e treinar moradores para acabar com as chamas antes que se propagassem para moradias vizinhas. Apesar do custo reduzido e do sucesso nas ações, ele foi extinto por José Serra (PSDB) em 2005, quando assumiu a prefeitura. Sucessor do tucano, Gilberto Kassab (PSD) teve a chance de reativar o trabalho depois que um projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal em 2009, mas não tocou a ideia adiante.

Serra desativou programa de prevenção de incêndios em favelas em São Paulo

Gilberto Kassab teve a chance de reativar o projeto, de baixo custo e testado na gestão de Marta Suplicy, mas preferiu editar um decreto para um programa que não recebeu recursos até hoje

Por: Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual

Publicado em 02/09/2012, 20:09

Última atualização em 03/09/2012, 08:30
Serra desativou programa de prevenção de incêndios em favelas em São Paulo

Enquanto prefeitura rejeita as boas ideias, população pobre sofre com sucessão de incêndios em favelas de SP (©Folhapress/Arquivo)

São Paulo – Um projeto implantado durante a gestão da Marta Suplicy (PT) na cidade de São Paulo conseguiu, nos seus dois anos de atividade, controlar todos os focos de fogo em favelas antes que se tornassem grandes incêndios. A ideia se mostrou tão eficiente como simples: equipar algumas casas com extintores e treinar moradores para acabar com as chamas antes que se propagassem para moradias vizinhas. Apesar do custo reduzido e do sucesso nas ações, ele foi extinto por José Serra (PSDB) em 2005, quando assumiu a prefeitura. Sucessor do tucano, Gilberto Kassab (PSD) teve a chance de reativar o trabalho depois que um projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal em 2009, mas não tocou a ideia adiante.

“O problema dos incêndios em favelas já foi solucionado. É só a prefeitura querer continuar o que já deu certo”, afirma o técnico do laboratório de segurança ao fogo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Jose Carlos Tomina, que foi responsável pela metodologia do chamado Programa de Segurança Contra Incêndio, implantado em parceira com a prefeitura e com empresas de equipamentos de proteção contra fogo.

O projeto foi implantado nas favelas Vila Dalva, na zona oeste, Maria Cursi, na zona leste, Jardim Jaqueline, na zona oeste, Cabuçu, na zona norte, Viela da Paz, na zona sul e o Cortiço da Rua Sólon, no centro. Em cada uma, 50 moradores foram treinados para atuarem como brigadistas e cada um deles recebeu dois extintores de incêndio polivalentes, capazes de apagar fogo de qualquer natureza.

“Os bombeiros são muito importantes, mas quando eles chegam o fogo já destruiu muito. Os brigadistas impedem que o fogo se espalhe por já estarem na comunidade e agirem rapidamente”, conta Tomina. Segundo ele, os brigadistas apagaram mais de 100 incêndios e conseguiram controlar todas as ocorrências antes que tomassem grandes proporções. “É muito barato. Precisamos apenas do equipamento de segurança para os brigadistas e dos extintores. Isso é muito menos frente os gastos que se tem para atender os desabrigados de grandes incêndios”.

Nos últimos cinco anos, o Corpo de Bombeiros contabiliza 530 incêndios em favelas, e boa parte das ocorrências registradas este ano ainda não entrou no cálculo. O tema chamou tanto a atenção que a Câmara Municipal abriu uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar a possibilidade de se tratar de uma atuação criminosa. Dominada pela base do prefeito Gilberto Kassab (PSD), porém, a CPI não realizou qualquer investigação até agora. Após mais quatro incêndios em duas semanas, o colegiado finalmente nomeou vice-presidente e relator, e montou um calendário de reuniões.

“Mesmo assim, a nova gestão [do ex-prefeito de São Paulo, José Serra] não tocou o projeto, sem dar justificativa. Já tínhamos tudo pronto, inclusive profissionais treinados, era só continuar”, conta. A Rede Brasil Atual procurou a prefeitura para questionar por que o programa foi interrompido e não obteve resposta (grifos nossos). O coordenador-geral da Defesa Civil, coronel Jair Paca de Lima, que assumiu o cargo em 2005, primeiro ano do mandato do tucano, afirmou que não tem conhecimento sobre o programa anterior.

Retomada

Em 2009, o vereador Celso Janete (PTB) apresentou um projeto de lei para a implantação de um novo programa de prevenção a incêndios em favelas, que foi aprovado em plenário. Quase um ano depois, o prefeito Gilberto Kassab, então do Democratas, firmou um decreto que criou o Programa de Prevenção Incêndios em Assentamentos Precários (Previn).

“Quando fiquei sabendo que seria lançado um programa nos moldes do anterior procurei a coordenadoria das subprefeituras e me dispus a ajudá-los a montar o projeto, com o know-how que eu já possuía. Nunca recebi um retorno”, conta Tomina.

Semelhante à ação da gestão Marta, o programa, implantado em 2010, prevê nomeação de um zelador comunitário, instalação de hidrantes e retirada de “gatos” de energia. A Rede Brasil Atual solicitou informações sobre o andamento do programa a Secretaria das Subprefeituras, responsável pela ação, mas não obteve resposta. No Orçamento de 2011, o projeto chegou a receber dotação orçamentária de R$ 1 milhão, mas, segundo as planilhas disponíveis, nada foi efetivamente investido. Neste ano, novamente o montante executado foi nulo.

________________
Publicidade

Tags:   · · · 7 Comments