Para expressar a liberdade

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Vladimir Soares: trabalhadores em fábrica de telhas de Sergipe

fevereiro 25th, 2012 by mariafro
Respond

Em condições muito precárias, mulheres e homens dividem o trabalho pesado. Não há segurança, não há equipamentos contra acidentes. Salário quase sempre inferior ao mínimo com jornada de trabalho, que começa às 7h e termina às 18h ou mais.


Trabalhadores em fábrica de telhas, no povoado Sapé, município de Nossa Senhora das Dores, em Sergipe. Quinta-feira, 19 de janeiro por Vladimir Soares

_______
Publicidade

Tags:   · · No Comments.

Foi ‘precipitação’ dizem os presidentes dos clubes militares

fevereiro 24th, 2012 by mariafro
Respond

‘Os presidentes dos Clubes da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista, e da Marinha, almirante Ricardo da Veiga Cabral, disseram que em momento nenhum quiseram criticar a presidente Dilma e que a nota foi uma “precipitação”, no momento em que os principais assuntos para a categoria, são a defasagem salarial e a necessidade de reaparelhamento das Forças Armadas.”

Caros militares, que bom que caíram em si. Exatamente assim devem agir os militares diante de governos civis democraticamente eleitos: continência, obediência à soberana que elegemos para nos governar.

Dilma intervém em crítica de militares a ministras

Último Segundo

24/02/2012 17:38

Presidenta se reuniu com comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica para pedir a “desautorização” de nota de crítica

Os presidentes dos Clubes Militares foram obrigados ontem a publicar uma nota desautorizando o texto do “manifesto interclubes” que criticava a presidenta Dilma Rousseff por não censurar duas de suas ministras que defenderam a revogação da Lei da Anistia.

Dilma não gostou do teor da nota, por não aceitar, segundo assessores do Planalto, qualquer tipo de desaprovação às atitudes da comandante suprema da Forças Armadas.

A presidenta convocou o ministro da Defesa, Celso Amorim, para pedir explicações e este se reuniu com os comandantes das três Forças, que negociaram com os presidentes dos clubes da Marinha, Exército e Aeronáutica, a “desautorização” da publicação do documento, que foi colocado no site do Clube Militar, no dia 16, como revelou o Grupo Estado. O episódio deverá servir para acelerar a nomeação dos integrantes da Comissão da Verdade, sancionada em novembro pela presidenta e que está em banho-maria no Planalto.

Apesar de terem sido obrigados a recuar, para não criar uma crise militar, os presidentes dos Clubes não se conformam com as críticas que as Forças Armadas têm recebido e temem que a comissão da verdade só ouça um dos lados na hora de trabalhar. Os presidentes dos Clubes da Aeronáutica, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista, e da Marinha, almirante Ricardo da Veiga Cabral, disseram que em momento nenhum quiseram criticar a presidente Dilma e que a nota foi uma “precipitação”, no momento em que os principais assuntos para a categoria, são a defasagem salarial e a necessidade de reaparelhamento das Forças Armadas.

O almirante Veiga Cabral, no entanto, classificou como “provocação” as falas das ministras das Mulheres, Eleonora Menicucci, e dos Direitos Humanos, Maria do Rosário. “É uma provocação. Não podemos ficar parados. É natural que haja uma reação porque não é possível ficarmos sendo desafiados de um lado e engolirmos sapo de outro. A vida é assim, a cada ação tem uma reação”, comentou o almirante, que disse ter havido “uma coincidência de interesses” neste momento, de se tirar a nota do ar. O almirante ressalvou que embora os militares, mesmo na reserva estejam sujeitos ao Estatuto dos Militares, “os clubes não estão subordinados ao Poder Executivo”.

A nota dos Clubes Militares foi publicada no site do Clube Militar, que representa o Exército, quinta-feira que antecedeu o Carnaval e reproduzida pelo jornal O Estado de S. Paulo na edição de terça-feira. No dia seguinte, houve a reunião do ministro da Defesa com os comandantes e uma conversa com a presidente Dilma. Paralelamente a esta movimentação, os comandantes das três forças telefonaram para os presidentes dos três clubes para que a nota fosse suprimida. Ontem, o “comunicado interclubes” produzido a partir da reunião da semana passado foi retirado do site no início da tarde e por volta das 16 horas, colocada no ar um outro, dizendo que os presidentes desautorizavam o texto. Este desmentido, no entanto, não chegou a ficar meia hora no ar. O Clube do Exército, para tentar encerrar a polêmica, retirou a nota e o desmentido da nota, mas a polêmica já estava criada no meio militar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia também

De novo militares de pijama querendo palpitar em governo civil, quando vão aprender?

PS. Leitores procurei a nova nota do site dos pijamas e não encontrei. Lá continua a ‘precipitação’.

_________
Publicidade

Tags:   · · · · · · · 6 Comments

Sueli Carneiro comenta ‘negro de alma branca’

fevereiro 24th, 2012 by mariafro
Respond

“Assim como votei em Erundina por saber que o projeto político que ela encarnava era o que atendia aos anseios da cidadania negra, vou continuar a ler Paulo Henrique Amorim pelo que ele significa na defesa da cidadania brasileira confiante que o ocorrido seja pedagógico especialmente para o nosso campo.” Sueli Carneiro.

Não esperava outra coisa senão a honestidade intelectual de Sueli Carneiro expressa em seu texto sobre a polêmica PHA e Heraldo. Sem cheque em branco, sem oportunismo barato. Não se condena uma trajetória pelo uso infeliz de uma frase. Simples asssim.

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa!

Por: Sueli Carneiro, Geledés
24/02/2012

Caros blogueiros progressistas nas eleições de 1996 para a prefeitura de São Paulo a candidata de nosso coração Luiza Erundina em discurso inflamado contra o seu adversário Celso Pitta, bradou que Pitta era um negro de alma branca e que ela era a verdadeira representante do movimento negro posto que as bandeiras que ela representava eram as que contemplavam as necessidades e interesses dos negros de São Paulo. Essa velha militante negra que vos fala veio a público para contestar a então candidata lembrando-a de que uma das dimensões do racismo é negar a plena humanidade das pessoas e por plena humanidade entendemos a possibilidade de sermos, brancos e negros, do bem ou do mal. Assim são os seres humanos. Existiam, na época, razões políticas de sobra para criticar a candidatura de Celso Pitta, a única imprópria era tratá-lo de “negro de alma branca” por seu pertencimento ao campo ideológico adversário e seu comprometimento com suas práticas políticas e administrativas deletérias que são de conhecimento público. Um negro pode ser corrupto, se posicionar contra os interesses de sua gente etc…, o que podemos fazer diante disso é lamentar e combatê-lo politicamente jamais atribuir essa característica à sua condição racial. Aí mora o racismo, ao tentar encontrar a razão da “falha” na negritude da pessoa ou na suposta ausência dessa negritude em um@ negr@ como propõe a frase, negro de alma branca.

Há também incontáveis razões para criticar a Rede Globo e muitos de seus funcionários más, isso não autoriza ninguém a supor, sugerir ou inferir que um negro global tenha a “alma branca” por jogar o jogo da emissora.

Paulo Henrique Amorin errou em relação a Heraldo Pereira, ele sabe disso, deve pagar! Nenhuma pessoa negra que tenha dignidade aceita ver qualquer negr@ ser tachado de “negro de alma branca” ou por qualquer outro pejorativo relativo à sua raça. Ser progressista, de esquerda não é, necessariamente, antídoto contra o racismo; nem um cheque em branco para desvios dessa natureza. Assim como votei em Erundina por saber que o projeto político que ela encarnava era o que atendia aos anseios da cidadania negra, vou continuar a ler Paulo Henrique Amorim pelo que ele significa na defesa da cidadania brasileira confiante que o ocorrido seja pedagógico especialmente para o nosso campo.

Tags:   · · · · 4 Comments

Crianças não são racistas, sexistas ou homofóbicas, mas podem se tornar

fevereiro 24th, 2012 by mariafro
Respond

E  mais uma vez as crianças mostram que preconceito é construção humana. Ninguém nasce preconceituoso, as crianças podem se tornar adultos preconceituosos se viverem em ambientes cheios de ódio e se em seu processo de educação formal nada for feito.

Parabéns à escola de Goiás (mostrada no vídeo) que realiza uma educação cidadã, que permite que as crianças debatam livremente sobre papéis sociais e suas representações.

Alguns adultos deveriam se esmerar em crianças respeitosas como essas. Aliás, minha crença na humanidade só persiste porque como educadora sei que crianças e adolescentes em ambientes sadios se tornam pessoas mentalmente sadias.

A dica do vídeo foi do querido De Lucca :)

Leia também:
Preconceito, ódio, discriminação se aprende e se ensina: Mãe, homem com homem pode namorar?

Tags:   · · · · 1 Comment