Não à terceirização

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Cinco mil famílias no Brasil possuem um patrimônio equivalente a 40% do PIB do país!

dezembro 5th, 2011 by mariafro
Respond

As famílias mais ricas do Brasil (e por que está na hora de elas abrirem os cofres)

André Forastieri,em seu blog no R7

05/11/2011

jandira forasta As famílias mais ricas do Brasil (e por que está na hora de elas abrirem os cofres)

Deputada Jandira Feghali, do PC do B do Rio de Janeiro, autora do projeto para taxar grandes fortunas.

As cinco mil famílias mais ricas do Brasil possuem um patrimônio equivalente a 40% do PIB do país. Em números de 2010, equivale a R$ 1,65 TRILHÕES de reais. É uma média de R$ 294 milhões por família.

O estudo foi realizado em 2004 pelo economista Márcio Pochmann, atual presidente do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), e atualizado este ano.

É a base para um novo projeto de  taxar grandes fortunas. A proposta é a da deputada Jandira Feghali, do PC do B do Rio de Janeiro. Foi encampada como bandeira pela CUT, que já a apresentou à Dilma Rousseff.

O texto prevê a criação de nove faixas de riqueza em que os contribuintes ficariam obrigados a pagar esta contribuição. Só paga quem tiver patrimônio acima de R$ 4 milhões.

Começa pagando anualmente 0,4% sobre o patrimônio, vai subindo até 2,1% para fortunas de R$ 150 milhões ou mais. Tem muita gente com tanta grana?

Em 2008, eram 997 contribuintes do Imposto de Renda com patrimônio superior a R$ 100 milhões.

Considerando-se que quanto mais dinheiro, mais fácil escondê-lo, fica transparente que muita gente tem dinheiro de sobra no Brasil.

E na velocidade em que estamos criando milionários, a cada dia o bolo aumenta. Está na hora de dividir.

A questão é: vai tirar esse dinheiro dos ricaços para fazer o quê? Para o governo distribuir para outros ricaços, amigos dos amigos? É aí que está o coração do projeto da deputada.

Por que não seria um novo imposto – que vai para o cofre geral do governo – e sim uma contribuição, que tem destino específico. A ideia é que toda a grana arrecadada vá, integralmente, para a Saúde, para o SUS.

Segundo Jandira, a expectativa de arrecadação anual é de quase R$ 14 bilhões.

É muitíssimo mais justo que a CPMF, que para bancar a saúde tirava dinheiro igualmente de bilionários e proletários. Quem tem muito que ajude quem tem pouco. Para mim ainda é pouco.

Porque segundo a Organização Mundial da Saúde, o gasto público do Brasil com saúde é de US$ 385 por ano; a média do mundo é US$ 524 por ano (dados de 2008).

Diferença grande – está explicada a desgraceira na nossa saúde? Está. Um estudo da Dieese conclui que para o Brasil chegar à média mundial (que já não é aquela beleza), teríamos que investir quase R$ 50 bilhões A MAIS por ano.

Isso que dá ter população grande. Uma família que tem R$ 294 milhões de patrimônio pode abrir mão de bem mais que 2,1% disso ao ano. Não é pedir muito – aliás, não é pedir; nos cabe é exigir.

Tags:   · · 13 Comments

Nota em defesa da liberdade de pesquisa no Brasil

dezembro 5th, 2011 by mariafro
Respond

O prof. Marcos Garcia, UFSCar-Sorocaba, está sofrendo processo em função do resultado de pesquisa realizada sobre os hospitais psiquiátricos da região de Sorocaba.

Abaixo a mensagem do professor explicitando o ocorrido e indicando blog onde podemos subscrever a Nota em defesa da liberdade de pesquisa no  Brasil.

Prezado(a) pesquisador(a),

**** **

Sou professor doutor da Universidade Federal de São Carlos e venho por meio desta mensagem divulgar um precedente perigoso de tentativa de cerceamento à liberdade de pesquisa no Brasil. Trata-se do processo de indenização aberto contra mim pelos hospitais psiquiátricos privados da região de Sorocaba pela divulgação de pesquisa que investigou os óbitos ocorridos nestes hospitais. A apresentação detalhada do ocorrido encontra-se no blog http://liberdadepesquisa.blogspot.com/

** **

Gostaria de pedir para aqueles solidários ao ocorrido que subescrevam ““NOTA > EM DEFESA DA LIBERDADE DE PESQUISA NO BRASIL”, cujo texto diz:

“VIMOS POR MEIO DESTA MANIFESTAR NOSSA PREOCUPAÇÃO EM RELAÇÃO AO PROCESSO MOVIDO PELOS HOSPITAIS PSIQUIÁTRICOS PRIVADOS DA REGIÃO DE SOROCABA CONTRA
O PROF. DR. MARCOS R V GARCIA, DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS (UFSCAR) PELA DIVULGAÇÃO DE PESQUISA QUE INVESTIGOU OS ÓBITOS OCORRIDOS NESTES HOSPITAIS.

TRATA-SE DE UM PRECEDENTE PERIGOSO DE TENTATIVA DE CERCEAMENTO À LIBERDADE DE PESQUISA EM NOSSO PAÍS, POIS PODE LEVAR À ABERTURA DE PROCESSOS SEMELHANTES CONTRA PESQUISADORES CUJOS RESULTADOS DE PESQUISAS CONTRADIGAM INTERESSES ECONÔMICOS DE EMPRESAS PRIVADAS.”

** **

Até este momento inicial as seguintes Associações Científicas e professores já a subescreveram:

-ABRASME (Associação Brasileira de Saúde Mental)

-ABRAPSO (Associação Brasileira de Psicologia Social)

-ABRASCO (Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva)

- Kelen Cristina Leite – Professora adunta (USFCar)

- Viviane Melo de Mendonça – Professora adunta (USFCar)

- Geraldo Tadeu de Souza – Professor adjunto (UFSCAR)

- Marcos Francisco Martins – Professor adjunto (UFSCAR)

- Teresa Mary Pires de Castro Melo – Professora adunta (USFCar)

- Fabrício Nascimento – Professor adjunto (UFSCAR)

- Dulcinéia de Fátima Ferreira Pereira – Professora adunta (USFCar)

- Adriana Rosmaninho Caldeira de Oliveira – Professora assistente (USFCar)

- Alissandra Nazareth de Carvalho – Professora assistente (USFCar)

** **

Peço manifestações de apoio à nota pelo e-mail liberdadepesquisa@gmail.com. Os apoios recebidos serão publicizados em blocos no referido blog.

** **

No caso do apoio de professor e/ou pesquisador, solicito que seja enviado o nome, o cargo (ex: professor adjunto , doutor, etc) e a Universidade ou Instituto de Pesquisa ao qual pertence.

** **

O apoio de Doutores, Doutorandos, Mestres e Mestrandos também é muito bem-vindo. Neste caso solicito que seja informado o nome, a área do referido curso de pós-graduação e a instituição onde foi ou está sendo desenvolvida.

** **

Agradeço imensamente também o eventual apoio institucional de Associações Científicas, Grupos de Pesquisa, Programas de Pós-Graduação, Departamentos e congêneres que desejem subescrever a nota.

** **

Finalmente, agradeço a ajuda daqueles que se disponibilizarem em disseminar esta mensagem para seus contatos.

Cordialmente,

Prof Dr Marcos R V Garcia

UFSCar-Sorocaba

Publicidade

Tags:   · · · · · 2 Comments

Bobagens ditas por FHC e Figueiredo registradas em livro

dezembro 5th, 2011 by mariafro
Respond

E a besta do Mainardi chamava Lula de ‘minha anta’ o que será que a besta do Mainardi achou de Book of All-Time Stupidest: Top 10 Lists

Políticos brasileiros aparecem em lista de ‘maiores bobagens’
Na Folha
04/11/2011

Declarações de três políticos brasileiros integram o “livro das maiores bobagens da história” (Book of All-Time Stupidest: Top 10 Lists) feita por dois autores americanos.

Aparecem na coletânea, lançada em outubro, os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e João Figueiredo (1979-1985) e o ex-deputado João Alves.
As frases estão em grupos diferentes no livro dos irmãos Ross e Kathryn Petras, dividido em listas de “dez mais”.

FHC figura na parte sobre “coisas mais inacreditavelmente ditas por pessoas ricas” com um comentário de agosto de 1998, feito a moradores de uma favela no Rio.

“Não vamos prometer o que não dá para fazer. Não é para transformar todo mundo em rico. Nem sei se vale a pena, porque a vida de rico, em geral, é muito chata”, disse o tucano, em meio à campanha para se reeleger.

Na lista das “mais idiotas repetições ideológicas” está Figueiredo com a frase: “Vou fazer deste país uma democracia, e, se alguém for contra, eu prendo e arrebento”.

Essa declaração, porém, não foi dita pelo último presidente do regime militar (Figueiredo morreu em 1999).

A primeira parte (“vou fazer deste país uma democracia”) data de janeiro de 1979, mas a segunda (“se alguém for contra, eu prendo e arrebento”) é de outubro de 1978, na primeira entrevista após ser declarado presidente e anunciar a abertura política.

Em “a defesa mais espantosamente plausível e horrivelmente razoável”, está o depoimento do então deputado João Alves (1919-2004) à CPI do Orçamento, em 1993.

Questionado sobre o enriquecimento, disse: “Fácil. Ganhei tudo na loteria. Ganhei 125 vezes nos últimos dois anos”. Descobriu-se que ele lavava dinheiro na loteria.

Tags: 2 Comments

Latuff homenageia o Doutor

dezembro 4th, 2011 by mariafro
Respond

Morreu no dia da semana que queria e com o Timão campeão como pediu aos Deuses e como lembrou a Débora Cruz, chegou a tempo de comemorar :)

Tags: 2 Comments