Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

DataFolha lançou Marina no dia da morte de Eduardo Campos e jogou Aécio para o 3º lugar

agosto 18th, 2014 by mariafro
Respond

Como dado em primeira mão no Maria Frô, o DataFolha não esperou nem achar os restos dos corpos do acidente aéreo que matou o candidato Eduardo Campos  e três horas após a confirmação de sua morte registrou pesquisa eleitoral no TSE.

A intenção da Folha era clara: pegar a comoção nacional das pessoas abaladas pela tragédia e tentar forçar um segundo turno a todo custo.

De acordo com a pesquisa feita a toque de caixa e divulgada hoje (18/08) Marina Silva, entra na corrida como candidata presidencial em segundo lugar, com 21% das intenções de voto. A presidenta e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, registra 36%, e Aécio Neves, 20%.

O DataFolha entrevistou entre 14 e 15 de julho  2.843 eleitores em 176 municípios.  Se com o início da campanha eleitoral esse quadro permanecerá assim é outra história. Mas o resultado não deixa de ser irônico: ao absorver parte dos nulos e dos indecisos (a taxa de votos nulos ou em branco desceu de 13% para 8% e de indecisos, de 14% para 9%) Marina botou Aécio Neves para o terceiro lugar. O que os tucanos farão?

E para além de selfies, poses no funeralmício, quando efetivamente os candidatos debaterão seu programa de governo?

Infográfico via O Globo

Tags:   · · · · · No Comments.

Em um mês Israel mata 1.822 civis, fere 9.370 e desabriga 450 mil palestinos

agosto 17th, 2014 by mariafro
Respond

A fala deste menino palestino deveria nos causar imensa revolta e nos mobilizar para pôr fim ao genocídio dos palestinos praticado pelo Estado de Israel. Deveria nos cobrir de vergonha por permitirmos tais monstruosidades.

E se você ainda repete a falácia da propaganda do Estado de Israel, caia em si. Veja os números, veja a vergonhosa atuação de um exército covarde, comandando por um Estado covarde que mata civis, em sua maioria mulheres e crianças, que não poupa de seus bombardeios fulminantes nem escolas da ONU.
Israel é governado por loucos. Loucos que matam, loucos que invadem a terra, loucos que praticam genocídio e falam isso abertamente como a aloprada deputada que disse que era preciso exterminar as mulheres palestinas para que não nascessem ‘terroristas’. Quem é terrorista e pratica terrorismo de Estado é Israel e todos os países que o apoiam, como os Estados Unidos.

O genocídio em Gaza: 1.822 mortos, 9.370 feridos e 450 mil desabrigados

Por: Achille Lollo, de Roma (Itália) via Brasil de Fato

06/08/2014


Iyad Al Baba/Oxfam: Uma situação trágica e dramática que não impressiona minimamente a maioria da sociedade israelense, vítima de uma contínua lavagem cerebral, executada ad hoc pela mídia e, sobretudo, pelos políticos sionista

No dia 3 de agosto, depois de quase um mês de guerra, o balanço da operação “Protective Edge” é dramático. Dos 1.822 civis assassinados pelos pilotos dos F-16 e dos F-15, pelos artilheiros dos tanques, dos canhões de longo alcance e dos lança-foguetes, 398 eram crianças.

A última vítima dessa evidente limpeza étnica é uma menininha de oito anos, Aseel Muhammad al-Bakri, que morreu quando um piloto de F-16 alvejou com um foguete a sua casa no campo de refugiados al-Shaiti, nos arredores da Cidade de Gaza.

Certamente esse piloto já brindou com seus oficiais a “grande façanha guerreira” que realizou no dia 3 de agosto contra aquele campo de refugiados palestinos. Seus familiares e amigos sionistas devem estar ansiosos por confraternizar a coragem desse heroi da Força Aérea Israelense.

Afinal, como disse a famosa primeira-ministra sionista, Golda Meier, na década de 1960: “Os palestinos são como baratas, que devem ser, apenas, esmagadas”.

Passados 50 anos, parece que esse mote virou palavra de ordem em Israel, não só pelos extremistas da direita sionista, mas por 86% dos israelenses que manifestaram seu apoio ao governo de Benjamin Netanyahu, por ter atacado Gaza com uma verdadeira operação de guerra (Operation Protective Edge) para o definitivo aniquilamento do Hamas.

O lobby sionista

Em todos os países europeus e nos EUA o lobby sionista conseguiu convencer os governos e, sobretudo, os diretores de jornais, revistas e TVs com a tese, de que a existência do Estado de Israel estava perigosamente ameaçada pelas brigadas do Hamas, motivo pelo qual Israel devia atacar Gaza para garantir seu direito de defesa. Palavras que logo foram repetidas compulsivamente, inclusive, pelo presidente dos EUA, Barack Obama, no momento em que o Congresso autorizava o fornecimento de mais bombas, foguetes e projéteis de todo tipo ao Tzahal (exército de Israel) por um valor de 228 milhões de dólares.

Não esquecendo que no mês de fevereiro passado o governo sionista recebeu dos EUA o tradicional cheque de 1,6 bilhão de dólares para a manutenção das forças armadas israelenses. Uma “doação imperial” que o governo sionista recebe desde 1948.

Assim durante os primeiros dias da invasão sionista, quando nas ruas da Cidade de Gaza havia uma centena de palestinos mortos, as principais televisões e jornais do “Primeiro Mundo” produziram um show midiático, mostrando o voo irregular dos foguetes Qassam que os membros das Brigadas Ezzedim conseguiam lançar de Gaza em direção ao território israelense.

O show foi tão bem articulado que a correspondente da CNN e depois, também a da RAI-2, pareciam que estavam chorando quando anunciavam que um foguete Qassam estava sobrevoando o território israelense. Desta forma, milhões de europeus e estadunidenses acreditaram cegamente que os cidadãos de Israel estavam sendo massacrados pelos homens de Hamas com os referidos foguetes Qassam.

Dizer que isso foi uma fábula é pouco, já que dos 1200 foguetes Qassam que os homens das Brigadas Ezzedim conseguiram lançar contra o território de Israel, apenas dez provocaram a morte de três israelenses e a danificação de cerca de 30 casas, enquanto outros 50 alvejaram estradas do interior provocando apenas buracos.

Foguetes artesanais que continuam sendo apresentados como o máximo da tecnologia militar. Foguetes que, até hoje, nunca alvejaram uma caserna, um depósito de munições do exército ou uma central elétrica ou um hospital. Pois os lobistas sionistas e a mídia não dizem que os referidos foguetes não possuem sistema de navegação eletrônica, isto é, são lançados e caem quando acaba a força de propulsão.

Por outro lado, os moderníssimos F-15 e F-16 estadunidenses, os foguetes Patriot e todo o armamento de última geração que o Tzahal lançou contra a Faixa de Gaza, movimentando na ocasião 86 mil reservistas, seria o contraponto estratégico para “garantir o direito de defesa de Israel”.

Genocídio

Neste âmbito, até o dia 3 de agosto, o ataque do exército sionista provocou a morte de 1.822 civis, dos quais 398 eram crianças, o ferimento de 9.370 palestinos, dos quais 2.744 eram crianças e a destruição de 50% das casas, das escolas, dos hospitais e de toda a infraestrutura socioeconômica, ao ponto que os moradores de Gaza têm energia elétrica somente por duas horas ao dia e a água corre apenas em algumas ruas, visto que os “heroicos pilotos de Israel” bombardearam a única central de tratamento de água e quase todas as estações e subestações de energia elétrica.

Uma situação trágica e dramática que não impressiona minimamente a maioria da sociedade israelense, vítima de uma contínua lavagem cerebral, executada ad hoc pela mídia e, sobretudo, pelos políticos sionistas. Consequentemente, essa maioria apoia e sustenta cegamente essa guerra que já tem cheiro de genocídio e de limpeza étnica, tal como aconteceu em Ruanda e também como os nazistas fizeram na Europa a partir de 1939.

Um genocídio que foi invocado publicamente pela deputada Ayelet Shaked do partido sionista “Casa Hebraica” que na sua página do Facebook escreveu: “Por traz de cada terrorista há homens e mulheres que ajudaram na formação de cada terrorista. São todos inimigos combatentes e o sangue deles deverá recair sobre suas cabeças. Isso se refere também às mães dos mártires que mandaram seus filhos para o Inferno. Também elas deveriam seguir o destino de seus filhos, e seria o mais justo. Pois, deveriam ir para o Inferno fisicamente também as casas onde foram criadas essas serpentes”.

Isso é chamamento ao genocídio, à limpeza étnica, ao massacre dos palestinos em nome de Deus, visto que se cita o Inferno e se deseja a destruição de suas casas e de suas propriedades que, desde 1948, continuam sendo desapropriadas para serem entregues aos “valentes” colonos sionistas.

Por acaso o ex-presidente israelense, prêmio Nobel da Paz, Shimon Peres ficou escandalizado com as palavras da deputada Ayelet Shaked? Ninguém falou, ninguém censurou, ninguém pediu desculpa pela violência política dessa deputada sionista. Um silêncio que nos Estados Unidos foi ainda mais severo, já que as excelências da Freedom House ou da Human Rights não se manifestaram contra esse manifesto em favor do genocídio palestino que o exército do Estado de Israel está executando com “grande profissionalismo”.

Gaza como Timor?

Os responsáveis da “grande política mundial” proferiram algumas palavras de condenação contra o exército de Israel somente quando a opinião pública de seus países ficou impressionada diante das fotos de crianças despedaçadas pelas bombas e praticamente assassinadas após os repetidos bombardeios contra escolas e abrigos da ONU.

A verdade é que todos os presidentes e primeiros-ministros dos países da Otan justificam o genocídio praticado pelo exército sionista na Faixa de Gaza por causa da histórica aliança estratégica com o Estado de Israel, que no Oriente Médio representa os interesses geoestratégicos do Ocidente.

Por isso, o ataque destruidor contra a Faixa de Gaza torna-se compatível com a lógica geoestratégica dos EUA e dos países da Otan, visto que o Hamas é o único sujeito político que rejeita a equação do poder imperial – uma lógica que determinou a necessária derrota política e, sobretudo, militar do Hamas para depois poder, desmilitarizar por completo a resistência palestina e acabar com as reivindicações nacionalistas e revolucionárias da chamada “questão palestina”.

Neste âmbito, o Estado de Israel está fazendo, de fato, o trabalho sujo. Porém, após ter concluído o genocídio em Gaza, o Ocidente vai entregar à ONU a tarefa de reorganizar “pacificamente” os palestinos, tal como foi feito no Timor Leste.

A propósito é bom recordar que o exército da Indonésia – também ele financiado e monitorado pelos EUA – realizou no Timor Leste uma matança de quase 500 mil timorenses de 1975 até 2001.

Parece uma mera casualidade, porém, na segunda-feira (4), o ministro das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, declarou que “Israel apoiaria o mandato da ONU na Faixa de Gaza, para depois devolver esse território a Abu Mazem, aos homens da ANP”.

No mesmo dia, também o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabious, e o próprio presidente francês, François Hollande, bem como o primeiro-ministro da Grã Bretanha, David Cameron, começaram a falar em “solução timorense”.

O problema dessa nova fábula é que antes de a Faixa de Gaza ser entregue aos comissários da ONU e aos corruptos empresários palestinos ligados à ANP para a reconstrução daquele território, o mesmo deverá ser “limpo, física e estruturalmente” de todos os militantes do Hamas e dos outros grupos islâmicos. Por isso, a matança deve continuar não só até o último túnel, mas, sobretudo, até o último combatente palestino.

Leia também:

Dignidade é isso: holandês homenageado por Israel por ter salvo criança do nazismo devolve o prêmio após ter sua família assassinada em Gaza

Tags: No Comments.

Dignidade é isso: holandês homenageado por Israel por ter salvo criança do nazismo devolve o prêmio após ter sua família assassinada em Gaza

agosto 16th, 2014 by mariafro
Respond

Holandês que salvou menino do nazismo devolve prêmio após perder família em Gaza

Idoso de 91 anos foi homenageado em 2011 por esconder menino de tropas nazistas; a sobrinha dele casou com um palestino

Estadão

15.08.2014 | 09:07 
Israel realiza ataque aéreo a Gaza
Uma autoridade do governo israelense declarou que seu país não irá negociar com os palestinos enquanto os militantes continuarem disparando mísseis
Hatem Moussa/AP

AMSTERDÃ  - Um advogado holandês de 91 anos premiado em Israel por ter salvado um menino judeu durante a Segunda Guerra Mundial devolveu seu prêmio depois de ter perdido seis parentes em um bombardeio israelense à Faixa de Gaza, no mês passado, segundo o jornal israelense Haaretz.

Henk Zanoli e sua mãe, Johana Zanoli-Smit, receberam o prêmio em 2011 por ter escondido Elhanan Pinto, uma criança de 11 anos, dos nazistas durante a guerra. À época, o pai de Hank já tinha sido enviado ao campo de concentração de Dachau por se opor à ocupação da Holanda pela Alemanha de Hitler.

A sobrinha neta de Zanoli, a diplomata holandesa Angelique Eijpe, é casada com o economista palestino Isma’il Ziadah, nascido no campo de refugiados de al-Bureij, em Gaza. No dia 20 de julho, um bombardeio israelense atingiu a casa da mãe de Ziadah. Ela, três irmãos de Ziadah, uma cunhada e um  primo morreram no ataque.

Ao saber da morte da família palestina de sua sobrinha, Zanoli decidiu devolver a medalha e o certificado do prêmio Virtuoso entre as Nações ao governo de Israel. Em carta ao embaixador israelense na Holanda, Haim Davon, Zanoli descreveu os motivos de sua decisão.

” Dado o nosso histórico é particularmente chocante e trágico que, quatro gerações depois, nossa família sofra com o assassinato de nossos parentes em Gaza. Um assassinato conduzido pelo Estado de Israel. Os bisnetos de minha mãe perderam sua avó palestina, três tios, uma tia e um primo pelas mãos do Exército de Israel”, escreveu o holandês.

 “Para mim, continuar com essa honra concedida pelo Estado de Israel, nessas circunstâncias, seria um insulto à memória da minha corajosa mãe, que arriscou a vida dela e dos filhos contra a opressão e pela preservação da vida humana. É também um insulto à minha família que, quatro gerações depois, perdeu nada menos que seis membros em Gaza pelas mãos do Estado de Israel”, acrescentou.

O advogado ainda afirmou que a invasão israelense à Faixa de Gaza resultou em graves acusações de crimes contra a humanidade e disse que não estaria surpreso se isso levasse a condenações, caso fossem julgadas por um tribunal isento.

Questionado pelo Haaretz sobre o ataque, o Exército israelense diz que despende grandes esforços para evitar mortes de civis em Gaza e investiga todas as denúncias de incidentes irregulares. Um relatório deve ser publicado ao fim das investigações.

 

Tags: No Comments.

Não desista nunca do Brasil, faça com que este país seja cada vez melhor

agosto 15th, 2014 by mariafro
Respond

O ex-presidente Lula, ao ser questionado se o país fica órfão de lideranças jovens com a morte de Eduardo Campos, diz algo mais ou menos assim: “A morte de Eduardo Campos é uma perda muito grande para o Brasil. Mas o Brasil tem dezenas de jovens participando da política, outros vão aparecer, outros vão crescer, ou seja, uma frase que o Eduardo disse antes de morrer: “acreditar sempre no Brasil” eu acho que isso que a classe política e sobretudo a juventude que quer entrar na política precisa acreditar, ou seja, não desistir nunca do Brasil e fazer com que este país seja um país cada vez mais poderoso, cada vez mais mais rico, cada vez mais mais justo com seu povo. Eu acho que é isso que deve permear o comportamento da juventude e o comportamento da classe política.” (…)

Por volta dos 8 minutos Lula lembra da eleição onde PSB e PT disputaram o governo de Pernambuco e que Lula subia no palanque com ambos candidatos, Eduardo Campos pelo PSB e Humberto Campos pelo PT. É uma fala que mostra que a política brasileira é de uma complexidade astronômica, mostra também muito da política do porte de um líder político como Lula.

Por volta dos 10 minutos Lula mostra de novo uma grandeza rara, humaniza a política. Ao invés da política baixa da mídia bandida que registrou uma pesquisa eleitoral poucas horas depois de confirmada a morte de Eduardo Campos, induzindo o eleitor a aceitar Marina como substituto de Eduardo Campos na disputa eleitoral, o ex-presidente, argumenta que as pessoas precisam de um tempo para lidar com a tragédia.

Sobre Marina reafirma o respeito em relação a ela e declara: Nunca misturei a minha relação de amizade com a política.
Sobre o impacto eleitoral da morte de Eduardo Campos, Lula reafirma: não é o momento de especulação. Mudou a conjuntura, óbvio, mas esperemos ao menos enterrar os companheiros. Lula como os demais candidatos petistas suspenderam suas agendas e se concentrar em apoiar a família e enterrar os mortos.

“Nós éramos mais do que políticos amigos, nós éramos companheiros”, diz Lula sobre Campos

Instituto Lula

14/08/2014 17:47

Emocionado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula Silva falou na tarde desta quinta-feira (14) com a imprensa sobre o falecimento de Eduardo Campos.

“Nós éramos mais do que políticos amigos, nós éramos companheiros”, afirmou ao lembrar que a relação entre os dois “extrapolava a política”.

O ex-presidente lembrou de momentos vividos ao lado de Eduardo, com ele como seu ministro e também como governador de Pernambuco. “O que a gente pode fazer pelo Eduardo é ter seu comportamento e sua vida política como exemplo”, ressaltou.

Lula explicou que não teve condições de falar ontem sobre o assunto e que foi difícil acreditar no que aconteceu. “O Brasil não merecia isso. O Eduardo Campos era uma figura extremamente promissora (…) Para Pernambuco, para o Nordeste e para o Brasil, o Eduardo é uma perda muito grande”.

Tags: No Comments.