Para expressar a liberdade

Maria Frô - ativismo é por aqui

Maria Frô header image 4

Ginzburg: Google, poderoso instrumento de homogeneização cultural pode ser usado de maneiras diferentes e imprevisíveis

março 14th, 2011 by mariafro
Respond

A dica desta instigante palestra de Carlo Ginzburg foi de @Mr_Machado.

Um pequeno trecho : Google, poderoso instrumento de homogeneização cultural pode ser usado de maneiras diferentes e imprevisíveis (…) Idealizar o Google não faz sentido, recusar-se a ver a energia que ele pode liberar seria igualmente sem sentido. O caso de Diana nos mostra que o Google é, ao mesmo tempo, um poderoso instrumento de pesquisa histórica e um poderoso instrumento de cancelamento da história. Porque, no presente eletrônico, o passado se dissolve. Essa contradição já está modificando o mundo em que vivemos e em que as gerações futuras viverão. Os conceitos de presente e futuro se tornam mais frágeis e de passado também. Ao menos, o passado como os historiadores o viam.

Tags:   · · · · · · 5 Comments

Japão tem mais de 430 mil pessoas desabrigadas

março 14th, 2011 by mariafro
Respond

Há uma rádio em português, a NHK, transmitida diretamente de Tóquio. Acesse aqui. É de lá que trago estas notícias.

Hoje houve mais uma explosão na usina nuclear nesta segunda-feira. Há cerca de 15 mil pessoas desaparecidas e mais de 430 mil desabrigados na região Nordeste mais afetada pelo maremoto. Segundo a NHK há 433 mil 423 pessoas se abrigaram em 2.067 centros de refúgio. Mesmo assim, o frio intenso, a escassez de combustível para alimentar os sistemas de aquecimento, a dificuldade de acesso, os riscos de desabamento e a falta de comunicação (não há celulares nem internet) dificultam o trabalho dos efetivos dos governo nas áreas devastadas que não confirmam o número real dos desabrigados.

Dados até agora indicam que mais de 1.800 pessoas morreram em consequência do devastador terremoto e tsunamis no Japão

Da NHK em português

14/03/2011

Dados até agora indicam que mais de 1.800 pessoas morreram em consequência do devastador terremoto e tsunamis no Japão

Mais de 1.800 pessoas foram confirmadas como mortas em consequência do devastador terremoto e subsequentes tsunamis que atingiram a região nordeste do Japão, na sexta-feira. Mais de 15 mil pessoas estão desaparecidas.

A província de Miyagi confirmou 785 mortes nas cidades de Higashi-matsushima, Kesen-numa e Sendai.

Numa praia também em Sendai, 200 a 300 corpos foram encontrados. Acredita-se que tenham sido vítimas de tsunamis.

As operações de resgate estão sendo dificultadas pela grande quantidade de escombros.

Na cidade costeira de Minami-Sanriku, a maior parte das casas e outras estruturas, exceto um hospital e poucos edifícios, foram levadas pelas ondas dos tsunamis.

A província disse que cerca de 10 mil pessoas ou seja, mais da metade da população total da cidade que é de 17 mil, ainda continuam desaparecidas.

A Polícia da Província de Miyagi disse que o número de mortos nesta província certamente deverá exceder dez mil.

 

Tags:   · · · · · · · 4 Comments

Wikileaks: Fucking Piqueteiros!( Fucking USA!)

março 13th, 2011 by mariafro
Respond

WikiLeaks: Fucking piqueteros!

Ver matéria do Página 12, Buenos Aires, 11/3/2011. Abaixo segue a tradução de um dos telegramas lá comentados.

NOTA DOS TRADUTORES: Esse telegrama só interessa como prova de que qualquer D. Eliane Cantanhede e até a D. Danuza estão perfeitamente apetrechadas para serem embaixadoras dos EUA até na Argentina! Além de ressuscitarem Menen-lá e algum FHC-defunto, os embaixadores estadunidenses mostram que muitos jornalistas brasileiros têm emprego garantido no Departamento de Estado de qualquer Hillary por aí. GRANDE WIKILEAKS! É ler e ver.


Piqueteiros, foto da web.

Nota do Maria Frô: Embaixadores estadunidenses fazem de tudo, menos diplomacia: fofocas, buscam desestabilizar governos, praticam também espionagem. Para que Cia?

WikiLeaks
Original em inglês aqui

Cabeçalho aqui omitido.

Reference ID Created Released Classification Origin
09BUENOSAIRES526 2009-05-05 21:09 2011-03-11 00:12 CONFIDENTIAL Embassy Buenos Aires
Telegrama enviado da Embaixada dos EUA em Buenos Aires, Argentina, dia 5/5/2009
Parte CONFIDENCIAL do telegrama 09BUENOSAIRES526
O telegrama integral não está disponível.
Tradução de trabalho, não oficial, para anotação histórica.ASSUNTO: Os piqueteros argentinos, principais atores  das manifestações pró-Kirshner  

1. (SBU) RESUMO. Depois de terem sido largamente cooptados pelo governo do ex-presidente Nestor Kirchner (NK), alguns grupos argentinos de protesto social – “piqueteros” – começaram a distanciar-se do governo da atual presidente Cristina Fernandez de Kirchner (CFK). Continuam a ser força considerável, mas não é claro o papel que tenham nas eleições para o Congresso em 2009, de meio de mandato. É possível que o governo tenha dado aos movimentos o suficiente para preservar seu apoio, mas não o suficiente para obter deles mobilização ativa.

Esse telegrama analisa a história dos piqueteros e sua ligação com os governos Kirchner. Outro telegrama traçará o perfil dos principais líderes e examinará o papel e a posição de alguns dos grupos nas questões chaves.

2. (SBU) Como parte dos esforços atuais da Embaixada para atingir um amplo espectro da sociedade argentina, a Embaixada organizou recentemente uma série de encontros com os principais líderes piqueteros. Esse movimento social amorfo trouxe à tona as preocupações e demandas da grande classe baixa [orig. under-class] e também desempenhou papel na amplificação do poder político dos Kirchners, em parte mediante passeatas, bloqueios de estradas e ruas e boicotes. Para muitos argentinos, a condescendência do Governo Argentino com as táticas dos piqueteros, muitas vezes ilegais, sobretudo os bloqueios de estradas, é vista como estímulo a uma cultura de ilegalidade e intimidação. FIM DO SUMÁRIO

INTRODUÇÃO

Quem são os piqueteros?
———————–

3. (SBU) Há mais de uma década, a Argentina tem experienciado protestos organizados e ativismo social de movimentos chamados “piqueteros”, palavra que, literalmente, significa “picketers”.  Esses grupos, que primariamente representam cidadãos desempregados, recebem benefícios do governo nacional, a serem distribuídos entre os membros (150-200 pesos/mês, cerca de US$40-53), em troca de trabalharem de 20 a 40 horas semanais em trabalhos de assistência social. Segundo estatísticas oficiais de 2007, o plano de assistência familiar beneficiou 504.784 famílias, que inclui 1.766.744 crianças. Líderes piqueteros locais acreditam que o número real de beneficiados caiu, quando a economia argentina começou a recuperar-se da crise econômica pela qual passou em 2001. Estimam que apenas 800 mil argentinos beneficiam-se hoje desses programas, e não há estatísticas oficiais depois de 2007.

4. (SBU) As organizações de piqueteros passaram a ganhar maior controle sobre os próprios fundos durante o governo do ex-presidente Fernando de la Rua’s (1999-2001).  Planos de benefícios foram inicialmente pagos pelo governo federal, diretamente dos governos locais aos beneficiários. Mas no governo de De la Rua, 10%  dos benefícios eram distribuídos diretamente através das organizações depiqueteros registradas. Segundo especialistas argentinos, De la Rua tentava limitar o piquetero power, exigindo que se registrassem para receber os benefícios. Mas, no processo de ‘legalizá-los’, deu aos grupos acesso direto e controle sobre seus programas de trabalho. Com algum controle financeiro, muitos grupos concentraram-se em preservar e ampliar os próprios fundos mediante negociação e protestos com os governos locais e federais.

5. (SBU) Hoje, há cerca de 60 diferentes organizações de piqueteros na Argentina, a maioria registrada nos subúrbios mais pobres de Buenos Aires. Segundo relatório de 2002 da UNDP, há pelo menos três tipos de grupos piqueteros: os que lutam por subsídios para emergências sociais; os que procuram atender necessidades coletivas das comunidades; e os que promovem a criação de micronegócios. Os cinco maiores são a Federation of Land and Housing (FTV), com 125 mil membros, dirigida pelo mais famoso dos piqueteros, Luis D’Elia, aliado de Kirchner; a Classicist and Combative Current (CCC), com 70 mil membros; o Integrated Movement of Retired and Unemployed Persons (MIJD) com 60 mil membros; o Standing  Neighborhoods (Barrios de Pie) com 60 mil membros e o Worker Pole, com 25 mil membros. O MTD Evita é menor que os demais grupos, mas seu líder Emilio Persico, estridente apoiador dos Kirchners e ex-subprefeito de Buenos Aires no governo do ex-governador Felipe Sola, é quase sempre capaz de mobilizar cerca de 2.000 pessoas em manifestações pró-governo.

Muitos desses grupos foram (e muitos ainda são) aliados da confederação (não oficial) de trabalhadores argentinos –  Argentine Workers Central (CTA). Grupos piqueteros de oposição são quase sempre mais à esquerda, mas os piqueteros pro-Kirchner, embora ainda esquerdistas e virulentamente antiamericanos, mostraram maior flexibilidade.

Muitos grupos, independente da relação que mantenham com o governo Kirchner, são ligados ao governo, por causa dos subsídios que recebem. O MTD em La Matanza (importante distrito eleitoral nos arredores mais pobres da província de Buenos Aires) é exceção: recusaram qualquer tipo de ajuda financeira do governo.

Quais os objetivos dos piqueteros?
———————

6. (SBU) Muitos líderes piqueteros aproximam-se de funcionários do governo com um único claro objetiv: conseguir mais subsídios, para ampliar o número de filiados. Se não são atendidos, põem-se a bloquear estradas e ruas e fazem manifestações de rua. Analistas locais observam que anos eleitorais, como agora, com eleições de meio de mandato marcadas para 28 de junho, são particularmente propícios aos piqueteros, porque interessa ao governo manter baixo o nível de conflito, para obter o maior número possível de votos.

Os piqueteros e os Kirchners
—————————-

7. (SBU) O ex-presidente Nestor Kirchner (NK) viu no movimento piquetero um meio para mobilizar apoio para seu governo, na base eleitoral dos mais pobres. Conquistou o apoio de alguns grupos piqueteros quando liberou as manifestações de rua e incluiu mais de 50 líderes piqueteros nos governos nacional e locais. A atitude de NK contrasta fortemente com a ação policial contra as manifestações que aconteceram durante os governos dos ex-presidentes Fernando De la Rua (1999-2001) e Eduardo Duhalde (2002-2003). NK também abriu os cofres para obter a lealdade dos piqueteros, operação mediante a qual conquistou a cooperação de metade dos grupos piqueterosexistentes (FTV, Barrios de Pie e MTD Evita) para que se manifestem a favor do governo ou mobilizem-se em apoio a seu governo.

8. (SBU) Embora os piqueteros tenham alcançado maior reconhecimento oficial pelo governo nacional desde que os Kirchners chegaram ao poder pela primeira vez em 2003, parecem ter-se afastado do poder no governo da presidente Cristina  Fernandez de Kirchner (CFK).Piqueteros que antes apoiavam Nestor estão-se afastando de Cristina, e alguns já romperam completamente e abertamente cortejam outros partidos para as eleições de junho. Dos cindo principais grupos piqueteros, só a FTV [Frente Trabajo y Vivienda, “Frente pelo Trabalho e por Moradia”] permanece firmemente alinhada com os Kirchners. E também esse grupo parece vacilar. O líder Luis D’ Elia disputa atualmente, com NK, para obter mais espaço na lista oficial de candidatos às eleições parlamentares de meio de mandato.

Origens do movimento
———————–
9. (SBU) O movimento dos piqueteros começou nos anos 1990s, quando a Argentina conheceu altos níveis de desemprego (18%) e muitas empresas estatais foram privatizadas. As primeiras manifestações de piqueteros aconteceram no final de 1996/início de 1997, por desempregados nas refinarias de petróleo em Salta e Neuquen. Os manifestantes bloquearam estradas, inclusive uma estrada federal e exigiram serem recontratados ou novos empregos. Os manifestantes recusaram-se a dispersar, até que o governador da província apresentou plano para criar novos empregos. Embora esses primeiros manifestantes não fossem ligados a partidos ou organizações sociais ou políticas, o sucesso daqueles movimento gerou um padrão de manifestações dos movimentos de ativismo social. As organizações sociais não só assumiram o nome “piquetero”, mas, também, adotaram as táticas dos ‘petroleiros’, trabalhadores dos sindicatos das refinarias de petróleo. Em pouco tempo a tática de bloquear estradas aumentou, na Argentina, de 27 bloqueios em 1997 na província de Buenos Aires, para um total de 7.269 protestos em 2005, segundo pesquisadores argentinos.

10. (SBU) O movimento tirou o nome dos protestos dos ‘petroleiros’, e o primeiro plano de subsídio para trabalhadores desempregados foi implementado no início dos anos 1990s. O ex-presidente Carlos Menem implementou o primeiro projeto de criar empregos em 1993, por causa do crescente desemprego gerado por suas políticas de privatização. Em 2002, o presidente Eduardo Duhalde,  respondendo ao desemprego que alcançava 33%, criou o “Plano para Chefes de Família Desempregados” (PJJHD), pelo qual dois milhões de chefes de família argentinos recebiam benefícios do governo em 2003, segundo historiadores argentinos dos movimentos sociais.  NK converteu esse PJJHD em três planos: um plano de ajuda às famílias, um plano de seguridade alimentar e um plano para desenvolvimento socioeconômico local.

11. (C) COMENTÁRIO: Os argentinos, sem dúvida alguma, têm opiniões divergentes sobre os piqueteros.  Muitos dos mais pobres encontram nos movimentos piqueteros um ajuda mínima que garante a sobrevivência e instrumento legítimo de protesto político. Outros, sobretudo as classes média e alta, veem os piqueteros como agitadores sem causa, em alguns casos, nihilistas. No passado, foram arma poderosa nas mãos dos Kirchners, mas em contexto de muito menos tolerância, nas eleições de junho, a Victory Front parece pouco inclinada a mobilizar seus piqueteros (o que explica a recente rixa entre NK e D’Elia). As principais preocupações dos eleitores, como se constata em muitas pesquisas de opinião, são, hoje, a segurança e o alto número de crimes. Por seus piqueteros na rua, bloqueando estradas, e metendo medo nos eleitores, não parece ser tática eleitoral indicada no atual clima. [assina KELLY]

 

Tags:   · · · · 9 Comments

PJ Crowley renuncia após dizer que tratamento dado a Bradley é “contraproducente e estúpido”

março 13th, 2011 by mariafro
Respond

Nota do Maria Frô sobre Bradley Manning veja aquiaqui, aqui

Porta-voz PJ Crowley, do Departamento de Estado dos EUA renuncia,  depois de criticar tortura do soldado Bradley Manning
Guardian
, UK, Tradução: Vila Vudu
13/3/2011

“Nos EUA, os Republicanos temem a voz das urnas e os Democratas a desprezam.”
David Frum, jornalista, pelo Twitter

PJ Crowley, porta-voz oficial do Departamento de Estado, tombou vítima da própria espada, ao dizer que o tratamento dado a Bradley Manning, acusado [ainda sem qualquer prova] de ser a fonte que entregou a WikiLeaks os arquivos sigilosos de telegramas diplomáticos sigilosos, que continuam a ser divulgados, seria “contraproducente e estúpido”.

A renúncia vem logo depois de Crowley ter feito aquelas observações, em seminário realizado no MIT, sobre o tratamento que Manning está recebendo numa prisão militar dos EUA.

Crowley disse textualmente: “O que o Departamento da Defesa está fazendo a Bradley Manning é ridículo, contraproducente e estúpido”.

A frase obrigou o presidente Obama a manifestar-se pela primeira vez sobre o modo como o soldado Manning está sendo tratado na prisão de Quantico, base da marinha, na Virginia. Obama defendeu a tortura de Manning. Disse que havia sido informado pelo Pentágono de que os procedimentos eram apropriados.

Na carta em que apresenta sua renúncia ao posto, Crowley diz que assume total responsabilidade pelo que disse. Disse que considera os vazamentos “crime grave, nos termos da lei dos EUA”, mas não desmentiu críticas anteriores ao Pentágono.

Em palavras que podem ainda causar novas dificuldades para Obama, Crowley escreveu que seus comentários “visavam a lançar luz sobre o impacto muito maior, impacto talvez estratégico, de ações clandestinas empreendidas como rotina por agências de segurança nacional dos EUA, na imagem e na liderança global dos EUA. O exercício do poder nos tempos desafiadores que vivemos, e o trabalho da mídia, têm de ser prudentes e consistentes com a lei e os valores norte-americanos.”

Quando Obama chegou à Casa Branca, disse que um dos objetivos chaves de seu governo seria recuperar a imagem global dos EUA. Denunciou, então, o tratamento degradante que o governo Bush dava aos prisioneiros, como ação contrária aos interesses nacionais dos EUA.

Em carta-resposta oficial, Hilary Clinton disse que aceitara “com tristeza” a partida de Crowley. “PJ serviu nossa nação com distinção por mais de trinta anos, em uniforme e como civil” – disse ela.

A renúncia do principal porta-voz significa que a indignação contra a tortura do soldado Manning já alcançou os círculos superiores do governo Obama.

Manning está preso em confinamento (“solitária”) há dez meses. Tem sido submetido a condições especiais, alegadamente para evitar que se suicide. Essas condições implicam permanecer 23 horas por dia na cela sob vigilância ininterrupta, e completamente despido à noite.

O regime de segurança máxima ao qual está submetido na prisão de Quantico já foi denunciado como forma de tortura  por muitos, inclusive por Daniel Ellsberg, que vazou para a mídia os “Pentagon Papers” sobre a guerra do Vietnã [ver “A vergonhosa violência contra Bradley Manning”, Daniel Ellberg, 12/3/2011, aqui]. A ONU também está investigando.

Muitos analistas já chamaram a atenção para o critério ambíguo que se vê por trás da renúncia de Crowley. Glenn Greenwald, repórter da revista Salon, que luta na vanguarda da denúncia contra os maus tratos infligidos ao soldado Manning, disse, pelo Twitter, que “torturar prisioneiros pode; manifestar-se contra a tortura de prisioneiros, é proibido”.

Semana passada, o próprio Manning manifestou-se sobre como está sendo tratado. Disse que a tortura visa a castigá-lo, mesmo antes de qualquer acusação ou julgamento legal. Disse que, todas as noites, tiram-lhe todas as ropuas, desde o dia em que fez um comentário sarcástico, ouvido por um dos guardas, sobre o absurdo do regime a que já estava condenado.

Manning foi acusado de vários crimes relacionados ao vazamento de milhares de telegramas diplomáticos sigilosos dos EUA, além de vídeos e imensos arquivos sobre o Afeganistão e o Iraque. Foi preso em maio de 2010, numa base militar dos EUA próxima de Bagdá, onde servia como especialista dos serviços de inteligência.

 

Tags: 14 Comments